Será que é DOENÇA?

Em al­gu­ma fa­se da vi­da, a mai­o­ria das pes­so­as vai apre­sen­tar ob­ses­sões ou com­pul­sões. Mas quan­do elas pas­sam a cau­sar prejuízos, é ho­ra de bus­car aju­da mé­di­ca

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Asi­gla “TOC” quer di­zer “Trans­tor­no Ob­ses­si­vo Com­pul­si­vo” e já é co­nhe­ci­da pe­la mai­o­ria das pes­so­as. Ape­sar do real sig­ni­fi­ca­do da doença nem sem­pre en­trar no con­tex­to, não é in­co­mum ou­vir al­guém afir­mar que tem TOC por­que não gos­ta de observar os qua­dros tor­tos na pa­re­de, ou por­que precisa man­ter os sa­pa­tos or­ga­ni­za­dos no ar­má­rio. Es­ses po­dem, sim, ser sin­to­mas des­sa doença que afe­ta a men­te – mas, nem sem­pre, hábitos de or­ga­ni­za­ção ou limpeza po­dem in­di­car o trans­tor­no. “An­tes de de­ta­lhar qual o li­mi­te pa­ra fa­zer­mos o di­ag­nós­ti­co, é ne­ces­sá­rio en­ten­der­mos o que são ob­ses­sões e com­pul­sões, que fa­zem par­te da de­fi­ni­ção de TOC”, avi­sa o psi­qui­a­tra Mar­co An­to­nio Abud Tor­qua­to Jr, que ex­pli­ca as diferenças en­tre es­sas du­as pa­la­vras: OBSESSÃO: “É um pen­sa­men­to que ‘in­va­de’ nos­sa men­te, sem que con­si­ga­mos freá-lo. É um pen­sa­men­to nosso, mas é in­vo­lun­tá­rio, com o qual mui­tas ve­zes não con­cor­da­mos e que cau­sa mui­to incô­mo­do e an­si­e­da­de. Todos nós po­de­mos ter um pen­sa­men­to ob­ses­si­vo em al­guns mo­men­tos”. Um exem­plo é o tre­cho de uma música que per­ma­ne­ce vin­do à men­te sem nos­sa von­ta­de – às ve­zes, nem gos­ta­mos da música! - is­so pode ge­rar ir­ri­ta­ção e tem um ca­rá­ter ob­ses­si­vo. COM­PUL­SÃO: es­tá mais li­ga­da a um com­por­ta­men­to. “É al­go que ‘pre­ci­sa­mos’ fa­zer pa­ra ali­vi­ar um pen­sa­men­to ou uma sen­sa­ção ruim. O in­di­ví­duo ten­ta, às ve­zes, con­tro­lar a ação, não fa­zer, mas é di­fí­cil e aca­ba ce­den­do”. Es­ses com­por­ta­men­tos tam­bém po­dem fa­zer par­te do co­ti­di­a­no, por exem­plo: quem es­tá de di­e­ta e aca­ba ce­den­do a um do­ce (ou dois, três...), quem precisa eco­no­mi­zar dinheiro e com­pra uma rou­pa nova, quem organiza a me­sa mes­mo não es­tan­do ba­gun­ça­da. “Todas es­sas ações po­dem ter um ca­rá­ter com­pul­si­vo em al­guns mo­men­tos. Uma frase co­mum pa­ra exem­pli­fi­car uma com­pul­são é ‘eu não sei por que pre­ci­so che­car a por­ta, não te­nho ne­nhum pen­sa­men­to ou medo, mas te­nho que ve­ri­fi­car vá­ri­as ve­zes até me sen­tir se­gu­ro’”. Pa­ra des­con­fi­ar do TOC, a pes­soa precisa ter ob­ses­sões e/ou com­pul­sões e três ele­men­tos de­vem ser ob­ser­va­dos:

• Tem­po: fi­car mais de uma ho­ra por dia imer­sa em ob­ses­sões ou re­a­li­zan­do com­pul­sões;

