Trei­ne sua men­te e ECO­NO­MI­ZE

Co­mo re­pro­gra­mar o cé­re­bro pa­ra ga­nhar fa­zer o di­nhei­ro ren­der

Mente Curiosa - - PRIMEIRA PÁGINA -

As in­fluên­ci­as que os pen­sa­men­tos exer­cem em nos­so co­ti­di­a­no não são par­te de um es­tu­do mais tra­di­ci­o­nal da ci­ên­cia, uma vez que a ex­plo­ra­ção des­sa área é re­la­ti­va­men­te re­cen­te. Po­rém, es­pe­ci­a­lis­tas já apon­tam pro­vas de que o mo­do co­mo vo­cê pen­sa in­flu­en­cia (e mui­to!) no seu dia a dia, cri­an­do ata­lhos sub­cons­ci­en­tes pa­ra me­lho­rar de­ter­mi­na­dos pon­tos da sua vi­da — e sua con­di­ção fi­nan­cei­ra não fi­ca de fo­ra. En­ten­da co­mo ma­ni­pu­lar um pou­co sua men­te pa­ra “pen­sar ri­co” po­de aju­dar vo­cê a ga­nhar mais di­nhei­ro.

IN­FLUÊN­CI­AS

Vo­cê é su­ges­ti­o­na­do pe­los seu sub­cons­ci­en­te a to­do ins­tan­te, mui­to mais do que po­de ima­gi­nar. “Cos­tu­mo di­zer aos meus cli­en­tes que se eles pen­sam que eles po­dem fa­zer al­go, eles, de fa­to, es­tão cer­tos. Mas se pen­sa­rem que não po­dem, eles tam­bém es­tão cer­tos”, apon­ta a psi­có­lo­ga Jés­si­ca Pi­o­van. Um dos fa­to­res que de­ter­mi­nam se uma de­ci­são, se­ja no ra­mo fi­nan­cei­ro ou não, da­rá cer­to ou er­ra­do par­te do seu sub­cons­ci­en­te. Is­so por que ele “co­man­da o tem­po to­do por meio das ex­pe­ri­ên­ci­as que ti­ve­mos no pas­sa­do, o que po­de nos pro­te­ger de más ex­pe­ri­ên­ci­as fu­tu­ras ou, por ou­tro la­do, nos ‘sa­bo­tar’”, com­ple­ta a pro­fis­si­o­nal.

PI­LO­TO AU­TO­MÁ­TI­CO

Exis­tem vá­ri­os pen­sa­men­tos que vo­cê nem se dá con­ta que tem, uma vez que se tor­nam na­tu­rais no seu dia a dia, ou se­ja, vo­cê os se­gue au­to­ma­ti­ca­men­te — e o que im­pe­de vo­cê de al­can­çar a ri­que­za po­de es­tar nes­se meio. E is­so ocor­re, ge­ral­men­te, se­gun­do o te­ra­peu­ta trans­pes­so­al João Gon­sal­ves, a par­tir do mo­men­to em que a pes­soa ou­ve a mes­ma coi­sa re­pe­ti­da­men­te “ou se mol­da pe­lo meio em que vi­ve, por ob­ser­var in­di­ví­du­os que ela re­co­nhe­ce co­mo seus re­fe­rên­ci­as, mes­mo que ela não te­nha cons­ci­ên­cia dis­so”. Por exem­plo, uma cri­an­ça ten­de a se es­pe­lhar nas ações dos pais, mes­mo

que in­cons­ci­en­te­men­te. Des­sa ma­nei­ra, se ela te­ve pais “gas­tões”, a pro­ba­bi­li­da­de de se­guir es­se mo­de­lo é gran­de. E, pa­ra­le­la­men­te, se ela te­ve pa­râ­me­tros mais econô­mi­cos, es­ta­rá in­cli­na­da a cui­dar me­lhor de su­as fi­nan­ças no fu­tu­ro. No en­tan­to, uma edu­ca­ção fi­nan­cei­ra ruim não quer di­zer, ne­ces­sa­ri­a­men­te, que a pes­soa pas­sa­rá di­fi­cul­da­des com o di­nhei­ro. Exis­tem mé­to­dos pa­ra aces­sar e res­sig­ni­fi­car pen­sa­men­tos au­to­má­ti­cos sub­cons­ci­en­tes, co­mo a hip­no­te­ra­pia, além de di­cas pa­ra se re­e­du­car fi­nan­cei­ra­men­te.

