Di­cas pa­ra im­pul­si­o­nar su­as FI­NAN­ÇAS

Se­pa­ra­mos as me­lho­res ori­en­ta­ções dos es­pe­ci­a­lis­tas pa­ra vo­cê cui­dar me­lhor do seu di­nhei­ro

Mente Curiosa - - NEWS -

Ter uma gra­ni­nha so­bran­do e vi­ver de for­ma con­for tá­vel sem se pre­o­cu­par com os ga­nhos e, prin­ci­pal­men­te, com as des­pe­sas é o so­nho de qua­se to­do mun­do. Mas di­nhei­ro não cai do céu, in­fe­liz­men­te. Por is­so, a or­ga­ni­za­ção das fi­nan­ças pes­so­ais é um pon­to fun­da­men­tal na bus­ca pe­lo su­ces­so fi­nan­cei­ro. Pa­ra aju­dar, ao con­trá­rio do que po­de pa­re­cer, a es­ta­bi­li­da­de de­pen­de de ações re­la­ti­va­men­te sim­ples. Con­fi­ra al­gu­mas di­cas de pro­fis­si­o­nais pa­ra vo­cê ob­ter o equi­lí­brio fi­nan­cei­ro.

1 ORGANIZE AS FI­NAN­ÇAS

O pri­mei­ro pas­so é, sem dú­vi­das, fa­zer uma es­tru­tu­ra­ção pré­via da si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra atu­al. “Le­van­tar to­dos os cus­tos e re­cei­tas men­sais, tu­do o que tem de con­ta a re­ce­ber e dí­vi­das a pa­gar”, apon­ta o es­pe­ci­a­lis­ta em ges­tão fi­nan­cei­ra Vic­tor Bar­bo­za. Ca­be a ca­da um es­co­lher a for­ma co­mo con­se­gue con­tro­lar me­lhor as fi­nan­ças, se­ja por meio de pa­pel, pla­ni­lhas, apli­ca­ti­vos ou ou­tras fer­ra­men­tas. “O que re­al­men­te im­por­ta é que es­te con­tro­le pas­se a ser ro­ti­nei­ro”, com­ple­ta o pro­fis­si­o­nal.

2 PLA­NE­JA­MEN­TO

Ve­ri­fi­car quais são as dí­vi­das e mon­tar um es­que­ma pa­ra pa­gá-las, cri­an­do pri­o­ri­da­des a par­tir de ju­ros e ris­co, por exem­plo, po­de pa­re­cer al­go com­pli­ca­do, po­rém é ex­tre­ma­men­te ne­ces­sá­rio. “Nes­sa eta­pa, tam­bém de­vem ser con­si­de­ra­dos ren­das e gas­tos fu­tu­ros, pla­ne­jan­do-os em um pe­río­do de tem­po”, acon­se­lha o es­pe­ci­a­lis­ta.

3 MON­TE UMA PLA­NI­LHA DE GAS­TOS

O mês nem ter­mi­nou, o sa­lá­rio aca­bou e vo­cê não sa­be por on­de ele es­cor­reu? Tal­vez se­ja a ho­ra de co­me­çar a fa­zer uma pla­ni­lha de gas­tos, com a lis­ta­gem de to­das as en­tra­das e saí­das de di­nhei­ro e o sal­do do flu­xo de cai­xa du­ran­te um pe­río­do de tem­po. “As­sim, sa­be­rá, por exem­plo, a da­ta do in­gres­so dos re­cur­sos (co­mo sa­lá­rio, pen­são, alu­guel, en­tre ou­tros) e a na­tu­re­za dos gas­tos que pos­sui, bem co­mo o va­lor e a da­ta de saí­da de di­nhei­ro. Des­ta for­ma, po­de­rá ter uma per­cep­ção so­bre su­as fi­nan­ças, se es­tá so­bran­do ou gas­tan­do mais do que po­de”, ana­li­sa o es­pe­ci­a­lis­ta em fi­nan­ças Ale­xan­dre Pra­do.

