Pa­ra RE­LA­XAR

Co­nhe­ça as ati­vi­da­des que agem co­mo cal­man­tes e me­lho­ram a con­cen­tra­ção

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Aan­si­e­da­de é uma sen­sa­ção nor­mal, que já foi bas­tan­te útil pa­ra o ser hu­ma­no; afi­nal, ela pre­pa­ra o or­ga­nis­mo pa­ra si­tu­a­ções de lu­ta ou de fu­ga. Po­rém, quan­do es­sa sen­sa­ção pas­sa a ser fre­quen­te, sem mo­ti­vos apa­ren­tes e pre­ju­di­ca as ati­vi­da­des diá­ri­as, é ho­ra de pro­cu­rar um méd i c o: é p o s s í v e l q u e h a j a a l g u m trans­tor­no emo­ci­o­nal. Bus­car o me­lhor tra­ta­men­to pa­ra es­se trans­tor­no é ne­ces­sá­rio pa­ra dar fim aos sin­to­mas e vol­tar a ter qua­li­da­de de vi­da. Con­tu­do, mes­mo não ha­ven­do um pro­ble­ma de saú­de, a an­si­e­da­de exa­ge­ra­da po­de apa­re­cer de vez em quan­do, se­ja por cau­sa de um pra­zo aper­ta­do de tra­ba­lho, a vés­pe­ra de uma pro­va, um even­to im­por­tan­te, en­tre tan­tos ou­tros mo­ti­vos. “Pa­ra apli­car me­di­das é pre­ci­so, pri­mei­ro, en­ten­der o que cau­sa a an­si­e­da­de. Nor­mal­men­te, ela ocor­re pe­lo des­lo­ca­men­to da men­te pa­ra o fu­tu­ro, so­bre aqui­lo que ain­da não acon­te­ceu. Ela po­de tam­bém sur­gir da ten­ta­ti­va de con­tro­lar uma si­tu­a­ção, quan­do o in­di­ví­duo bus­car evi­tar so­fri­men­tos e trau­mas já ex­pe­ri­men­ta­dos no pas­sa­do. Por­tan­to, em si­tu­a­ções de an­si­e­da­de, é fun­da­men­tal fo­car a men- te no mo­men­to pre­sen­te. Tu­do aqui­lo que po­de aju­dar a des­lo­car a aten­ção pa­ra ou­tro as­sun­to que não se­ja o do fo­co da an­si­e­da­de tam­bém é um au­xí­lio”, ex­pli­ca o psi­co­te­ra­peu­ta Robby Ares. Fo­co no pre­sen­te E é jus­ta­men­te por exi­gir que a aten­ção se man­te­nha no pre­sen­te que al­gu­mas ati­vi­da­des po­dem aju­dar a con­tro­lar me­lhor a an­si­e­da­de do dia a dia. Nos ca­sos em que exis­te al­gum trans­tor­no, os exer­cí­ci­os po­dem ser ali­a­dos do tra­ta­men­to; já pa­ra a an­si­e­da­de co­mum, eles po­dem, jun­to com ou­tros há­bi­tos sau­dá­veis, evi­tar que ela se agra­ve. “Con­ti­nu­ar sen­ta­do em sua me­sa não irá

adi­an­tar em na­da no pro­ces­so de con­tro­le da an­si­e­da­de; o pri­mei­ro pas­so é to­mar uma ati­tu­de. O se­gun­do é es­co­lher uma ati­vi­da­de que te fa­ça fe­liz, pois os efei­tos não se­rão po­si­ti­vos se vo­cê se for­çar a pra­ti­car um exer­cí­cio de que não gos­ta”, en­si­na o pro­fes­sor de edu­ca­ção fí­si­ca Fa­bio Kao. Que tal co­nhe­cer al­gu­mas op­ções? Yo­ga A ati­vi­da­de não é ape­nas um exer­cí­cio fí­si­co, mas tam­bém uma fi­lo­so­fia de vi­da: além das po­si­ções, um exer­cí­cio fí­si­co, o yo­ga tam­bém vem de uma fi­lo­so­fia de vi­da e, além das po­si­ções, nas au­las são en­si­na­das téc­ni­cas de res­pi­ra­ção e me­di­ta­ção, o que po­de aju­dar ain­da mais as pes­so­as com an­si­e­da­de. “Há anos vem sen­do re­co­men­da­do por mé­di­cos de to­do o mun­do co­mo téc­ni­ca pa­ra li­be­ra­ção do es­tres­se e pre­ven­ção de pro­ble­mas co­ro­ná­ri­os, psi­co­ló­gi­cos e res­pi­ra­tó­ri­os. As po­si­ções do yo­ga me­lho­ram o flu­xo san­guí­neo, man­ten­do a saú­de e a vi­ta­li­da­de de quem pra­ti­ca”, des­ta­ca o pro­fes­sor de edu­ca­ção fí­si­ca. Pi­la­tes São inú­me­ros os be­ne­fí­ci­os pro­mo­vi­dos por es­sa téc­ni­ca cri­a­da há tan­tas dé­ca­das, mas que se po­pu­la­ri­zou ape­nas re­cen­te­men­te. “A ati­vi­da­de tra­ba­lha o abdô­men e a res­pi­ra­ção, téc­ni­cas que au­men­tam a con­cen­tra­ção, o au­to­con­tro­le da men­te e do cor­po, sus­ten­tam a co­lu­na e me­lho­ram a saú­de dos ór­gãos vi­tais”, co­men­ta Fa­bio Kao. O pi­la­tes exer­ce tan­to be­ne­fí­ci­os di­re­tos qu­an­to in­di­re­tos no com­ba­te à an­si­e­da­de: en­si­na a res­pi­rar, exi­ge con­cen­tra­ção, con­tro­la os ba­ti­men­tos car­día­cos, cor­ri­ge a pos­tu­ra (im­por­tan­te pa­ra a au­to­es­ti­ma e o re­la­xa­men­to) e ali­via do­res. Tai chi chu­an “A prá­ti­ca traz me­lho­ras na qua­li­da­de do so­no, au­men­ta a ener­gia do dia a dia e pro­por­ci­o­na equi­lí­brio às emo­ções. Du­ran­te a ati­vi­da­de, o cor­po e a res­pi­ra­ção são con­tro­la­dos pe­la men­te. As­sim, os ba­ti­men­tos car­día­cos e a pres­são san­guí­nea re­la­xam gra­da­ti­va­men­te, cau­san­do a sen­sa­ção de bem-es­tar”, re­ve­la Fa­bio Kao. Du­ran­te as au­las, os pra­ti­can­tes tam­bém co­nhe­cem a fi­lo­so­fia de vi­da por trás da mo­da­li­da­de cri­a­da co­mo uma ar­te mar­ci­al. O tai chi chu­an pre­za o equi­lí­brio e a har­mo­nia co­mo for­ma de me­lho­rar o de­sen­vol­vi­men­to da men­te e das ha­bi­li-

