Fo­ra de CON­TRO­LE

A fobia age no in­cons­ci­en­te e po­de ser um obs­tá­cu­lo em di­ver­sas áre­as da vi­da – al­gu­mas que vo­cê nem ima­gi­na!

Mente Curiosa - - NEWS - TEX­TO Vi­tor Ma­fio/co­la­bo­ra­dor | FO­TOS is­tock/getty Ima­ges

Oque se­ria do ser hu­ma­no se não fos­se o seu con­ta­to e con­ví­vio com o ou­tro? Mui­tos es­tu­di­o­sos jus­ti­fi­cam a as­cen­são da es­pé­cie gra­ças à nos­sa ca­pa­ci­da­de de nos de­sen­vol­ver e vi­ver em so­ci­e­da­de. O fi­ló­so­fo gre­go Aris­tó­te­les, por exem­plo, cre­den­cia es­se fa­to co­mo al­go na­tu­ral aos hu­ma­nos, já que so­mos os úni­cos com cons­ci­ên­cia do que é cer­to ou não, do bem e do mal, além da ca­pa­ci­da­de de or­ga­ni­za­ção. Ou­tros pen­sa­do­res de­fen­dem a ideia de que os ho­mens pos­su­em um “con­tra­to so­ci­al”, um acor­do mú­tuo pa­ra vi­ver em so­ci­e­da­de. De fa­to, é di­fí­cil ima­gi­nar o de­sen­vol­vi­men­to de um in­di­ví­duo que vi­ve iso­la­da­men­te, fa­to que po­de afe­tar di­ver­sas fun­ções mo­to­ras e cog­ni­ti­vas. No en­tan­to, ape­sar da im­por­tân­cia da con­vi­vên­cia so­ci­al, mui­tos pos­su­em aver­são à mai­o­ria dos con­ta­tos com

ou­tras pes­so­as, e is­so tem um no­me: fobia so­ci­al. Os mo­ti­vos que le­vam a es­se qua­dro pa­re­cem sim­ples, mas po­dem cau­sar uma es­pé­cie de ter­ror. De acor­do com da­dos es­ta­do-uni­den­ses e ca­na­den­ses do iní­cio des­te sé­cu­lo, pe­lo me­nos 10% da po­pu­la­ção mun­di­al so­fre com es­se mal.

O QUE É FOBIA?

Pa­ra mui­tas pes­so­as, a de­fi­ni­ção de fobia po­de ser con­fun­di­da com a de me­do. Ape­sar de ha­ver cer ta semelhança, o me­do es­tá re­la­ci­o­na­do com o ins­tin­to de so­bre­vi­vên­cia. “Já a fobia é uma aver­são ex­ces­si­va, exa­ge­ra­da, ir­ra­ci­o­nal e per­sis­ten­te em re­la­ção a um ob­je­to, ani­mal ou al­gu­ma si­tu­a­ção que re­pre­sen­te pou­co ou ne­nhum pe­ri­go re­al, mas que é sen­ti­da co­mo se fos­se”, ex­pli­ca o mé­di­co Gil­ber­to Ka­taya­ma. Is­so ocor­re em uma oca­sião es­pe­cí­fi­ca, que é en­ten­di­da pe­la pes­soa com o trans­tor­no co­mo uma ame­a­ça ter­rí­vel. É pos­sí­vel iden­ti­fi­car es­se ti­po de qua­dro por meio dos com­por­ta­men­tos e re­cur­sos apre­sen­ta­dos na ten­ta­ti­va de afas­tar o que cau­sa incô­mo­do. “Pa­ra mui­tas pes­so­as, tor­na -se re - la­ti­va­men­te sim­ples per­ce­ber um in­di­ví - duo fó­bi­co, por­que as su­as ati­tu­des se tor­nam so­ci­al­men - te ina­de­qua­das no con­tex­to so­ci­al no mo- men­to em que es­se me­do ex­tre­mo se ma­ni­fes­ta”, fri­sa Gil­ber­to.