4 ANO­TE GAS­TOS EX­TRAS

As­sim que mon­tar sua pla­ni­lha, dei­xe um es­pa­ço re­ser­va­do pa­ra os pos­sí­veis gas­tos ex­tras. Eles apa­re­cem em da­tas co­me­mo­ra­ti­vas, co­mo ani­ver­sá­ri­os e fes­tas de fi­nal de ano, e em al­gu­mas des­pe­sas fo­ra do pre­vis­to tam­bém, co­mo con­sul­tas mé­di­cas de emer­gên­cia ou re­pa­ros do­més­ti­cos. Ano­tar tais saí­das é um im­por­tan­te meio pa­ra aju­dar a equi­li­brar as con­tas, re­du­zin­do os gas­tos em ou­tras áre­as.

4 SE­PA­RE DI­NHEI­RO PA­RA DES­PE­SAS EX­TRAS

Além de ano­tar os gas­tos ex­tras, é im­por­tan­te es­tar pre­ve­ni­do pa­ra eles. Um exem­plo da­do aci­ma, o de re­pa­ros do­més­ti­cos, não cos­tu­ma ser ba­ra­to. Ser pe­go des­pre­ve­ni­do quan­do um ca­no es­tou­rar, por exem­plo, po­de dar mui­to mais dor de ca­be­ça do que a sim­ples re­for­ma cos­tu­ma em­pre­gar. O ide­al é se­pa­rar sem­pre uma por­cen­ta­gem da ren­da pa­ra es­sas even­tu­a­li­da­des. “No pe­río­do de va­cas gor­das, fa­ça uma re­ser­va pa­ra en­fren­tar os pe­río­dos de va­cas ma­gras”, acon­se­lha o eco­no­mis­ta Sergio Di­as.

6 COM­PRE SO­MEN­TE O NE­CES­SÁ­RIO

Ape­sar de vi­ver­mos em uma so­ci­e­da­de de con­su­mo — na qual mui­tas com­pras são im­pul­si­vas, os pro­du­tos pos­su­em ob­so­les­cên­cia pro­gra­ma­da e as es­tra­té­gi­as de mar­ke­ting são cons­tan­tes e agres­si­vas —, é im­por­tan­te pi­sar no freio pa­ra não per­der o con­tro­le dos gas­tos. O ide­al é com­prar o ne­ces­sá­rio e aqui­lo que se­rá útil pa­ra vo­cê. As­sim, evi­ta­rá des­per­dí­ci­os e pe­que­nos des­li­zes.

7 CUI­DA­DO COM O CAR­TÃO DE CRÉ­DI­TO

Es­tá aí um per­so­na­gem que di­vi­de opi­niões: o car­tão de cré­di­to po­de ser a sal­va­ção pa­ra al­guns e um ver­da­dei­ro vi­lão pa­ra ou­tros. Qu­em o usa com con­tro­le, den­tro das su­as pos­si­bi­li­da­des fi­nan­cei­ras e qui­ta a fa­tu­ra men­sal­men­te, con­se­gue se be­ne­fi­ci­ar de su­as van­ta­gens – pro­gra­mas de fi­de­li­da­de e pon­tos, por exem­plo. “No en­tan­to, aque­les que ado­tam o car­tão de cré­di­to co­mo meio de fi­nan­ci­a­men­to de seus gas­tos, sem pos­suir a ca­pa­ci­da­de de li­qui­da­ção da fa­tu­ra in­te­gral­men­te, aca­ba se ven­do em maus len­çóis, pois as ta­xas de ju­ros co­bra­das são proi­bi­ti­vas e es­tão che­gan­do a fai­xa de 500% ao ano”, ex­pli­ca Ale­xan­dre Pra­do.

8 DÊ PRE­FE­RÊN­CIA PA­RA PA­GA­MEN­TOS À VIS­TA COM DES­CON­TO

Uma ati­tu­de que po­de fa­zer vo­cê gas­tar mais do que re­ce­be é re­cor­rer fre­quen­te­men­te às com­pras a pra­zo, co­mo usar car­tão de cré­di­to, che­que es­pe­ci­al e car­nês. Ge­ral­men­te, op­tar pe­lo pa­ga­men­to à vis­ta aca­ba ge­ran­do des­con­tos e, pro­gres­si­va­men­te, po­de fa­zer uma boa di­fe­ren­ça nos bol­sos.