xa os mús­cu­los, aju­da a ali­vi­ar as ten­sões men­tais e di­mi­nui a an­si­e­da­de”, diz o pro­fes­sor de edu­ca­ção fí­si­ca Fa­bio Kao, do Eni­ac. Ou­tros exer­cí­ci­os re­a­li­za­dos na água tam­bém são in­di­ca­dos pa­ra ido­sos e ges­tan­tes, co­mo a hi­dro­gi­nás­ti­ca. FOTOS is­tock/getty Images

da­des fí­si­cas. Con­sis­te em mo­vi­men­tos len­tos e que de­man­dam con­cen­tra­ção e res­pi­ra­ção co­or­de­na­da. Além de re­la­xar, a ati­vi­da­de é ca­paz de me­lho­rar a pos­tu­ra, alon­gar e for­ta­le­cer os mús­cu­los. Cor­rer pa­ra de­ses­tres­sar O dia de tra­ba­lho foi in­ten­so, sur­gi­ram pro­ble­mas, veio a ir­ri­ta­ção? Saia pa­ra cor­rer! Ace­le­rar os pas­sos faz o cor­po li­be­rar mais en­dor­fi­na, aque­la subs­tân­cia que pro­mo­ve a sen­sa­ção de bem-es­tar. Se for sob a luz do sol (nos ho­rá­ri­os em que os rai­os so­la­res es­tão mais su­a­ves, co­mo no co­me­ço da ma­nhã ou fim da tar­de), o cor­po ain­da pro­duz vi­ta­mi­na D, nu­tri­en­te es­sen­ci­al pa­ra a pre­ven­ção de do­en­ças e for­ta­le­ci­men­to dos os­sos. Es­co­lha um am­bi­en­te se­gu­ro, com um ter­re­no pla­no e sem obs­tá­cu­los, cal­ce um tê­nis con­for­tá­vel e che­gue lon­ge! Dan­çar pa­ra afas­tar a de­pres­são Se­ro­to­ni­na e do­pa­mi­na são as subs­tân­ci­as li­be­ra­das en­quan­to as pes­so­as se mo­vi­men­tam sob o som de uma mú­si­ca agra­dá­vel. Se­gun­do um es­tu­do di­vul­ga­do no In­ter­na­ti­o­nal Jour­nal of Neu­ros­ci­en­ce, a dan­ça me­lho­ra os sin­to­mas da de­pres­são e do es­tres­se. Além de ser uma óti­ma ati­vi­da­de fí­si­ca, a dan­ça ge­ral­men­te é pra­ti­ca­da em gru­pos, e a in­te­ra­ção so­ci­al é fa­tor im­por tan­te no tra­ta­men­to e na pre­ven­ção da de­pres­são. Ou­tra pes­qui­sa, fei­ta por ci­en­tis­tas do Cen­tro Ale­mão pa­ra Do­en­ças Neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vas de Mag­de­bur­go, na Ale­ma­nha, mos­trou que a ati­vi­da­de po­de aju­dar ido­sos a re­ver­ter si­nais de en­ve­lhe­ci­men­to no cé­re­bro, con­tri­buin­do pa­ra re­du­zir os ris­cos de Alzhei­mer. Na­dar pa­ra ali­vi­ar a ten­são An­si­e­da­de e ner­vo­sis­mo cau­sam um sin­to­ma fí­si­co bas­tan­te co­nhe­ci­do: a ten­são mus­cu­lar. Pa­ra ame­ni­zar es­se pro­ble­ma, ex­pe­ri­men­te os be­ne­fí­ci­os da água. “A na­ta­ção es­tá en­tre os es­por­tes que mais tra­ba­lham to­das as par­tes do cor­po. É mui­to re­co­men­da­da pa­ra quem tem pro­ble­mas nas ar­ti­cu­la­ções e não po­de re­a­li­zar ati­vi­da­des de mui­to im­pac­to. Além dis­so, a na­ta­ção re­la -

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.