Ti­pos de FO­BI­AS

Al­gu­mas já fi­ca­ram fa­mo­sas, co­mo a arac­no­fo­bia e a claus­tro­fo­bia. Mas é pos­sí­vel de­sen­vol­ver mui­tos ou­tros me­dos do­en­ti­os

Mente Curiosa - - NEWS -

As fo­bi­as sur­gem após uma for­te emo­ção de me­do as­so­ci­a­da a uma me­mó­ria an­gus­ti­an­te, oca­si­o­nan­do dois ti­pos de trau­mas: um mais pri­mi­ti­vo, que é ge­ra­do ain­da na in­fân­cia e, quan­do não su­pe­ra­do, po­de fa­zer par­te da per­so­na­li­da­de do in­di­ví­duo. Já o se­gun­do, o qual é for­ma­do já na vi­da adul­ta, é mais fá­cil de ser tra­ta­do. Se­gun­do o psi­ca­na­lis­ta Ser­gio Zus­man, os pen­sa­men­tos são ori­gi­na­dos no in­cons­ci­en­te, es­tru­tu­ra psí­qui­ca em que as idei­as e sen­ti­men­tos são for­ma­dos. Con­tu­do, ao pas­sa­rem pe­lo ego (pro­ces sa­men­to dos es­tí­mu­los ex­ter­nos) e o su­pe­re­go (re­pre- sen­ta­ção das in­ter­pre­ta­ções do ego), as sen­sa­ções sur­gem na cons­ci­ên­cia de­for­ma­da, des­lo­can­do os me­dos e an­gús­ti­as pa­ra ou­tros ob­je­tos, co­mo ba­ra­tas ou pa­lha­ços, por exem­plo. Os so­nhos são im­por­tan­tes pa­ra de­ci­frar os trau­mas, is­so por­que são as por­tas do in­cons­ci­en­te. “Te­mos os so­nhos an­gus­ti­an­tes, on­de nós con­se­gui­mos en­fren­tar nos­sos me­dos e/ ou fo­bi­as ou idei­as an­tagô­ni­cas que nos ge­ram des­pra­zer, pois o nos­so sis­te­ma men­tal de pro­te­ção fa­lha e so­mos ex­pos­tos a idei­as e ob­je­tos que pro­por­ci­o­nam afli­ção, cri­an­do os pe­sa­de­los”, ex­pli­ca o psi­ca­na­lis­ta.

Ou­tro pon­to foi pes­qui­sa­do pe­la Uni­ver­si­da­de Emory, nos Es­ta­dos Uni­dos, que des­co­briu que al­guns te­mo­res po­dem ser pas­sa­dos ge­ne­ti­ca­men­te aos des­cen­den­tes – is­so por­que os trau­mas al­te­ram es­tru­tu­ras do cé­re­bro que po­dem ser pas­sa­das adi­an­te pe­lo DNA. A pes­qui­sa in­du­ziu a as­so­ci­a­ção do chei­ro de uma flor a cho­que elé­tri­co em ca­mun­don­gos e, as­sim, du­as ge­ra­ções de fi­lho­tes ti­ve­ram a mes­ma aver­são ao aro­ma. Uma ex­pli­ca­ção pos­sí­vel é que os me­dos aju­da­ram a man­ter a es­pé­cie hu­ma­na vi­va, pas­san­do pe­las ge­ra­ções os me­dos de pos­sí­veis pre­da­do­res, co­mo co­bras e al­tu­ra, por exem­plo. Os exem­plos a se­guir são ape­nas uma pe­que­na amos­tra de to­das as fo­bi­as que po­dem exis­tir. Con­fi­ra!

AGORAFOBIA

As prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas des­se ti­po de fobia es­tão re­la­ci­o­na­das à an­si­e­da­de e ao me­do de es­tar em lo­cais aber­tos ou no meio de mul­ti­dões. A pes­soa pas­sa a evi­tar de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções ou am­bi­en­tes, com me­do ou pa­vor de es­tar em lu­ga­res on­de fu­gir pos­sa ser di­fí­cil ou em­ba­ra­ço­so. Aviões, shows, ele­va­do­res e lo­cais fe­cha­dos em ge­ral — ci­ne­ma e su­per­mer­ca­dos, por exem­plo —, são os me­dos mais co­muns de quem pos­sui a dis­fun­ção. Em ca­sos mais gra­ves, o trans­tor­no po­de com­pro­me­ter a vi­da so­ci­al e pro­fis­si­o­nal dos pa­ci­en­tes. O ago­ra­fó­bi­co po­de pas­sar a sen­tir me­do de sair da pró­pria ca­sa so­zi­nho, che­gan­do a pre­ci­sar da pre­sen­ça de pes­so­as de con­fi­an­ça sem­pre por per­to. Se, um dia, a pes­soa

