Aju­da da PSI­CA­NÁ­LI­SE

Trau­mas e fo­bi­as tam­bém po­dem ser tra­ta­dos com a aju­da da psi­ca­ná­li­se, uma ou­tra li­nha de psi­co­te­ra­pia. En­ten­da co­mo ela fun­ci­o­na

Mente Curiosa - - NEWS -

AS­SO­CI­A­ÇÃO LI­VRE

A psi­ca­ná­li­se tra­ba­lha a par­tir de um mé­to­do no­me­a­do por Freud co­mo as­so­ci­a­ção li­vre. O ob­je­ti­vo é dei­xar ro­lar o que ve­nha à men­te pa­ra que o su­jei­to pos­sa te­cer a li­nha de seu dis­cur­so. Du­ran­te as téc­ni­cas de as­so­ci­a­ção li­vre, “o me­ca­nis­mo de de­fe­sa é bur­la­do e os con­teú­dos são ex­pos­tos nu­ma ca­deia de as­so­ci­a­ções que per­mi­te se­guir sua tri­lha até a cau­sa”, res­sal­ta Mau­ro Gert­ner, psi­ca­na­lis­ta.

ALÉM DA FA­LA

É cla­ro que fa­lar so­bre seus pro­ble­mas e an­gús­ti­as é in­dis­pen­sá­vel no pro­ces­so, po­rém nem só de pa­la­vras vi­ve a psi­ca­ná­li­se. “Um bom ana­lis­ta irá ob­ser­var o ana­li­sa­do em to­dos os de­ta­lhes im­per­cep­tí­veis por um lei­go: o co­rar, os lap­sos, pos­tu­ra, ti­ques, mo­vi­men­ta­ções, ri­sos, ane­do­tas, e mui­tos ou­tros de­ta­lhes que não po­de­ria re­ve­lar, pa­ra não per­der sua efi­cá­cia”, diz Mau­ro Gert­ner.

CON­FI­AN­ÇA

A re­la­ção en­tre ana­lis­ta e pa­ci­en­te de­ve ser de con­fi­a­bi­li­da­de to­tal. “Na bus­ca pe­lo au­to­co­nhe­ci­men­to, o ca­mi­nho de­ve ser gui­a­do pe­lo psi­ca­na­lis­ta e, por­tan­to, vo­cê de­ve con­fi­ar ne­le co­mo con­fia em um sal­va-vi­das. Sem es­sa con­fi­an­ça, ne­nhu­ma psi­co­te­ra­pia, ana­lí­ti­ca ou não, se­rá bem su­ce­di­da”, des­ta­ca o psi­qui­a­tra Sér­gio Li­ma. Is­so in­clui man­ter o si­gi­lo a res­pei­to do que é con­ver­sa­do du­ran­te as ses­sões.

DEITADO NO DI­VÃ...

Nem sem­pre o pa­ci­en­te (ou cli­en­te, co­mo pre­fe­rem os psi­ca­na­lis­tas) dei­ta-se no di­vã e fi­ca de cos­tas pa­ra o ana­lis­ta. “Es­sa téc­ni­ca é di­fun­di­da atra­vés de Freud, que ti­nha em seu mo­bi­liá­rio um di­vã, pre­sen­te de uma pa­ci­en­te”, re­ve­la Lu­cia Ma­ria Ama­ral, es­pe­ci­a­lis­ta em psi­ca­ná­li­se e psi­có­lo­ga clí­ni­ca. Ele per­ce­beu que, ao se dei­ta­rem no di­vã, os pa­ci­en­tes se pre­o­cu­pa­vam mais com seus pro­ces­sos men­tais, atin­gin­do

FREN­TE A FREN­TE

A si­tu­a­ção fa­ce to fa­ce po­de pro­vo­car uma ten­ta­ti­va de con­tro­le do pa­ci­en­te so­bre o ana­lis­ta. “Ele bus­ca nas ex­pres­sões cor­po­rais e fa­ci­ais do ana­lis­ta uma apro­va­ção ou re­pro­va­ção dos con­teú­dos que es­tão sen­do di­tos”, re­ve­la o psi­qui­a­tra Sér­gio Li­ma. Freud acre­di­ta­va que, es­tan­do lon­ge dos olhos do pa­ci­en­te, não in­ter­fe­ria no pro­ces­so de aber­tu­ra e pen­sa­men­to do in­di­ví­duo. “As­sim ne­nhu­ma re­a­ção even­tu­al com o con­teú­do do pa­ci­en­te po­de­ria ser per­ce­bi­da, evi­tan­do al­te­rar o flu­xo de idei­as”, diz. Mas ca­be ao ana­lis­ta dis­tin­guir o que é mais con­for­tá­vel pa­ra as­se­gu­rar o bom an­da­men­to do pro­ces­so: de cos­tas no di­vã ou ca­ra a ca­ra. mai­or grau de aber­tu­ra pa­ra seus pen­sa­men­tos, fa­ci­li­tan­do o pro­ces­so de as­so­ci­a­ção li­vre. “O di­vã re­pre­sen­ta um co­lo de mãe ou pai, ou al­guém pró­xi­mo e que­ri­do, pro­por­ci­o­nan­do mai­or acon­che­go e con­fi­an­ça no tra­ta­men­to”, diz Lu­cia. “Ain­da po­de fa­ci­li­tar um es­ta­do psí­qui­co se­me­lhan­te ao do so­nhar”, com­ple­men­ta Lu­ci­a­na Sad­di, psi­ca­na­lis­ta.

O TEM­PO QUE PRE­CI­SAR

Os en­con­tros ge­ral­men­te são se­ma­nais, mas, em ca­sos es­pe­cí­fi­cos, po­dem ser mais fre­quen­tes. Não há um tem­po pre­vis­to pa­ra o tér­mi­no – po­de du­rar o quan­to o cli­en­te sen­tir ne­ces­si­da­de, até mes­mo vá­ri­os anos. “Não sig­ni­fi­ca que, de­pois des­te tem­po, ele sai­rá al­guém sem pro­ble­mas, mas sim co­mo um ser me­lhor, mo­di­fi­ca­do, com mai­or co­nhe­ci­men­to de su­as fra­que­zas, di­fi­cul­da­des, po­ten­ci­ais, etc”, res­sal­ta Mau­ro. CON­SUL­TO­RI­AS Lu­cia Ma­ria Ama­ral, es­pe­ci­a­lis­ta em psi­ca­ná­li­se e psi­có­lo­ga clí­ni­ca; Fa­brí­cio Ri­bei­ro, psi­ca­na­lis­ta; Lu­ci­a­na Sad­di, psi­ca­na­lis­ta e mem­bro efe­ti­vo da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Psi­ca­ná­li­se (SP); Mau­ro Gert­ner, psi­ca­na­lis­ta; Sér­gio Li­ma, psi­qui­a­tra e mes­tre em psi­có­lo­ga so­ci­al | FO­TOS is­tock Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.