Cé­re­bro mais PO­TEN­TE

Exer­cí­ci­os pre­ser­vam as fun­ções cog­ni­ti­vas da in­fân­cia até a ter­cei­ra ida­de

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Vo­cê viu que os exer­cí­ci­os fí­si­cos cau­sam uma sé­rie de re­a­ções no cé­re­bro que le­vam à sen­sa­ção de bem - -es­tar. E es­sas mo­di­fi­ca­ções são tão im­por­tan­tes pa­ra o ór­gão que mo­vi­men­tar-se tam­bém é ca­paz de me­lho­rar fun­ções cog­ni­ti­vas co­mo me­mó­ria e con­cen­tra­ção. O be­ne­fí­cio é con­fir­ma­do por al­guns es­tu­dos, um de­les re­a­li­za­do pe­la Uni­ver­si­da­de de Gra­na­da, na Espanha, em 2013, que con­fir­mou que pes­so­as que pra­ti­cam ati­vi­da­de fí­si­ca re­gu­lar apre­sen­tam uma per­for­man­ce cog­ni­ti­va me­lhor do que os se­den­tá­ri­os, es­pe­ci­al­men­te no que­si­to aten­ção. To­dos os be­ne­fí­ci­os pro­mo­vi­dos ao sis­te­ma cir­cu­la­tó­rio tam­bém aju­dam a pre­ve­nir pro­ble­mas co­mo os aci­den­tes vas­cu­la­res ce­re­brais, que po­dem dei­xar se­que­las gra­ves. Além dis­so, re­du­zem-se os ris­cos de de­sen­vol­ver do­en­ças de­ge­ne­ra­ti­vas. “A saú­de emo­ci­o­nal e cir­cu­la­tó­ria pa­re­cem es­tar li­ga­das e os be­ne­fí­ci­os da ati­vi­da­de fí­si­ca são cla­ros pa­ra am­bas. Pro­ble­mas cir­cu­la­tó­ri­os e emo­ci­o­nais são im­por­tan­tes fa­to­res de ris­co pa­ra Alzhei­mer, des­sa for­ma, atu­an­do nes­ses dois pon­tos, as chan­ces de ter a do­en­ça são re­du­zi­das”, des­ta­ca o ge­ri­a­tra Paulo Ca­miz, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de de São Paulo (USP) e ide­a­li­za­dor do apli­ca­ti­vo Men­te Tur­bi­na­da. SEM­PRE ATI­VO É co­mum que a me­mó­ria fa­lhe de vez em quan­do com o avan­ço da ida­de. No en­tan­to, is­so acon­te­ce com me­nos frequên­cia em quem se man­tém ati­vo ao lon­go da

v i d a. D e acor­do com um es­tu­do re­a­li­za­do na Uni­ver­sity of Edin­burgh, na Grã-bre­ta­nha, os exer­cí­ci­os fí­si­cos são ain­da me­lho­res pa­ra a me­mó­ria do que a ati­vi­da­de in­te­lec­tu­al. En­tre os 691 par ti­ci­pan­tes com 70 anos, quem pra­ti­ca­va mais ati­vi­da­de fí­si­ca apre­sen­tou mai­or vo­lu­me de mas­sa bran­ca e cin­zen­ta no cé­re­bro. “O cé­re­bro é atu­al­men­te vis­to e com­pre­en­di­do de ma­nei­ra que se adap­te aos es­tí­mu­los que ad­mi­nis­tra­mos a ele. Cha­ma­mos a es­sas trans­for­ma­ções de neu­ro­plas­ti­ci­da­de. Des­sa for­ma, o cé­re­bro se de­sen­vol­ve qu­an­to mais o es­ti­mu­la­mos, po­den­do e de­ven­do ser tra­ba­lha­do co­mo se fos­se um mús­cu­lo. Ra­ci­o­cí­nio, me­mó­ria, aten­ção, per­cep­ção... São to­das fun­ções ce­re­brais que me­lho­ram com os es­tí­mu­los”, ex­pli­ca Paulo Ca­miz. PA­CO­TE DE BONS HÁ­BI­TOS Mas, pa­ra que o cé­re­bro re­al­men­te se be­ne­fi­cie da prá­ti­ca de exer­cí­ci­os, o ide­al é que ou­tros há­bi­tos sau­dá­veis se­jam in­cluí­dos no dia a dia. Uma ali­men­ta­ção equi­li­bra­da, por exem­plo, é im­pres­cin­dí­vel par ofer­tar ao cor­po to­dos os nu­tri­en­tes de que ele ne­ces­si­ta pa­ra sua ma­nu­ten­ção, in­clu­si­ve a do cé­re­bro. Es­se con­jun­to é i mpor tan­te es - pe­ci­al­men­te pa­ra as cri­an­ças, que es­tão na fa­se de de­sen­vol­vi­men­to, me­lhor pe­río­do pa­ra ob­ter no­vos co­nhe­ci­men­tos. “Es­tu­dos re­a­li­za­dos com hu­ma­nos e em mo­de­los ani­mais já de­mons­tra­ram que o exer­cí­cio fí­si­co tem o po­ten­ci­al de au­men­tar os ní­veis do fa­tor neu­ro­tró­fi­co ce­re­bral de­ri­va­do (BNDF), pro­teí­na que pro­mo­ve a saú­de das cé­lu­las ce­re­brais. Es­sa pro­teí­na es­tá li­ga­da aos pro­ces­sos de apren­di­za­do, aqui­si­ção, con­so­li­da­ção e ex­tin­ção da me­mó­ria”, com­ple­men­ta o pre­pa­ra­dor fí­si­co Mar­cos Vi­ní­cius, do BIOMAIS.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.