SA­LA DE AU­LA

Ori­gi­ná­ria de Bor­de­aux, a ca­ber­net sau­vig­non se adap­ta bem a di­ver­sos ter­roirs, da Ca­li­fór­nia à Aus­trá­lia

Menu - - Contents - ti­re su­as dú­vi­das so­bre a fa­mo­sa ca­ber­net sau­vig­non

A his­tó­ria da uva ca­ber­net sau­vig­non é re­la­ti­va­men­te re­cen­te no mun­do do vi­nho. As pri­mei­ras men­ções à uva, que re­sul­ta do cru­za­men­to es­pon­tâ­neo en­tre a ca­ber­net franc e a sau­vig­non blanc, da­tam de me­a­dos do sé­cu­lo 18. Ape­nas co­mo exem­plo, a tam­bém fran­ce­sa pi­not noir e a ita­li­a­na ne­bi­ol­lo são co­nhe­ci­das des­de o sé­cu­lo 13. O pou­co tem­po his­tó­ri­co, no en­tan­to, não im­pe­diu que a uva se tor­nas­se a va­ri­e­da­de vi­ti­vi­ní­fe­ra mais cul­ti­va­da no mun­do, se­gun­do re­la­tó­rio da Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal do Vi­nho e da Vi­nha (OIV). Atu­al­men­te, são qua­se 350 mil hec­ta­res de vi­nhe­dos plan­ta­dos com a va­ri­e­da­de nos mais va­ri­a­dos pon­tos do mun­do.

A ex­pan­são da ca­ber­net sau­vig­non ga­nhou fô­le­go a par­tir de me­a­dos do sé­cu­lo pas­sa­do. A ca­rac­te­rís­ti­ca de ser uma va­ri­e­da­de no­bre em Bor­de­aux (ela é a uva do­mi­nan­te dos cin­co pre­mi­er grand cru clas­se, por exem­plo) que se adap­ta a di­ver­sos ter­roirs es­tá na ba­se des­sa ex­pan­são. Em se­gui­da, es­tá a fa­ma e a qua­li­da­de que os vi­nhos com es­sa va­ri­e­da­de fo­ram ad­qui­rin­do não ape­nas na Fran­ça, mas no res­to do mun­do. O crí­ti­co nor­te-ame­ri­ca­no Ro­bert Par­ker, que não ra­ro pon­tua com a sua no­ta má­xi­ma os tin­tos ela­bo­ra­dos com es­sa ce­pa, tem pa­pel im­por­tan­te nes­ta ex­pan­são.

Os me­lho­res tin­tos ca­li­for­ni­a­nos, a co­me­çar por aque­les que des­tro­na­ram os fran­ce­ses no his­tó­ri­co

Jul­ga­men­to de Pa­ris, têm a ca­ber­net sau­vig­non co­mo ba­se. Os pre­mi­a­dos ró­tu­los chi­le­nos, co­mo Al­ma­vi­va, Seña e Don Mel­chor tam­bém. Em Bolghe­ri, on­de nas­cem os su­per­tos­ca­nos, é a ca­ber­net que dá a es­tru­tu­ra na mai­o­ria dos seus vi­nhos. Na Aus­trá­lia, as ba­da­la­das re­giões de Co­o­nawar­ra e Mar­ga­ret Ri­ver têm a uva co­mo prin­ci­pal va­ri­e­da­de de seus tin­tos íco­nes. A lis­ta se­gue, com mais uma in­fi­ni­da­de de bons exem­plos.

Em to­dos es­ses vi­nhe­dos, a ca­ber­net sau­vig­non man­tém a sua iden­ti­da­de. Seus ba­gos pe­que­nos re­sul­tam em tin­tos de mui­ta cor, com ta­ni­nos e aci­dez pre­sen­tes. Seus aro­mas re­me­tem a gro­se­lhas, cas­sis e ce­dro, prin­ci­pal­men­te. Não ra­ro, seus vi­nhos tra­zem no­tas re­la­ci­o­na­das ao es­tá­gio em bar­ri­cas, co­mo bau­ni­lha, tos­ta­dos ou ca­fé, já que a sua es­tru­tu­ra pe­de o afi­na­men­to em bar­ri­cas de car­va­lho. Seus ta­ni­nos e com­pos­tos fe­nó­li­cos são os res­pon­sá­veis pe­la sua lon­ge­vi­da­de – pro­vas com sa­fras an­ti­gas com­pro­vam es­sa fa­ce­ta da ca­ber­net de ga­nhar com­ple­xi­da­de com os anos, dé­ca­das em gar­ra­fas.

Nos vi­nhe­dos, a ca­ber­net sau­vig­non é uma va­ri­e­da­de de ci­clo de mé­dio pa­ra lon­go. Se, por is­so, ela é me­nos pro­pen­sa às ge­a­das do iní­cio da pri­ma­ve­ra, seus vi­nhe­dos pre­ci­sam do tem­po fir­me e sem chu­vas pa­ra ob­ter a sua com­ple­ta ma­tu­ra­ção, de pre­fe­rên­cia com a gran­de am­pli­tu­de tér­mi­ca en­tre o dia e a noi­te. Em mui­tas re­giões, es­tá en­tre as úl­ti­mas va­ri­e­da­des a se­rem co­lhi­das no vi­nhe­do – no Chi­le, por exem­plo, só cos­tu­ma ser co­lhi­da an­tes da car­menè­re. Por is­so, a ca­ber­net sau­vig­non só tem di­fi­cul­da­des de se adap­tar em re­giões mui­to fri­as ou quan­do al­gum ou­tro fa­tor cli­má­ti­co im­pe­de a sua ma­tu­ra­ção. Além dis­so, é vi­go­ro­sa, com a pe­le gros­sa da fru­ta, que a tor­na re­sis­ten­te a vá­ri­as do­en­ças nos vi­nhe­dos, e gos­ta de so­los bem dre­na­dos, de pre­fe­ren­cia are­no­sos mes­cla­dos com pe­que­nos pe­dre­gu­lhos (cas­ca­lho).

Não ra­ro, os vi­nhos ela­bo­ra­dos com a ca­ber­net sau­vig­non têm tam­bém por­cen­ta­gens de ou­tras uvas tin­tas. Quan­do mes­cla­das com mer­lot e ca­ber­net franc, prin­ci­pal­men­te, e tam­bém pe­tit ver­dot, mal­bec e car­menè­re, es­sa mis­tu­ra é cha­ma­da de cor­te bor­da­lês, ou Bor­de­aux blend. Es­sas va­ri­e­da­des têm a ca­pa­ci­da­de de tor­nar o vi­nho mais com­ple­xo. Co­mo nem sem­pre a ca­ber­net sau­vig­non con­se­gue ob­ter a sua com­ple­ta ma­tu­ra­ção, a mer­lot traz as su­as no­tas de fru­tas e fres­cor ao blend, por exem­plo. Nas úl­ti­mas dé­ca­das, a ca­ber­net tam­bém se as­so­ci­ou a ou­tras ce­pas, co­mo a shi­raz aus­tra­li­a­na, em seu blend. No Ve­ga Si­ci­lia Úni­co, por exem­plo, on­de a tem­pra­nil­lo é a ce­pa ma­jo­ri­tá­ria com 85% do blend, a ca­ber­net sau­vig­non es­tá pre­sen­te com cer­ca de 10% a 15%, pa­ra tra­zer lon­ge­vi­da­de ao mais fa­mo­so tin­to es­pa­nhol.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.