Ho­ra de REEQUILIBRAR

O apoio da me­di­ca­ção é in­dis­pen­sá­vel em cer­tos qua­dros de TOC

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Em qua­dros de TOC, a obsessão vem an­tes da com­pul­são (a repetição contínua dos ri­tu­ais pro­pri­a­men­te di­tos, a fa­ce mais evi­den­te do pro­ble­ma). Por­tan­to, a cu­ra pas­sa pe­la iden­ti­fi­ca­ção e com­ba­te à es­sa ideia fi­xa, que toma to­do o es­pa­ço dis­po­ní­vel na ca­be­ça do pa­ci­en­te. Há cir­cuns­tân­ci­as que es­se ape­go é tão gran­de a pon­to de de­ses­ta­bi­li­zar as funções neu­ro­ló­gi­cas e so­men­te o uso de me­di­ca­men­tos es­pe­ci­a­li­za­dos pos­si­bi­li­ta à men­te al­can­çar um mí­ni­mo de equi­lí brio. “Ge­ral­men­te, os me­di­ca­men­tos são in­di­ca­dos quan­do o qua­dro es­tá mui­to evo­luí­do e a psi­co­te­ra­pia, por si só, não con­se­gui­rá fa­zer o cli­en­te en­xer­gar a cau­sa do trans­tor­no, por es­te es­tar sub­mer­so em seus es­que­mas men­tais. En­tão, a psi­co­te­ra­pia se­gue com as téc­ni­cas e com os me­di­ca­men­tos si­mul­ta­ne­a­men­te”, es­cla­re­ce a psi­có­lo­ga Ali­ne Go­mes. “Psi­có­lo­gos ou psi­ca­na­lis­tas não estão au­to­ri­za­dos a pres­cre­ver qual­quer me­di­ca­men­to. Ape­nas os psi­qui­a­tras estão ha­bi­li­ta­dos pa­ra tal”, faz ques­tão de lem­brar Ali­ne.

QUE TI­PO DE RE­MÉ­DI­OS?

Os me­di­ca­men­tos mais utilizados hoje em dia no tra­ta­men­to do TOC per­ten­cem à ca­te­go­ria dos ini­bi­do­res se­le­ti­vos da re­cap­ta­ção de se­ro­to­ni­na (ISRS). A se­ro­to­ni­na é um neu­ro­trans­mis­sor que atua nas si­nap­ses en­tre os neurô­ni­os,

re­gu­lan­do funções como hu­mor, sono, ape­ti­te e rit­mo car­día­co. “Já se per­ce­beu que, tan­to nos qua­dros de­pres­si­vos quan­to nos qua­dros de trans­tor­nos ob­ses­si­vo-com­pul­si­vos e de an­si­e­da­de em geral, exis­te um dé­fi­cit nas áre­as em que se dá a li­be­ra­ção da se­ro­to­ni­na”, con­fir­ma o psi­qui­a­tra Sérgio Li­ma. Sen­do as­sim, os ISRS têm o ob­je­ti­vo de jus­ta­men­te im­pe­dir que a se­ro­to­ni­na se­ja re­ab­sor­vi­da pe­lo or­ga­nis­mo an­tes de en­trar em ação. “Quan­do você ado­ta es­ses me­di­ca­men­tos, pos­si­bi­li­ta uma mai­or pre­sen­ça de se­ro­to­ni­na nas si­nap­ses ce­re­brais. Com is­so, há uma me­lho­ra nos sin­to­mas, uma di­mi­nui­ção dos ri­tu­ais e dos pen­sa­men­tos ob­ses­si­vos. Is­so tam­bém acontece nos qua­dros de­pres­si­vos e de ou­tros trans­tor­nos li­ga­dos à an­si­e­da­de”, diz Sérgio. Di­an­te do pa­ci­en­te, é re­co­men­da­do que o psi­qui­a­tra ex­pli­que os mo­ti­vos da in­di­ca­ção de de­ter­mi­na­da subs­tân­cia e sua do­sa­gem es­pe­cí­fi­ca, des­cre­ven­do tan­to seus be­ne­fí­ci­os quan­to pos­sí­veis efei­tos co­la­te­rais, que va­ri­am de pes­soa pa­ra pes­soa. A con­du­ta usu­al é co­me­çar com uma do­sa­gem bai­xa, pa­ra tes­tar a adap­ta­ção do pa­ci­en­te. So­men­te a par­tir de 4 a 5 se­ma­nas de uso é fei­to um au­men­to gra­du­al – is­so, quan­do al­gum ti­po de reação ne­ga­ti­va não for­ça uma re­du­ção das do­ses (lem­bran­do que cada or­ga­nis­mo re­a­ge de um jei­to diferente aos re­mé­di­os). En­tre os efei­tos co­la­te­rais

des­sas fór­mu­las en­con­tram-se náu­se­as, dor ab­do­mi­nal, di­ar­reia, so­no­lên­cia e, even­tu­al­men­te, insô­nia, in­qui­e­tu­de, dor de ca­be­ça e su­o­res no­tur­nos. Uma me­lhor ava­li­a­ção da efi­cá­cia da fórmula escolhida só será pos­sí­vel após 3 me­ses de uso con­tí­nuo.

DURAÇÃO

A ade­são à me­di­ca­ção é fun­da­men­tal pa­ra que o tra­ta­men­to te­nha su­ces­so. No ca­so dos por­ta­do­res de TOC, is­so implica em não aban­do­nar os re­mé­di­os por con­ta pró­pria tão lo­go os sin­to­mas co­me­cem a me­lho­rar – aliás, uma di­ca a ser se­gui­da pa­ra qual­quer ti­po de acom­pa­nha­men­to clí­ni­co. A opinião do es­pe­ci­a­lis­ta de­ver ser ou­vi­da sem­pre an­tes de qual­quer me­di­da precipitada, como des­ta­ca Sérgio: “Às ve­zes, al­guns pa­ci­en­tes querem in­ter­rom­per o uso de re­mé­di­os. Pri­mei­ro, é fei­ta uma ten­ta­ti­va de des­con­ti­nu­ar a me­di­ca­ção, mas man­ten­do o pro­ces­so te­ra­pêu­ti­co. Ca­so o pa­ci­en­te evo­lua bem, é pos­sí­vel pros­se­guir as­sim. En­tre­tan­to, há o ris­co de si­tu­a­ções de es­tres­se e de an­gús­tia que levem a uma re­caí­da e jus­ti­fi­quem a rein­tro­du­ção dos an­ti­de­pres­si­vos”. Não exis­te uma duração pré-de­ter­mi­na­da pa­ra o tra­ta­men­to do TOC. “Em al­guns qua­dros, in­clu­si­ve, você su­ge­re que o pa­ci­en­te con­ti­nue to­man­do a me­di­ca­ção ao lon­go de to­da a vi­da, se for pre­ci­so”, afir­ma psi­qui­a­tra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.