• So­fri­men­to: pen­sa­men­tos ou ações in­co­mo­dam bas­tan­te e não po­dem ser evi­ta­dos;

• Prejuízos: no con­tex­to pro­fis­si­o­nal, so­ci­al, em re­la­ci­o­na­men­tos ou em ou­tras áre­as im­por­tan­tes da vi­da de­vi­do aos sin­to­mas. Ou se­ja, quan­do os si­nais do TOC co­me­çam a in­ter­fe­rir na ro­ti­na, im­pe­din­do que a pes­soa re­a­li­ze as ati­vi­da­des diá­ri­as im­por­tan­tes ou de­mo­re mui­to no pro­ces­so, é ho­ra de bus­car aju­da mé­di­ca. “Cer­ca de 4% da po­pu­la­ção so­fre com es­se trans­tor­no. Enquanto hou­ver ca­rac­te­rís­ti­cas do TOC, mas não trou­xer da­nos à vi­da do in­di­ví­duo, clas­si­fi­ca-se como SOC – Sin­to­ma Ob­ses­si­vo Com­pul­si­vo”, com­ple­men­ta a psi­có­lo­ga Ali­ne Go­mes. O SOC pode apa­re­cer em al­gum mo­men­to da vi­da de mui­tas pes- so­as, e bas­ta pres­tar aten­ção à in­ten­si­da­de e frequên­cia dos sin­to­mas.

QUEM PODE TER?

Segundo a Associação Bra­si­lei­ra de Sín­dro­me de Tou­ret­te, Ti­que e Trans­tor­no Ob­ses­si­vo Com­pul­si­vo (ASTOC), o TOC pode atin­gir pes­so­as de todos os gru­pos étnicos e tan­to mu­lhe­res quan­to ho­mens. O mais co­mum é que os sin­to­mas ini­ci­em du­ran­te a ado­les­cên­cia ou no iní­cio da vi­da adul­ta.

POR QUE ELE APA­RE­CE?

Pa­ra ex­pli­car os di­fe­ren­tes fa­to­res que po­dem oca­si­o­nar o TOC, o psi­qui­a­tra usa a me­tá­fo­ra de um que­bra-ca­be­ça, em que as vá­ri­as pe­ças fa­zem o pa­pel des­ses fa­to­res pa­ra for­mar a ima­gem fi­nal, ou se­ja, o trans­tor­no. “Uma des­sas ‘pe­ças’ cha­ma­mos de fa­to­res bi­o­ló­gi­cos e um des­ses fa­to­res é o ge­né­ti­co: sa­be­mos que pes­so­as que pos­su­em pa­ren­tes com TOC têm um ris­co mai­or de de­sen­vol­ver o qua­dro. Exis­tem vários ge­nes sen­do es­tu­da­dos, prin­ci­pal­men­te os en­vol­vi­dos na pro­du­ção de glu­ta­ma­to, um neu­ro­trans­mis­sor ati­va­dor do sis­te­ma ner­vo­so cen­tral”, ex­pli­ca Tor­qua­to. Ou­tro fa­tor de ris­co bi­o­ló­gi­co são as in­fec­ções bac­te­ri­a­nas da in­fân­cia. “Exis­tem vários es­tu­dos, in­clu­si­ve do Hos­pi­tal das Clí­ni­cas da USP, que mos­tram que cri­an­ças que têm in­fec­ções por uma bac­té­ria cha­ma­da es­trep­to­co­co têm um ris­co mui­to mai­or de apre­sen­tar TOC”, des­ta­ca. Trau­mas na in­fân­cia, per­da de pes­so­as qu­e­ri­das e mu­dan­ças am­bi­en­tais mui­to im­por­tan­tes po­dem, tam­bém, con­tri­buir pa­ra desencadear o trans­tor­no.

FI­QUE SA­BEN­DO!

Segundo o psi­qui­a­tra Mar­co An­to­nio Abud Tor­qua­to Jr, os prin­ci­pais pon­tos que de­ve­mos sa­ber so­bre o Trans­tor­no Ob­ses­si­vo Com­pul­si­vo são: • Sin­to­mas do TOC (ob­ses­sões e com­pul­sões) fa­zem par­te da vi­da de todos.

