Ca­mi­nhos con­tra o ME­DO

Exis­tem di­ver­sas te­ra­pi­as que são fun­ci­o­nais con­tra as fo­bi­as. Co­nhe­ça al­gu­mas das mais re­co­men­da­das no com­ba­te a es­ses trans­tor­nos

Mente Curiosa - - NEWS - TEX­TO Le­o­nar­do Gu­e­ri­no/co­la­bo­ra­dor | En­tre­vis­tas Le­o­nar­do Gu­e­ri­no/co­la­bo­ra­dor e Éri­ca Agui­ar | FO­TOS Shut­ters­tock Ima­ges

Exis­tem vá­ri­os fa­to­res ca­pa­zes de in­flu­en­ci­ar nos­sas men­tes e nos cau­sar os mais di­ver­sos ti­pos de me­dos, co­mo trau­mas, bullying, abu­sos e dis­túr­bi­os men­tais. Con­tu­do, ao mes­mo tem­po em que há di­fe­ren­tes ga­ti­lhos do me­do, exis­te um le­que de al­ter­na­ti­vas pa­ra com­ba­tê-los. Se­le­ci­o­na­mos uma lis­ta com as prin­ci­pais te­ra­pi­as uti­li­za­das por pro­fis­si­o­nais pa­ra fa­zer com que vo­cê con­si­ga ven­cer seus me­dos de uma vez por to­das. Con­fi­ra!

Te­ra­pia cog­ni­ti­vo­com­por­ta­men­tal (TCC)

De acor­do com a pro­fes­so­ra de psi­co­lo­gia, Flá­via Re­ja­ne Cor­reia e Sil­va, a te­ra­pia cog­ni­ti­vo - com­por ta­men­tal foi de­sen­vol­vi­da na dé­ca­da de 1960 pe­lo psi­qui­a­tra es­ta­du­ni­den­se Aa­ron T. Beck. Tra­ta-se de uma psi­co­te­ra­pia fo­ca­da nos pro­ble­mas atu­ais do pa­ci­en­te, es­tru­tu­ra­da pa­ra as­se­gu­rar ses­sões pro­du­ti­vas e com re­sul­ta­dos, ba­se­a­da em uma re­la­ção co­la­bo­ra­ti­va en­tre te­ra­peu­ta e pa­ci­en­te. “Ela au­xi­lia pa­ci­en­tes por meio da psi­co­e­du­ca­ção, tor­nan­do-os seus pró­pri­os te­ra­peu­tas e en­si­nan­do-os a pre­ve­nir re­caí­das”, ex­pli­ca a es­pe­ci­a­lis­ta. Flá­via con­ta que o ob­je­ti­vo prin­ci­pal é le­var o pa­ci­en­te a pro­mo­ver uma re­es­tru­tu­ra­ção cog­ni­ti­va. “Nos­sos pen­sa­men­tos exer­cem uma in­fluên­cia con­tro­la­do­ra so­bre as nos­sos sen­ti­men­tos e, con­se­quen­te­men­te, so­bre a for­ma co­mo nos com­por­ta­mos pe­ran­te as si­tu­a­ções. Des­se mo­do, as mu­dan­ças pa­ra um es­ti­lo saudável de pen­sa­men­to po­de­rão pro­mo­ver mai­or sen­sa­ção de bem-es­tar fí­si­co e psi­co­ló­gi­co”, com­ple­men­ta. O tra­ta­men­to por meio da TCC abran­ge vá­ri­as pa­to­lo­gi­as, den­tre elas: de­pres­são, trans­tor­no de per­so­na­li­da­de, trans­tor­nos ali­men­ta­res e fo­bi­as es­pe­cí­fi­cas. Em re­la­ção às fo­bi­as, o mé­to­do tra­ba­lha sob du­as ver­ten­tes: a pri­mei­ra, ca­so o me­do do pa­ci­en­te se­ja ir­re­al, de­vi­do a uma in­ter­pre­ta­ção er­rô­nea dos es­tí­mu­los re­ce­bi­dos, ele se­rá ori­en­ta­do a re­a­li­zar o re­gis­tro des­ses pen­sa­men­tos dis­fun­ci­o­nais ne­ga­ti­vos e cor­ri­gi-los atra­vés de respostas adap­ta­ti­vas. Já a se­gun­da op­ção, quan­do o me­do for re­al, o pa­ci­en­te se­rá trei­na­do a ela­bo­rar es­tra­té­gi­as pa­ra en­fren­tar e es­ta­be­le­cer re­a­ções sau­dá­veis fren­te às si­tu­a­ções trau­má­ti­cas. Es­sa ati­tu­de po­de­rá ser uma das téc­ni­cas a se­rem uti­li­za­das pa­ra que ele tra­ba­lhe ma­nei­ras de en­ca­rar a si­tu­a­ção te­mi­da.