CO­MO “PEN­SAR RI­CO”?

Pen­sa­men­tos do ti­po “pre­ci­so de um car­rão” ou “que­ria ter di­nhei­ro pa­ra com­prar mais rou­pas” po­dem até mo­ti­var vo­cê ate ru­ma con­di­ção fi­nan­cei­ra me­lho­re até con­quis­tá-la pa­ra re­a­li­zar su­as von­ta­des. No en­tan­to, agran­de ques­tão é: eles vão man­ter vo­cê com di­nhei­ro por qu­an­to tem­po? Mes­mo que pro­gra­ma­ra men­te com pen­sa­men­tos que ins­ti­gam su­as von­ta­des e ne­ces­si­da­des pos­sa au­xi­li­ar no ca­mi­nho pa­ra a tão so­nha­da in­de­pen­dên­cia fi­nan­cei­ra, é pre­ci­so to­mar cui­da­do. Is­so por­que, “qu­an­to mais so­mos in­flu­en­ci­a­dos por ga­nhos fu­tu­ros, fan­ta­si­as do que que­re­mos ‘con­quis­tar’, mais fi­ca­mos chei­os de an­si­e­da­de e frus­tra­ção”, aler­ta o eco­no­mis­ta Gi­ridha­ri Das. Co­mis­so em vis­ta, pro­gra­ma­ram en­te com­pen­sa­men­tos que ins­ti­guem su­as von­ta­des e ne­ces­si­da­des po­de au­xi­li­ar no ca­mi­nho pa­ra a tão so­nha­da in­de­pen­dên­cia fi­nan­cei­ra. O eco­no­mis­ta pro­põe

que “o fo­co de­ve ser: qu­em sou eu? E co­mo pos­so me­lhor me ex­pres­sar nes­te mo­men­to? Qual o me­lhor de mim ago­ra? Que ação ex­pres­sa­rá mi­nha es­sên­cia da me­lhor for­ma pos­sí­vel atu­al­men­te?”. Por­tan­to, bus­car um mai­or au­to­co­nhe­ci­men­to é a cha­ve pa­ra cri­ar en­ten­di­men­tos so­bre si mes­mo que es­ses pos­sam le­var vo­cê a ga­nhar mais di­nhei­ro gra­du­al­men­te. “Os pen­sa­men­tos são um dos mei­os que uti­li­za­mos na cri­a­ção do que vi­ve­mos e, quan­do sa­be­mos es­co­lher o que pen­sar­mos, es­sa es­co­lha já tra­rá em si um di­re­ci­o­na­men­to pa­ra as de­ci­sões que va­mos to­mar”, pon­tua João Gon­sal­ves.

TÉC­NI­CAS

Al­te­rar o mo­do co­mo se pen­sa não é uma das ta­re­fas mais fá­ceis, uma vez que um ide­al po­de es­tar bas­tan­te fi­xo na men­te. Mas, fi­que cal­mo, na­da es­tá per­di­do. Co­mo su­ge­re He­loí­sa Ca­pe­las, es­pe­ci­a­lis­ta em de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no, “não há me­lhor ma­nei­ra pa­ra mo­di­fi­car ou in­flu­en­ci­ar o sub­cons­ci­en­te ou