9 COMPARE OS PRE­ÇOS

Um le­van­ta­men­to fei­to pe­la Fun­da­ção Pro­con de São Pau­lo, no iní­cio de 2017, apon­tou uma di­fe­ren­ça de mais de 450% nos pre­ços de um mes­mo item de ma­te­ri­al es­co­lar na ca­pi­tal pau­lis­ta. O que acon­te­ce com os pro­du­tos es­co­la­res po­de ser uma re­a­li­da­de com ou­tros ar­ti­gos tam­bém. Por is­so, a pa­la­vra de or­dem é sem­pre pes­qui­sar a me­lhor ofer­ta e op­tar por aque­la que mais se en­cai­xa ao seu bol­so. Com a in­ter­net, a com­pa­ra­ção fi­ca mais aces­sí­vel ain­da.

10 APRO­VEI­TE AS PRO­MO­ÇÕES CER­TAS

In­do ao en­con­tro da úl­ti­ma di­ca, apro­vei­tar al­gu­mas li­qui­da­ções cer­tas po­de dar um alí­vio pa­ra o bol­so. Mas aten­ção: nem to­das as pro­mo­ções são van­ta­jo­sas. Por exem­plo, 50% de des­con­to em um pro­du­to no su­per­mer­ca­do po­de ser mais ren­tá­vel que a pro­mo­ção de um tê­nis do mes­mo mo­de­lo do que vo­cê já tem. Além dis­so, é pre­ci­so fi­car aten­to se o des­con­to ofe­re­ci­do pe­la lo­ja é uma re­du­ção re­al ou se é uma es­tra­té­gia co­nhe­ci­da co­mo “pe­la me­ta­de do do­bro do pre­ço”.

11 SAI­BA EXA­TA­MEN­TE QU­AN­TO VO­CÊ GA­NHA

Uma pes­qui­sa re­a­li­za­da pe­lo Ser­vi­ço de Pro­te­ção ao Cré­di­to (SPC), em 2014, mos­trou que 42% dos tra­ba­lha­do­res bra­si­lei­ros não sa­bem di­zer com pre­ci­são qual é a sua ren­da men­sal. Es­se é um pas­so es­sen­ci­al pa­ra o con­tro­le dos gas­tos. Pa­ra co­me­çar a or­ga­ni­zar as fi­nan­ças, é es­sen­ci­al sa­ber qual é o sa­lá­rio lí­qui­do, aque­le que vo­cê re­ce­be após os des­con­tos de Im­pos­to de Ren­da, pre­vi­dên­cia, pla­no de saú­de, en­tre ou­tros.

12 VE­RI­FI­QUE DES­PE­SAS COM SER­VI­ÇOS PE­LOS QUAIS VO­CÊ PA­GA E NÃO USA

Vo­cê não tem tem­po de pa­rar em ca­sa, mas men­sal­men­te pre­ci­sa pa­gar a fa­tu­ra da te­vê a ca­bo ou faz tem­po que não faz uma vi­si­ta à aca­de­mia? Tal­vez se­ja a ho­ra de abrir mão des­ses ser­vi­ços ou op­tar por al­gum pla­no mais em con­ta que se en­cai­xe me­lhor à sua re­a­li­da­de.

13

Uma for­ma mui­to im­por­tan­te pa­ra qu­em de­se­ja au­men­tar a ren­da e pen­sar um pou­co no fu­tu­ro é cri­ar o há­bi­to de in­ves­tir men­sal­men­te cer­ta quan­tia. Exis­tem dis­po­ní­veis no mer­ca­do, ho­je, tí­tu­los do Te­sou­ro Di­re­to, que po­dem ser ad­qui­ri­dos a par­tir de cer­ca de R$ 30. “Es­tes são con­si­de­ra­dos os in­ves­ti­men­tos mais se­gu­ros do país, além de te­rem uma ren­ta­bi­li­da­de mui­to mai­or que a da pou­pan­ça, por exem­plo. E a li­qui­dez tam­bém é diá­ria”, ex­pli­ca o es­pe­ci­a­lis­ta em ges­tão fi­nan­cei­ra Vic­tor Bar­bo­za.