RE­A­LI­DA­DE VIR­TU­AL X FOBIA RE­AL

A psi­có­lo­ga Na­taly Mar­ti­nel­li é uma das pi­o­nei­ras no Bra­sil na uti­li­za­ção de uma tec­no­lo­gia com gran­de re­per­cus­são en­tre as pes­so­as pa­ra o tra­ta­men­to de fo­bi­as atu­al­men­te: a re­a­li­da­de vir­tu­al (VR, na si­gla em in­glês). Tra­ba­lhan­do há apro­xi­ma­da­men­te cin­co me­ses com ferramentas co­mo os ócu­los de VR, a pro­fis­si­o­nal nos con­tou al­gu­mas cu­ri­o­si­da­des so­bre co­mo tem si­do atu­ar com es­se mé­to­do au­xi­li­ar te­ra­pêu­ti­co. Sai­ba mais!

Co­mo o tra­ta­men­to com es­sa fer­ra­men­ta é co­lo­ca­do em prá­ti­ca?

“Nos tra­ta­men­tos con­ven­ci­o­nais de fobia, é uti­li­za­da a ima­gi­na­ção do pa­ci­en­te. Po­rém, sen­ti que al­guns in­di­ví­du­os ti­nham di­fi­cul­da­de em men­ta­li­zar es­ses epi­só­di­os de des­con­for­to. Com o equi­pa­men­to, es­sas sen­sa­ções são vi­ven­ci­a­das de mo­do mais re­al e in­ten­so, com o pa­ci­en­te con­se­guin­do vi­su­a­li­zar e es­cu­tar aque­le am­bi­en­te. Os ócu­los de re­a­li­da­de vir­tu­al es­tão vin­cu­la­dos a um com­pu­ta­dor que me per­mi­te mo­ni­to­rar a ten­são na qual meu pa­ci­en­te es­tá pas­san­do e, as­sim, fa­zer o acom­pa­nha­men­to de sua evo­lu­ção con­for­me o tra­ta­men­to. Em pa­ra­le­lo, re­a­li­zo um pro­ces­so de res­pi­ra­ção di­a­frag­má­ti­ca. As­sim, vou en­si­nan­do-o a con­tro­lar su­as si­tu­a­ções fó­bi­cas du­ran­te a ex­pe­ri­ên­cia. Mas es­sa fer­ra­men­ta não é uti­li­za­da iso­la­da­men­te e, sim, as­so­ci­a­da com ou­tros tra­ta­men­tos te­ra­pêu­ti­cos.”

Os re­sul­ta­dos têm si­do po­si­ti­vos?

“Com cer­te­za. Eu te­nho uma pa­ci­en­te, por exem­plo, que es­ta­va há seis anos sem to­mar a in­je­ção e ho­je, de­pois de dois me­ses com o au­xí­lio des­sa fer­ra­men­ta, até pen­sa em do­ar san­gue no fi­nal do ano. Ela, in­clu­si­ve, já fa­zia o uso de ou­tros mé­to­dos te­ra­pêu­ti­cos. Mas, com es­se equi­pa­men­to, o re­sul­ta­do foi ob­ti­do em pou­cos me­ses.”

Hip­no­te­ra­pia

Es­te tra­ta­men­to é uma te­ra­pia de em­po­de­ra­men­to pes­so­al. Se­gun­do a hip - no­te­ra­peu­ta Lis­san­dra Bas­si, o mé­to­do so­ma dois tra­ta­men­tos em um úni­co: a hip­no­se clás­si­ca (de Da­ve El­man, hip - no­te­ra­peu­ta nor­te-ame­ri­ca­no) e a hip­no­se erick­so­ni­a­na (de Mil­ton Erick­son, psi­qui­a­tra es­ta­du­ni­den­se), am­bas com­ple­men­ta­res. “É co­mo di­ri­gir uma Fer­ra­ri sem co­nhe­cer su­as po­ten­ci­a­li­da­des, man­ten­do-se sem­pre a 50 quilô­me­tros por ho­ra. Quan­do tra­ze­mos a hip­no­se pa­ra a te­ra­pia, é co­mo se adi­ci­o­nas­se­mos um tur­bo nes­ta Fer­ra­ri, al­can­çan­do os re­sul­ta­dos de­se­ja­dos pe­lo cli­en­te”, afir­ma Lis­san­dra. “Du­ran­te to­do o pro­ces­so, o in­di­ví­duo que vi­ven­cia a hip­no­te­ra­pia es­tá to­tal­men­te cons­ci­en­te. Por meio de um diá­lo­go com o hipnoterapeuta, a men­te sub­cons­ci­en­te é aces­sa­da, a qual gu­ar­da to­das su­as me­mó­ri­as vi­vi­das des­de os pri­mei­ros três me­ses de vi­da in­trau­te­ri­na até a ida­de atu­al. Pa­ra es­se ti­po de tra­ta­men­to te­ra­pêu­ti­co, exis­te uma ga­ma de pro­ces­sos a se­rem usa­dos, va­ri­an­do de acor­do com ca­da ob­je­ti­vo de tra­ta­men­to”, ex­pli­ca Bas­si. Exis­tem mui­tos be­ne­fí­ci­os du­ran­te o tra­ta­men­to com a hip­no­te­ra­pia. Com ela, é pos­sí­vel re­du­zir o de­se­jo e neu­tra­li­zar emo­ções que le­vam aos ví­ci­os; de­sen­vol­ver es­tra­té­gi­as pa­ra am­pli­ar seu po­der pes­so­al; e mu­dar o im­pac­to emo­ci­o­nal de trau­mas pas­sa­dos, as­so­ci­a­ções e emo­ções ne­ga­ti­vas.