saiu de ca­sa e pas­sou mal na rua, ela evi­ta­rá sair de­sa­com­pa­nha­da nas pró­xi­mas ve­zes. Sen­sa­ções fí­si­cas co­mo tre­mo­res, agi­ta­ção, pal­pi­ta­ções, ton­tu­ras e su­do­re­se po­dem ser co­muns. Não exis­tem es­tu­dos con­clu­si­vos so­bre es­te trans­tor­no. No en­tan­to, acre­di­ta-se que si­tu­a­ções de­sa­gra­dá­veis pas­sa­das pos­sam ati­var o pro­ces­so da fobia. Ou­tra te­o­ria con­sis­te no pré-con­cei­to que po­de ser cri­a­do — mes­mo sem nun­ca ter ti­do uma ex­pe­ri­ên­cia com a si­tu­a­ção, o in­di­ví­duo po­de de­sen­vol­ver fobia de an­dar de avião se ele cres­cer e con­vi­ver em am­bi­en­tes em que se con­ver­se mui­to so­bre os de­sas­tres que po­dem acon­te­cer, por exem­plo.

FOBIA SO­CI­AL

Es­sa fobia con­sis­te no me­do e an­si­e­da­de de re­la­ções so­ci­ais, quan­do o in­di­ví­duo po­de se sen­tir ob­ser­va­do pe­los ou­tros. A pes­soa fi­ca in­se­gu­ra, te­me pe­lo seu de­sem­pe­nho na si­tu­a­ção e se pre­o­cu­pa so­bre o que po­de­rão pen­sar so­bre ela. O grau de agi­ta­ção po­de se ele­var, che­gan­do, até mes­mo, a uma cri­se agu­da de an­si­e­da­de. A fobia so­ci­al po­de im­pli­car em di­ver­sas com­pli­ca­ções so­ci­ais. A pes­soa que so­fre do trans­tor­no tem ten­dên­cia a pos­suir a sen­si­bi­li­da­de mais agu­ça­da pa­ra sen­tir-se hu­mi­lha­da ou re­jei­ta­da pe­ran­te di­ver­sos con­tex­tos, in­cluin­do pes­so­as des­co­nhe­ci­das ou pou­co ín­ti­mas.

Fa­lar em pú­bli­co, fa­zer uma en­tre­vis­ta de em­pre­go, ir a even­tos so­ci­ais e es­cre­ver na fren­te de ou­tras pes­so­as são si­tu­a­ções co­muns que po­dem de­ses­ta­bi­li­zar o pa­ci­en­te que so­fre des­sa dis­fun­ção. O trans­tor­no po­de se ini­ci­ar du­ran­te a in­fân­cia, ar­ras­tar- se pe­la ado­les­cên­cia e ating ir a vi­da adul­ta. Sua ori­gem po­de ser a pre­dis­po­si­ção ge­né­ti­ca, por con­sequên­cia a trau­mas so­fri­dos, ou in­fluên­ci­as do meio so­ci­al em que a pes­soa vi­ve. Além dis - so, al­gu­mas pes­qui­sas in­di­cam que a so­ci­e­da­de mo­der­na ofe­re­ce fa­to­res de ris­co ca­pa­zes de co­la­bo­rar pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de um qua­dro de fobia so­ci­al nos in­di­ví­du­os. Quan­to mais ce­do ele for en­fren­ta­do e tra­ta­do, me­lho­res se­rão os re­sul­ta­dos e me­nos so­fri­men­to o pa­ci­en­te te­rá.

COULROFOBIA

Co­lo­ri­dos e com a mis­são de le­var ale­gria às pes­so­as, os pa­lha­ços têm c ar ac te­rí s - ti­cas to­tal­men­te par­ti­cu­la­res: na­riz ver­me­lho, ros­to pin­ta­do, rou­pas co­lo­ri­das e mais de­ta­lhes que, in­fe­liz­men­te, são o mo­ti­vo pa­ra ge­rar um te­mor in­con­tro­lá­vel em mui­ta gen­te. A sín­dro­me de­no­mi­na­da coulrofobia po­de ser cau­sa­da por al - gum trau­ma de in­fân­cia e es­tá as­so­ci­a­da a um p âni c o i nt e n s o vi­vi­do por quem tem me­do de pa­lha­ço. E não pre­ci­sa se de­pa­rar com al­guém com ves­ti­men­ta com­ple­ti­nha não, bas­ta ver um na­riz ver­me­lho pas­se­an­do por aí pa­ra que a per­da de fô­le­go, náu­se­as ou ar­rit­mia car­día­ca se ma­ni­fes­tem. Mas va­mos com­bi­nar que os fil­mes de ter­ror que ca­rac­te­ri­zam pa­lha­ços co­mo as­sas­si­nos tam­bém não aju­dam, né?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.