PSI­CO­TE­RA­PIA

Co­nhe­ça exem­plos de te­ra­pi­as que po­dem ali­vi­ar os sin­to­mas de dis­túr­bi­os do hu­mor

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

As emo­ções são fa­to­res de­ter­mi­nan­tes pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de vá­ri­os ma­les da men­te. No en­tan­to, é pos­sí­vel con­tro­lá-las e ga­ran­tir uma vi­da com mais qua­li­da­de. Pen­san­do nis­so, se­pa­ra­mos al­gu­mas téc­ni­cas que po­dem fa­zer to­da a di­fe­ren­ça no dia a dia de quem en­fren­ta dis­túr­bi­os men­tais, co­mo a es­qui­zo­fre­nia e o trans­tor­no bi­po­lar. Va­le res­sal­tar que al­guns dis­túr­bi­os mais gra­ves, co­mo a pró­pria es­qui­zo­fre­nia, ne­ces­si­tam de um tra­ta­men­to te­ra­pêu­ti­co acom­pa­nha­do do uso de re­mé­di­os re­cei­ta­dos por um es­pe­ci­a­lis­ta pa­ra que, as­sim, os sin­to­mas não do­mi­nem a saú­de do pa­ci­en­te. A se­guir, co­nhe­ça al­gu­mas alternativas que po­dem ge­rar uma mai­or qua­li­da­de de vi­da às pes­so­as que so­frem com de­sor­dens da men­te!

PSICOTERAPIAS

Mes­mo com o apoio fa­mi­li­ar e a ad­mi­nis­tra­ção de re­mé­di­os por um psi­qui­a­tra, o acom­pa­nha­men­to pro­fis­si­o­nal de um psi­có­lo­go é fun­da­men­tal pa­ra o con­tro­le dos des­con­for­tos re­la­ci­o­na­dos à men­te. Pa­ra tan­to, exis­tem di­ver­sas li­nhas te­ra­pêu­ti­cas, as quais se­rão in­di­ca­das pe­lo es­pe­ci­a­lis­ta de acor­do com ca­da di­ag­nós­ti­co.

Psi­ca­ná­li­se

Te­o­ri­za­da pe­lo neu­ro­lo­gis­ta aus­tría­co Sig­mund Freud em três im­por­tan­tes pu­bli­ca­ções, In­ter­pre­ta­ção dos So­nhos, Psi­co­pa­to­lo­gia da Vi­da Co­ti­di­a­na e Três Ensaios so­bre a Te­o­ria da Se­xu­a­li­da­de, a psi­ca­ná­li­se, co­mo for­ma de psi­co­te­ra­pia, bus­ca ou­vir o que o pa­ci­en­te tem a di­zer so­bre su­as di­fi­cul­da­des a fim de aju­dar a su­pe­rá-las.

O prin­ci­pal pon­to des­sa téc­ni­ca é fa­zer com que a pes­soa li­vre- se da­que­le fa­tor cau­sa­dor de so­fri­men­to por meio da fa­la. Pa­ra is­so, o pro­fis­si­o­nal que do­mi­na a prá­ti­ca bus­ca in­ves­ti­gar ele­men­tos vi­ven­ci­a­dos pe­lo in­di­ví­duo que po­dem ter cau­sa­do um trau­ma e, con­se­quen­te­men­te, a sequên­cia de sin­to­mas des­de en­tão. Mes­mo que o epi­só­dio trau­má­ti­co te­nha ocor­ri­do há mui­to tem­po, o psi­ca­na­lis­ta, por meio de as­so­ci­a­ções li­vres, con­se­gue es­ti­mu­lar um mai­or au­to­co­nhe­ci­men­to por par te da pes­soa e, des­se mo­do, tra­zer o pro­ble­ma à to­na pa­ra que o tra­ta­men­to co­me­ce a sur­tir os pri­mei­ros efei­tos.

“Psi­ca­na­lis­tas pós-freu­di­a­nos apro­fun­da­ram-se nes­te cam­po apon­ta­do por Freud, de­mons­tran­do a efi­cá­cia da psi­ca­ná­li­se no tra­ta­men­to da es­qui­zo­fre­nia e das psi­co­ses em ge­ral”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Ana Pau­la Ma­gos­so Ca­vag­gi­o­ni.

Psi­co­lo­gia jun­gui­a­na

Mes­mo que a con­tri­bui­ção de Freud te­nha si­do mar­can­te pa­ra a com­pre­en­são da men­te hu­ma­na, os es­tu­dos do pai da psi­ca­ná­li­se não fo­ram os úni­cos a se em­bre­nha­rem nes­se ca­mi­nho ne- bu­lo­so. O aus­tría­co ins­pi­rou ou­tros teó­ri­cos a se apro­fun­da­rem na área, e um dos que se des­ta­cou por su­as con­tra­po­si­ções a al­guns pon­tos de­fen­di­dos por ele é o psi­qui­a­tra suí­ço Carl Gus­tav Jung. Com a for­ma­ção da psi­co­lo­gia ana­lí­ti­ca, Jung pô­de acres­cen­tar uma op­ção de tra­ta­men­to pa­ra aque­les que bus­cam uma te­ra­pia pa­ra a men­te. Sem um mé­to­do de atu­a­ção pa­dro­ni­za­do, es­se ti­po de aná­li­se se ba­seia em pi­la­res das te­o­ri­as pro­pos­tas pe­lo psi­qui­a­tra:

1. In­cons­ci­en­tes:

in­do além do in­cons­ci­en­te de­fi­ni­do por Freud, co­mo sen­do uma par te da men­te que gu­ar­da vi­vên­ci­as que po­dem ter si­do ape­nas es­que­ci­das ou até re­pri­mi­das de­vi­do a uma es­pé­cie de­fe­sa con­tra um trau­ma, Jung tam­bém afir­ma a exis­tên­cia de uma re­gião in­cons­ci­en­te em que es­ta­ri­am ex­pe­ri­ên­ci­as com­par­ti­lha­das por to­da a hu­ma­ni­da­de.

2. So­nhos:

a in­ter­pre­ta­ção dos so­nhos é uti­li­za­da pela psi­co­lo­gia jun­gui­a­na pa­ra com­pre­en­der di­fi­cul­da­des re­ais da pes­soa, co­mo se fos­sem uma par­te da psi­que de­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.