A AÇÃO NA MEN­TE

As­sim co­mo a mai­o­ria dos ca­sos, a fobia tem iní­cio por meio dos es­tí­mu­los cap­ta­dos pe­los sen­ti­dos. Após is­so, as in­for­ma­ções são le­va­das ao cé­re­bro pa­ra se­rem pro­ces­sa­das em áre­as es­pe­cí­fi­cas e es­pe­ci­a­li­za­das. “O sen­ti­men­to de me­do, por exem­plo, é pro­ces­sa­do ini­ci­al­men­te pe­lo sis­te­ma lím­bi­co, mais es­pe­ci­fi­ca­men­te pe­la amíg­da­la. Es­te sen­ti­men­to, as­so­ci­a­do às sen­sa­ções fí­si­cas, se­rá pro­ces­sa­do pe­la men­te, que bus­ca­rá atri­buir um sig­ni­fi­ca­do ló­gi­co ao que es­ta­mos ex­pe­ri­men­tan­do. Quan­do o ob­je­to fó­bi­co se faz pre­sen­te, sur­gem nos­sos com­por­ta­men­tos re­a­ti­vos e re­a­ções com­por­ta­men­tais de fu­ga ou de­sis-

tên­cia”, es­cla­re­ce Gil­ber­to. Além dis­so, a me­mó­ria é ou­tro fa­tor im­por­tan­te nas respostas dos in­di­ví­du­os. Is­to é, ao vi­ven­ci­ar uma si­tu­a­ção, o cé­re­bro bus­ca ex­pe­ri­ên­ci­as se­me­lhan­tes co­mo for­ma de com­pa­ra­ção. “A ca­da es­tí­mu­lo, bus­ca­mos na me­mó­ria, de for­ma in­cons­ci­en­te, as ex­pe­ri­ên­ci­as pas­sa­das si­mi­la­res. E es­tas ba­ga­gens se apre­sen­tam co­mo me­mó­ri­as vi­vas, ou se­ja, vêm acom­pa­nha­das das sen­sa­ções, sen­ti­men­tos e pen­sa­men­tos”, com­ple­men­ta Gil­ber­to. Com is­so, de ma­nei­ra in­cons­ci­en­te, a men­te so­ma as lem­bran­ças an­ti­gas com as no- vas a ca­da si­tu­a­ção vi­vi­da, dei­xan­do-as dis­po­ní­veis pa­ra ex­pe­ri­ên­ci­as fu­tu­ras.

OBS­TÁ­CU­LO SO­CI­AL

As fo­bi­as in­ter­fe­rem em di­ver­sos as­pec­tos do dia a dia e, en­tre as prin­ci­pais, es­tá a ques­tão da con­vi­vên­cia com o mun­do ao re­dor. “Fobia so­ci­al é um trans­tor­no de an­si­e­da­de que se ca­rac­te­ri­za pe­lo des­con­for­to e pe­la es­qui­va de si­tu­a­ções so­ci­ais e de de­sem­pe­nho”, des­cre­ve o psi­qui­a­tra Ti­to Pa­es. Des­sa for­ma, a re­la­ção in­ter­pes­so­al do in­di­ví­duo so­fre com um ti­po de blo­queio, in­ter­fe­rin­do no seu dia a dia. Ir a fes­tas, cons­truir um re­la­ci­o­na­men­to, par­ti­ci­par de reu­niões, fa­lar em pú­bli­co... Tu­do is­so pa­re­ce mui­to dis­tan­te das pes­so­as que so­frem com es­se te­mor. Se­gun­do Ti­to, is­so ocor­re por­que há “um re­ceio de ser ava­li­a­do ne­ga­ti­va­men­te pe­las pes­so­as nas si­tu­a­ções so­ci­ais e de de­sem­pe­nho”.