O ECO­NO­MIS­TA SERGIO DI­AS DÁ MAIS OI­TO IM­POR­TAN­TES DI­CAS PA­RA VO­CÊ RE­VER­TER SUA SI­TU­A­ÇÃO FI­NAN­CEI­RA:

1- Ino­ve: crie no­vas for­mas de ga­nhar di­nhei­ro, uti­li­zan­do su­as ha­bi­li­da­des e ca­pa­ci­da­des pa­ra pro­du­zir al­go de va­lor; 2- Sai­ba ven­der o seu pro­du­to ou ser­vi­ço; 3- Cui­da­do com as pres­ta­ções: não uti­li­ze par­ce­la­men­tos em des­pe­sas fre­quen­tes, co­mo su­per­mer­ca­do, far­má­cia, abas­te­ci­men­to de veí­cu­lo e con­tas de luz, água e te­le- fo­ne. Vo­cê irá pa­gar as pres­ta­ções cu­mu­la­ti­vas dos me­ses an­te­ri­o­res e ain­da con­trair no­vas dí­vi­das. Is­so é o que se cha­ma de efei­to bo­la de ne­ve; 4- Além de pa­gar in­te­gral­men­te as fa­tu­ras dos car­tões, uti­li­ze o che­que es­pe­ci­al den­tro dos li­mi­tes de di­as sem ju­ros ofe­re­ci­dos pe­los ban­cos. Ca­so con­trá­rio, ele se trans­for­ma­rá em ar­ma­di­lha pa­ra su­as fi­nan­ças; 5- Lem­bre-se: ren­da li­mi­ta­da exi­ge des­pe­sas li­mi­ta­das; 6- Fa­ça uma lis­ta de su­as des­pe­sas, das mai­o­res pa­ra as me­no­res e iden­ti­fi­que as de­vem ser re­du­zi­das, as que po­dem ser can­ce­la­das e as sem con­di­ções de en­co­lher. Ge­ren­cie a lis­ta mês a mês e ve­ja o que vo­cê con­se­gue eco­no­mi­zar; 7- Não se sin­ta ten­ta­do a con­su­mir o que não é ne­ces­sá­rio só por que o pre­ço e as con­di­ções de pa­ga­men­to são atra­en­tes. Vo­cê es­ta­rá com­pran­do o que não pre­ci­sa com o di­nhei­ro que não tem — o re­sul­ta­do dis­so são mais dí­vi­das; 8- Não fi­que pas­si­vo di­an­te da si­tu­a­ção em que se en­con­tra, sem bus­car uma al­ter­na­ti­va de ga­nho mai­or ou de ga­nho ex­tra. Se vo­cê tem ha­bi­li­da­des e ca­pa­ci­da­des, fa­ça com que elas tra­ba­lhem pa­ra vo­cê.

TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS Au­gus­to Bi­a­son/co­la­bo­ra­dor | CON­SUL­TO­RI­AS Ale­xan­dre Pra­do, es­pe­ci­a­lis­ta em fi­nan­ças; Sergio Di­as, eco­no­mis­ta e con­sul­tor do Ser­vi­ço Bra­si­lei­ro de Apoio às Mi­cro e Pe­que­nas Em­pre­sas (SEBRAE); Vic­tor Bar­bo­za, es­pe­ci­a­lis­ta em ges­tão fi­nan­cei­ra pa­ra mi­cro e pe­que­nos ne­gó­ci­os e fun­da­dor da em­pres­ta Ges­tão Fi­nan­cei­ra Cri­a­ti­va (http://www.ges­ta­o­fi­nan­cei­ra­cri­a­ti­va.com.br) | FO­TOS is­tock/getty Images

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.