Par­te es­sen­ci­al do TRA­TA­MEN­TO

A ati­vi­da­de fí­si­ca é uma das me­di­das in­di­ca­das pa­ra com­ba­ter os trans­tor­nos emo­ci­o­nais

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Na pre­ven­ção e no tra­ta­men­to de uma lis­ta ex­ten­sa de pro­ble­mas de saú­de, um item é in­dis­pen­sá­vel: bons há­bi­tos. Ali­men­ta­ção equi­li­bra­da, exer­cí­ci­os fí­si­cos, não fu­mar, não in­ge­rir be­bi­das al­coó­li­cas em ex­ces­so, não se au­to­me­di­car e ter mo­men­tos de des­can­so além de bo­as noi­tes de so­no de­vem es­tar pre­sen­tes no dia a dia de qual­quer pes­soa que bus­que qua­li­da­de de vi­da. Quan­do o as­sun­to são os trans­tor­nos emo­ci­o­nais, não é di­fe­ren­te: es­ses há­bi­tos de­vem ser ali­a­dos à psi­co­te­ra­pia e, se ne­ces­sá­rio, ao uso de me­di­ca­men­tos. Se­gun­do in­for­ma­ções da Abra­ta (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Fa­mi­li­a­res, Ami­gos e Por­ta­do­res de Trans­tor­nos Afe­ti­vos), são di­ver­sos os es­tu­dos que mos­tram o efei­to po­si­ti­vo da ati­vi­da­de fí­si­ca pa­ra a pre­ven­ção, alí­vio e re­mis­são dos sin­to­mas da de­pres­são. Os be­ne­fí­ci­os se de­vem a dois mo­ti­vos prin­ci­pais: o me­ca­nis­mo bi­o­ló­gi­co e o psi­co­ló­gi­co. No pri­mei­ro, os exer­cí­ci­os agem co­mo es­ti­mu­lan­tes do sis­te­ma de neu­ro­trans­mis­so­res, o que le­va à me­lho­ra dos sin­to­mas de­pres­si­vos, da dor e da ten­são mus­cu­lar. Já no se­gun­do, os efei­tos es­tão as­so­ci­a­dos à va­lo­ri­za­ção in­di­vi­du­al do pra­ti­can­te (me-

lhor au­to­con­tro­le, au­tos­su­fi­ci­ên­cia e au­to­es­ti­ma, por exem­plo) e à dis­tra­ção que os exer­cí­ci­os pro­mo­vem. “A de­pres­são pre­ci­sa ser con­tro­la­da com aju­da pro­fis­si­o­nal de um mé­di­co psi­qui­a­tra e de um psi­có­lo­go, mas há­bi­tos ali­men­ta­res sau­dá­veis, ati­vi­da­des fí­si­cas, pro­fis­são de me­nor ex­po­si­ção a fa­to­res es­tres­so­res, en­tre ou­tras me­di­das, po­dem aju­dar bas­tan­te nes­se con­tro­le”, diz a psi­có­lo­ga Cris­ti­a­ne Al­ves Lor­ga. ME­NOS ES­TRES­SE Bons há­bi­tos tam­bém co­la­bo­ram pa­ra que sin­to­mas co­mo es­tres­se e an­si­e­da­de não se agra­vem e al­gum trans­tor­no se ins­ta­le. Qual­quer pes­soa, aliás, mes­mo as que não fo­ram di­ag­nos­ti­ca­das com trans­tor­nos emo­ci­o­nais, po­dem re­ce­ber o acom­pa­nha­men­to de um psi­có­lo­go pa­ra apren­der a li­dar me­lhor com os pro­ble­mas do dia a dia ou de­sen­vol­ver o au­to­co­nhe­ci­men­to. “Se a pes­soa ti­ver opor­tu­ni­da­de des­se acom­pa­nha­men­to pro­fis­si­o­nal, ela po­de­rá pre­ve­nir mui­tos de­se­qui­lí­bri­os emo­ci­o­nais. No iní­cio, tal­vez uma prá­ti­ca de me­di­ta­ção, pi­la­tes ou exer­cí­ci­os que ali­nhem a res­pi­ra­ção, men­te e cor­po po­de­rão aju­dar e mui­to. Mas é im­por­tan­te en­ten­der que mui­tos não per­ce­bem que es­tão sob o efei­to do es­tres­se e só vão com­pre­en­der quan­do ele já es­tá avan­ça­do, che­gan­do per­to da Sín­dro­me de Bur­nout”, in­for­ma o neu­ro­ci­en­tis­ta Aris­ti­des Bri­to.

CON­JUN­TO DE FA­TO­RES Ape­sar dos be­ne­fí­ci­os com­pro­va­dos, a prá­ti­ca de exer­cí­ci­os fí­si­cos iso­la­da não de­ve ser en­ca­ra­da co­mo um tra­ta­men­to pa­ra os trans­tor­nos emo­ci­o­nais. Is­so por­que a de­pres­são e a an­si­e­da­de, por exem­plo, des­de que di­ag­nos­ti­ca­das por um es­pe­ci­a­lis­ta, de­vem ser com­pre­en­di­das co­mo uma do­en­ça que pre­ci­sa de tra­ta­men­to ade­qua­do e in­di­vi­du­a­li­za­do. As­sim, se a in­di­ca­ção do psi­có­lo­go ou psi­qui­a­tra foi de psi­co­te­ra­pia e me- di­ca­men­tos, o tra­ta­men­to não de­ve ser aban­do­na­do sem o aval des­ses pro­fis­si­o­nais. A ati­vi­da­de fí­si­ca pre­ci­sa ser in­cluí­da co­mo uma me­di­da com­ple­men­tar, as­sim co­mo ou­tras te­ra­pi­as (me­di­ta­ção, mas­sa­gens, aro­ma­te­ra­pia, en­tre tan­tas ou­tras). Os exer­cí­ci­os em con­jun­to com ou­tros há­bi­tos sau­dá­veis, con­tu­do, for­mam a ba­se da pre­ven­ção des­ses trans­tor­nos e de ou­tras do­en­ças, e de­vem ser ini­ci­a­dos o qu­an­to an­tes e pra­ti­ca­dos re­gu­lar­men­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.