o in­cons­ci­en­te do que tor­ná-los cons­ci­en­tes”. E, pa­ra is­so, há téc­ni­cas en­vol­vi­das pe­la psi­co­lo­gia que po­dem aju­dar na mis­são: • Hip­no­te­ra­pia: por meio da téc­ni­ca, ao con­trá­rio do que es­tá no ima­gi­ná­rio po­pu­lar em re­la­ção ao uso pa­ra o en­tre­te­ni­men­to, é pos­sí­vel ex­trair mui­tos be­ne­fí­ci­os. “No es­ta­do hip­nó­ti­co há um con­ver­sa di­re­ta com o in­cons­ci­en­te da­que­la pes­soa e po­de­mos su­ge­rir que ela me­lho­re a sua re­la­ção com o di­nhei­ro ou até mes­mo com as pes­so­as”, ex­pli­ca Jés­si­ca. Va­le res­sal­tar que es­se ti­po de te­ra­pia po­de fa­ci­li­tar a mu­dan­ça de pen­sa­men­to, po­rém, a fi­xa­ção de­le na men­te ocor­re­rá so­men­te se o in­di­ví­duo se es­for­çar pa­ra tan­to. “Es­se pro­ces­so ali­nha­do com a mu­dan­ça sau­dá­vel dos há­bi­tos é que faz com que a pes­soa pos­sa, de fa­to, me­lho­rar os seus com­por­ta­men­tos”, fi­na­li­za a pro­fis­si­o­nal.

• Me­di­ta­ção: par­tin­do do prin­cí­pio de que ad­qui­rir um mai­or au­to­co­nhe­ci­men­to é a ba­se pa­ra re­fle­tir me­lhor so­bre seus gas­tos e ga­nhos e, des­se mo­do, ge­ren­ciá-los pa­ra en­ri­que­cer, a me­di­ta­ção po­de ser uma al­ter­na­ti­va in­te­res­san­te. Com me­di­ta­ções di­re­ci­o­na­das pa­ra di­fe­ren­tes ne­ces­si­da­des, é pos­sí­vel, co­mo su­ge­re a psi­có­lo­ga, “se co­nhe­cer com mai­or fa­ci­li­da­de e des­co­brir quais são os seus com­por­ta­men­tos sa­bo­ta­do­res pa­ra, as­sim, con­tor­ná-los”.

FE­LI­CI­DA­DE TRAZ DI­NHEI­RO?

En­tre o gran­de pú­bli­co, es­sa ques­tão ge­ral­men­te é pen­sa­da de ma­nei­ra in­ver­ti­da e res­pon­di­da afir­ma­ti­va­men­te. Con­tu­do, es­tu­dos na área da psi­co­lo­gia de­mons­tram to­tal­men­te o opos­to, ou se­ja: pro­gra­me sua men­te pa­ra al­can­çar a fe­li­ci­da­de no am­bi­en­te pro­fis­si­o­nal e, co­mo con­sequên­cia, o su­ces­so e o di­nhei­ro apa­re­ce­rão. O fo­co ex­ces­si­vo em ele­men­tos mais su­per­fi­ci­ais e ma­te­ri­ais, co­mo ga­nhar mui­to di­nhei­ro, po­de le­var a qua­dros de an­si­e­da­de e ge­rar mui­ta frus­tra­ção. “A ri­que­za de­ve ser uma con­sequên­cia de vo­cê agir de acor­do com sua na­tu­re­za, de ser fi­el ao seu pro­pó­si­to de vi­da, e não o ob­je­ti­vo”, acon­se­lha Gi­ridha­ri.

“Cos­tu­mo di­zer aos meus cli­en­tes que se eles pen­sam que eles po­dem fa­zer al­go, eles, de fa­to, es­tão cer­tos. Mas se pen­sa­rem que não po­dem, eles tam­bém es­tão cer­tos” Jés­si­ca Pi­o­van, psi­có­lo­ga

CON­SUL­TO­RI­AS Gi­ridha­ri Das, eco­no­mis­ta e pa­les­tran­te mo­ti­va­ci­o­nal; He­loi­sa Ca­pe­las, es­pe­ci­a­lis­ta em de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no; Jés­si­ca Pi­o­van, psi­có­lo­ga; João Gon­sal­ves, te­ra­peu­ta trans­pes­so­al; Lei­la Pe­ric de Me­lo, psi­có­lo­ga e te­ra­peu­ta cog­ni­ti­vo - com­por­ta­men­tal; Pau­lo Vi­ei­ra, mas­ter co­a­ch e pre­si­den­te da Fe­bra­cis Co­a­ching In­te­gral Sis­tê­mi­co (www.fe­bra­cis.com.br), au­tor do li­vro Fa­tor de En­ri­que­ci­men­to, ed. Gen­te, 2016 | TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS Gi­o­va­ne Ro­cha/co­la­bo­ra­dor | FO­TOS is­tock/getty Images

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.