• Pa­ra sus­pei­tar do TOC, é pre­ci­so tem­po – mais de uma ho­ra por dia com os sin­to­mas, so­fri­men­to pes­so­al im­por­tan­te e pre­juí­zo em ou­tras funções im­por­tan­tes da vi­da.

• O TOC tem tra­ta­men­to e tem con­tro­le e mui­tos in­di­ví­du­os po­dem fi­car to­tal­men­te li­vre de sin­to­mas.

• Os tra­ta­men­tos envolvem te­ra­pia cog­ni­ti­vo-com­por­ta­men­tal e me­di­ca­men­tos se­ro­to­ni­nér­gi­cos, sen­do que eles de­vem ser per­so­na­li­za­dos pa­ra cada pes­soa.

• O TOC tem múl­ti­plas cau­sas e não é de­cor­ren­te de cul­pa ou fra­que­za.

• O tra­ta­men­to pre­co­ce leva aos me­lho­res resultados. Pa­ra que o com­ba­te ao trans­tor­no se­ja efi­caz, por­tan­to, é ne­ces­sá­rio li­vrar-se dos pre­con­cei­tos. O TOC é uma doença que exi­ge tra­ta­men­to e mui­tas ve­zes de­man­da a co­la­bo­ra­ção de pes­so­as pró­xi­mas, que po­dem con­tri­buir in­cen­ti­van­do o in­di­ví­duo a bus­car aju­da mé­di­ca, por exem­plo. É pre­ci­so sa­ber ba­lan­ce­ar as pre­o­cu­pa­ções: se as ob­ses­sões ou com­pul­sões não estão tra­zen­do prejuízos ao dia a dia, não exis­te a ne­ces­si­da­de de acre­di­tar que se es­tá doente. Mas tam­bém é pre­ci­so não ne­gar a si mes­mo de que o TOC se ins­ta­lou e pro­cu­rar um es­pe­ci­a­lis­ta as­sim que os sin­to­mas co­me­ça­rem a in­co­mo­dar.

QUAN­DO O TRANS­TOR­NO SE MA­NI­FES­TA

O TOC pode se ma­ni­fes­tar de vá­ri­as ma­nei­ras, mas pos­sui al­guns sin­to­mas mais co­muns. “Pode apre­sen­tar so­men­te com ob­ses­sões, so­men­te com com­pul­sões ou com as du­as sin­to­ma­to­lo­gi­as as­so­ci­a­das. Os te­mas das ob­ses­sões ou com­pul­sões po­dem ser va­ri­a­dos, de­pen­den­do de cada pes­soa”, diz o psi­qui­a­tra. Al­gu­mas das ma­ni­fes­ta­ções do trans­tor­no po­dem ser:

• Re­ceio de con­ta­mi­na­ção e ne­ces­si­da­de de la­va­gem re­pe­ti­ti­va;

• Ne­ces­si­da­de de or­dem ou si­me­tria;

• Acu­mu­la­ção de ob­je­tos, com di­fi­cul­da­de de se des­fa­zer de­les;

• Im­pul­sos ou pen­sa­men­tos de fe­rir, in­sul­tar ou agre­dir pes­so­as.

CONSULTORIAS Ali­ne Go­mes, psi­có­lo­ga fun­da­do­ra do pro­je­to Ma­mãe Te Apoio; Mar­co An­to­nio Abud Tor­qua­to Jr, psi­qui­a­tra | FO­TOS is­tock/getty Images AR­RU­MAR OS OB­JE­TOS pa­ra fi­car ali­nha­do LA­VAR AS MÃOS 50 ve­zes por dia FECHAR A POR­TA 15 ve­zes an­tes de sair de ca­sa CHE­CAR SE DES­LI­GOU O FOGÃO 10 ve­zes pa­ra se sen­tir se­gu­ro CONTAR DE­GRAUS su­bin­do e des­cen­do es­ca­das até a exaus­tão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.