COM ES­TI­LO

Co­nhe­ça as va­ri­e­da­des de La­gers es­cu­ras, de lú­pu­lo e amar­gor equi­li­bra­dos

Menu - - Contents - fi­que por den­tro das La­gers es­cu­ras

Até um pas­sa­do

não tão dis­tan­te as­sim, ofe­re­cer uma cer­ve­ja mais es­cu­ra – leia-se cas­ta­nha ou pre­ta – a um in­ter­lo­cu­tor tra­zia sem­pre a pos­si­bi­li­da­de de ou­vir a per­gun­ta: “Mas é do­ci­nha?” Ape­sar do cer­to des­con­for­to dos pi­o­nei­ros da cer­ve­ja ar­te­sa­nal em ou­vir o ques­ti­o­na­men­to mais de uma cen­te­na de ve­zes, há uma ex­pli­ca­ção pa­ra tal fa­to: por mui­tos anos, o con­su­mi­dor iden­ti­fi­cou cer­ve­jas es­cu­ras co­mo Malz­bi­er, que, de fa­to, é bem do­ce, de­vi­do à quan­ti­da­de de ca­ra­me­lo usa­da na re­cei­ta. Quem sa­be te­nha vis­to a Kai­ser Bock, mais aver­me­lha­da e com um dul­çor tam­bém mai­or que a “lou­ra ge­la­da” do dia a dia.

O fa­to é que há um gru­po de cer­ve­jas eu­ro­pei­as mais es­cu­ras e cu­jo per­fil é pau­ta­do pe­lo mal­te, mas is­so não qu­er di­zer que se re­su­mam ao “do­ci­nho”. Pe­lo con­trá­rio: em al­gu­mas de­las, é o equi­lí­brio com o lú­pu­lo e o amar­gor que cha­ma a aten­ção. Ve­ja o ca­so da Vi­en­na La­ger, que tem bo­as no­tas de mal­te tos­ta­do, amar­gor equi­li­bra­do e fi­nal se­co. Es­se per­fil aca­bou sen­do usa­do co­mo ba­se pe­las nor­te-ame­ri­ca­nas Samuel Adams e Bro­o­klyn pa­ra pro­du­zir ver­sões lo­cais do es­ti­lo, com dry hop­ping (adi­ção de lú­pu­lo após a fer­vu­ra), e tam­bém por al­gu­mas mar­cas na­ci­o­nais, co­mo a Bi­er­land Vi­en­na. O mes­mo equi­lí­brio en­tre dul­çor e amar­gor apa­re­ce na Märzen/Ok­to­ber­fest, cu­ja his­tó­ria es­tá li­ga­da à fes­ta que ocor­re anu­al­men­te em Mu­ni­que.

A Mu­ni­ch Dun­kel e a Schwarz­bi­er apre­sen­tam um de­sa­fio par­ti­cu­lar: ten­te de­gus­tá-las às ce­gas e di­fe­ren­ci­ar uma da ou­tra. A pri­mei­ra, cu­ja ori­gem tam­bém es­tá vin­cu­la­da à Mu­ni­que, te­rá aro­ma e sa­bor de cas­ca de pão, cho­co­la­te, ca­ra­me­lo e tof­fee, e a se­gun­da, al­go mais pró­xi­mo do mal­te tor­ra­do, ca­fé e cho­co­la­te amar­go, com me­nos cor­po e mais se­cu­ra. Pa­ra fe­char a de­gus­ta­ção da vez, du­as cer­ve­jas que fa­ri­am jus ao ape­li­do de “pão lí­qui­do”. A Bock te­ria se ori­gi­na­do na ci­da­de de Ein­beck – o no­me se- ria uma de­ri­va­ção da ter­ra na­tal – e ga­nha­do fa­ma em Mu­ni­que. Bock tam­bém sig­ni­fi­ca bo­de em ale­mão – o que é um si­nal da po­tên­cia al­coó­li­ca do es­ti­lo. Ain­da mais al­coó­li­ca é a Dop­pel­bock, cri­a­da por mon­ges ale­mães; re­za a len­da que ela era con­su­mi­da du­ran­te o pe­río­do de je­jum, de­vi­do ao re­si­du­al de açú­ca­res.

Co­mo não é ne­ces­sá­rio je­ju­ar pa­ra pro­var as cer­ve­jas do gru­po, eis al­gu­mas su­ges­tões de har­mo­ni­za­ção. Se­gun­do o li­vro A Me­sa

do Mes­tre-cer­ve­jei­ro, de Gar­rett Oli­ver, a Vi­en­na ten­de a com­bi­nar com uma das ma­ni­as bra­si­lei­ras, a piz­za. A Märzen po­de ser um “co­rin­ga” in­te­res­san­te pa­ra char­cu­ta­ria. Schwarz­bi­ers e ham­búr­gue­res tam­bém ge­ram re­sul­ta­dos sa­bo­ro­sos, bem co­mo a Dun­kel e fran­go as­sa­do. As Bocks po­dem ser bons acom­pa­nha­men­tos pa­ra pra­tos com por­co as­sa­do. E Dop­pel­bocks fa­zem bo­as com­bi­na­ções com re­cei­tas que le­vam ba­con, ou com crè­me brû­lée na so­bre­me­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.