Me­di­ta­ção

Ou­tra al­ter­na­ti­va de te­ra­pia mui­to fa­mo­sa por seus efei­tos men­tais, mas não so­bre sua re­la­ção com o com­ba­te di­re­to às fo­bi­as, é a me­di­ta­ção. Um es­tu­do da Uni­ver­si­da­de Johns Hop­kins, nos Es­ta­dos Uni­dos, des­co­briu que me­di­tar du­ran­te 30 mi­nu­tos to­dos os di­as aju­da a ali­vi­ar sin­to­mas de an­si­e­da­de, de­pres­são e do­res crô­ni­cas. A an­si­e­da­de é um dos prin­ci­pais ele­men­tos li­ga­dos a me­dos e fo­bi­as. Sen­do as­sim, sua uti­li­za­ção pa­ra o tra­ta­men­to des­ses trans­tor­nos po­de ser bas­tan­te re­co­men­da­do. “Nos­so cor­po es­tá li­ga­do à nos­sa men­te e vi­ce-ver­sa. O que acon­te­ce no cor­po afe­ta a cons­ci­ên­cia e es­ta afe­ta o cor­po. Me­di­ta­ção sig­ni­fi­ca de­sen­vol­ver um fo­co es­pe­cí­fi­co, além da me­ra con­cen­tra­ção. É uma prá­ti­ca de aten­ção in­ten­sa”, ex­pli­ca o mes­tre es­pi­ri­tu­al Gi­ridha­ri Das.

Me­di­ca­men­tos

Só quem con­vi­ve fre­quen­te­men­te com as fo­bi­as sa­be das di­fi­cul­da­des em en­fren­tá-la co­ti­di­a­na­men­te. Ain­da que sua mai­or par­te se­jam le­ves, mo­de­ra­das ou não com­pro­me­te­do­ras, ou­tras, po­rém, são ca­pa­zes de re­sul­tar em trans­tor­nos se­ve­ros, li­mi­tan­do de so­bre­ma­nei­ra a vi­da do pa­ci­en­te. Nes­tes ca­sos, co­mo uma for­ma al­ter­na­ti­va, exis­te sim a in­di­ca­ção de uso de me­di­ca­ções. “Ge­ral­men­te são in­di­ca­dos an­ti­de­pres­si­vos e ben­zo­di­a­ze­pí­ni­cos as­so­ci­a­dos con­co­mi­tan­te­men­te com a Te­ra­pia Cog­ni­ti­vo - Com­por­ta­men­tal”, con­ta o psi­qui­a­tra Da­ni­el Con­ta­ri­ni. “Os efei­tos co­la­ter ais des­ses me­di­ca­men­tos, ao mes­mo tem­po que são di­ver­sos, são ge­ral­men­te le­ves e au­to­li­mi­ta­dos, ou se­ja, cos­tu­mam me­lho­rar em al­guns di­as, co­mo uma ce­fa­leia ou al­te­ra­ção gas­troin­tes­ti­nal, en­tre ou­tros”, com­ple­ta o es­pe­ci­a­lis­ta. Po­rém, Con­ta­ri­ni ex­pli­ca que, as­sim co­mo qual­quer ou­tro me­di­ca­men­to, exis­tem con­train­di­ca­ções so­bre de­ter­mi­na­dos usos dos fár­ma­cos. “Por is­so, a ne­ces­si­da­de da ava­li­a­ção mé­di­ca cri­te­ri­o­sa an­tes da sua pres­cri­ção. Os mo­ti­vos po­dem ser des­de uma fal­ta de ne­ces­si­da­de ob­je­ti­va, quan­do ape­nas a psi- co­te­ra­pia já é su­fi­ci­en­te, não ex­pon­do, por­tan­to, o pa­ci­en­te ao uso de me­di­ca­ções, até qua­dros on­de não de­vem ser uti­li­za­dos por uma ques­tão mé­di­ca”, ex­pli­ca o psi­qui­a­tra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.