Saia do VER­ME­LHO

Com a atu­al cri­se econô­mi­ca, hon­rar to­das as dí­vi­das nem sem­pre é pos­sí­vel. Ve­ja al­gu­mas ati­tu­des que aju­dam a ti­rar o no­me da lis­ta de ne­ga­ti­va­dos

Mente Curiosa - - NEWS -

Oa­no de 2017 co­me­çou com um sal­do não tão po­si­ti­vo: 58,3 mi­lhões bra­si­lei­ros es­ta­vam ne­ga­ti­va­dos no úl­ti­mo mês do ano an­te­ri­or, se­gun­do es­ti­ma­ti­vas do Ser­vi­ço de Pro­te­ção ao Cré­di­to (SPC) e da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal de Di­ri­gen­tes Lo­jis­tas (CNDL). O da­do mos­tra que um em ca­da três con­su­mi­do­res ter­mi­nou 2016 com o no­me no­ca­das­tro de ina­dim­plen­tes. A re­a­li­da­de de mui­tos bra­si­lei­ros se de­ve, prin­ci­pal­men­te, à cres­cen­te ta­xa de de­sem­pre­go e à al­ta in­fla­ção, que em 2016 fe­chou bem pró­xi­ma do te­to es­ti­pu­la­do pe­lo go­ver­no. Is­so obri­gou as pes­so­as a re­or­ga­ni­za­rem seus or­ça­men­tos pa­ra qui­ta­rem su­as dí­vi­das.

Es­tou no ver­me­lho, e ago­ra?

Vo­cê não me­diu os gas­tos ou, en­tão, en­con­trou um im­pre­vis­to no meio do ca­mi­nho e aca­bou cain­do em um po­ço de dí­vi­das? Fi­que tran­qui­lo, pois pa­ra tu­do há uma saí­da! Pa­ra a con­sul­to­ra fi­nan­cei­ra Vi­vi­a­ne Fer­rei­ra, o pri­mei­ro pas­so é en­ca­rar a re­a­li­da­de e sim­pli­fi­car a vi­da e os gas­tos men­sais. “Des­sa ma­nei­ra vo­cê po­de­rá jun­tar men­sal­men­te um va­lor pa­ra po­der qui­tar as dí­vi­das já fei­tas”, as­se­gu­ra. Em al­guns ca­sos, is­so po­de le­var al­guns me­ses, mas com dis­ci­pli­na é pos­sí­vel re­ver­ter a si­tu­a­ção. Com es­sa so­bra mai­or dos ga­nhos, as pos­si­bi­li­da­de de sa­nar o sal­do de­ve­dor fi­cam mai­o­res. “A prin­ci­pal ma­nei­ra

é ten­tar ne­go­ci­ar. Às ve­zes, não se con­se­gue pa­gar R$ 1000 pa­ra o ban­co, mas é pos­sí­vel pa­gar R$ 600, por exem­plo. En­tão, de­ve-se ir em bus­ca de um acor­do, uma ne­go­ci­a­ção”, in­di­ca o con­sul­tor fi­nan­cei­ro Fábio Hen­ri­que. Uma es­tra­té­gia co­nhe­ci­da é a de alon­gar a dí­vi­da. Por exem­plo, se o dé­fi­cit é re­fe­ren­te a 20 par­ce­las, ten­ta-se es­ten­der pa­ra 60 me­ses, di­mi­nuin­do o va­lor men­sal.

Cui­da­do com os ju­ros

Os ju­ros de cré­di­tos ofe­re­ci­dos por ban­cos são mui­to al­tos. Se­gun­do Vi­vi­a­ne, a ta­xa de che­que es­pe­ci­al gi­ra em tor­no de 14% ao mês. “As pes­so­as aca­bam en­tran­do nes­ses ju­ros por não acom­pa- nha­rem o or­ça­men­to e es­que­cem que pos­su­em com­pras e gas­tos com­pro­me­ten­do a ren­da”, des­ta­ca. Cair nos ju­ros po­de ser mui­to pre­ju­di­ci­al ao bol­so, já que, atu­al­men­te, ne­nhu­ma apli­ca­ção fi­nan­cei­ra ren­de tan­to qu­an­to os ju­ros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.