A ORI­GEM

Mas, de on­de vem es­sa pre­o­cu­pa­ção que im­pe­de o in­di­ví­duo de vi­ver e con­vi­ver em so­ci­e­da­de? Ape­sar de não exis­tir ne­nhu­ma com­pro­va­ção ci­en­tí­fi­ca, al­guns es­tu­dos apre­sen­ta­ram hi­pó­te­ses pa­ra a ori­gem des­se qua­dro. “As cau­sas da fobia so­ci­al ain­da não es­tão bem elu­ci­da­das. Ad­mi­te-se que um com­po­nen­te ge­né­ti­co te­nha um pa­pel na eclo­são des­ta fobia. Uma vul­ne­ra­bi­li­da­de bi­o­ló­gi­ca mai­or pa­ra ma­ni­fes­ta­ção de sin­to­mas de an­si­e­da­de na in­fân­cia po­de con­tri­buir pa­ra o sur­gi­men­to dos sin­to­mas”, aler­ta Ti­to. Con­tu­do, o psi­qui­a­tra res­sal­ta que o fa­tor fa­mi­li­ar é ou­tro pos­sí­vel de­sen­ca­de­an­te e me­re­ce um cui­da­do a mais - prin­ci­pal- men­te a re­la­ção en­tre pais e fi­lhos e o in­cen­ti­vo ao con­ta­to com ou­tras pes­so­as. “O am­bi­en­te em que a cri­an­ça foi cri­a­da tam­bém po­de exer­cer uma in­fluên­cia im­por­tan­te. As­sim, é pos­sí­vel que ela ad­qui­ra a fal­ta de in­te­res­se dos pais pe­la vi­da so­ci­al. Em al­guns ca­sos, os res­pon­sá­veis po­dem de­sen­co­ra­jar seus fi­lhos de te­rem vi­da so­ci­al”, ex­pli­ca Ti­to. Além dis­so, al­guns pais dão mui­ta ên­fa­se a opi­niões alhei­as e is­so afe­ta na ma­nei­ra de agir dos fi­lhos, que po­dem se pre­o­cu­par de­mais com o que os ou­tros pen­sam. Há tam­bém os in­di­ví­du­os que en­fren­tam lon­gos pe­río­dos de iso­la­men­to, co­mo em ca­so de do­en­ças, di­fi­cul­tan­do o de­sen­vol­vi­men­to de su­as ha­bi­li­da­des so­ci­ais.

O COR­PO FA­LA

Es­se me­do em de­ma­sia ge­ra di­ver­sos sin­to­mas por to­do o cor­po da pes­soa. Is­so ocor­re por­que o cé­re­bro se apron­ta e pre­pa­ra o fí­si­co pa­ra en­ca­rar uma si­tu­a­ção de pe­ri­go. “É pro­vo­ca­da uma li­be­ra­ção de hormô­ni­os que in­for­mam à pes­soa que ela irá en­fren­tar uma lu­ta ou uma pos­sí­vel fu­ga”, ci­ta Cris­ti­an­ne Vi­la­ça. Den­tre os prin­ci­pais si­nais, es­tão ta­qui­car­dia, su­do­re­se e fal­ta de ar, mas eles não são os úni­cos. “Di­an­te das si­tu­a­ções so­ci­ais ou de de­sem­pe­nho, o fó­bi­co so­ci­al ma­ni­fes­ta sin­to­mas fí­si­cos co­mo tre­mor, ten­são, aba­los mus­cu­la­res e ru­bo­ri­za­ção, bem ca­rac­te­rís­ti­ca nes­ses ca­sos”, des­cre­ve Ti­to. E não pa­ra por aí. A psi­có­lo­ga clí­ni­ca Cris­ti­a­ne Ma­luhy Ge­ba­ra afir­ma que o fó­bi­co tam­bém po­de so­frer com sin­to­mas psí­qui­cos, abran­gen­do “os sen­ti­men­tos de ver­go­nha e hu­mi­lha­ção, a au­to­de­pre­ci­a­ção, a an­te­ci­pa­ção ne­ga­ti­va, o me­do da ava­li­a­ção ne­ga­ti­va e a ti­mi­dez ex­ces­si­va”. Com is­so, há uma de­gra­da­ção psi­co­ló­gi­ca da pes­soa e ela bus­ca o iso­la­men­to, al­te­ran­do sua ro­ti­na e su­as ati­vi­da­des diá­ri­as. “Os sin­to­mas da fobia são mui­to de­sa­gra­dá­veis e pro­vo­cam so­fri­men­to e an­si­e­da­de a pon­to de in­ter­fe­ri­rem na qua­li­da­de de vi­da”, res­sal­ta Gil­ber­to. Ape­sar dis­so, é pos­sí­vel le­var uma vi­da nor­mal - des­de que a fobia se­ja iden­ti­fi­ca­da e que se bus­que o me­lhor tra­ta­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.