POR Aí

Por­tu­gal apos­ta no po­ten­ci­al da pe­ra ro­cha, fru­ta de pol­pa fir­me, su­cu­len­ta e com fo­me de mer­ca­do bra­si­lei­ro

Menu - - Contents - por Be­a­triz Mar­ques, de Óbi­dos*

Co­nhe­ça a pe­ra por­tu­gue­sa que es­tá con­quis­tan­do o mer­ca­do bra­si­lei­ro

Um dos des­ti­nos tu­rís­ti­cos mais pro­cu­ra­dos por quem vai a Por­tu­gal, Óbi­dos tem seus en­can­tos. São pou­cos quilô­me­tros da ca­pi­tal Lis­boa que o vi­si­tan­te pre­ci­sa per­cor­rer pa­ra en­con­trar as lon­gas mu­ra­das me­di­e­vais, que cer­cam as char­mo­sas ru­as de pe­dras da pe­que­na ci­da­de – e nin­guém sai de lá sem pro­var bo­as do­ses de gin­ja, li­cor fei­to com a fru­ta de mes­mo no­me, que lem­bra uma ce­re­ja. Mas ou­tro atra­ti­vo ao pa­la­dar po­de ser no­ta­do an­tes mes­mo de che­gar a Óbi­dos: as mi­lha­res de pe­rei­ras que mar­gei­am as es­tra­das. E se a vi­si­ta acon­te­cer en­tre agos­to e se­tem­bro, é pos­sí­vel apre­ci­ar seus pés car­re­ga­dos de pe­ra ro­cha. Pa­ra quem não a co­nhe­ce, é aque­la va­ri­e­da­de de pol­pa fir­me e su­cu­len­ta, de cas­ca ama­re­la­da com pin­tas cas­ta­nhas, tão co­nhe­ci­da en­tre os bra­si­lei­ros co­mo “pe­ra por­tu­gue­sa”. Nos­so país, aliás, é o prin­ci­pal mer­ca­do des­sa fru­ta – 11,3% de pe­ra ro­cha pro­du­zi­dos em Por­tu­gal têm des­ti­no cer­to às me­sas bra­si­lei­ras, ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te as do Sul e Su­des­te, on­de o con­su­mo da fru­ta es­tá mais con­cen­tra­do. Va­le lem­brar que a pe­ra é uma das prin­ci­pais cul­tu­ras de cli­ma tem­pe­ra­do pa­ra o bra­si­lei­ro, mas de pro­du­ção lo­cal inex­pres­si­va. Se­gun­do da­dos do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE), fo­ram so­men­te 22.108 to­ne­la­das de pe­ras co­lhi­das no País em 2017. E as im­por­ta­ções pas­sam dos 90% pa­ra aten­der a fo­me do bra­si­lei­ro. A mai­or par­te vem dos paí­ses vi­zi­nhos, prin­ci­pal­men­te da Ar­gen­ti­na. Mas os por­tu­gue­ses, aos pou­cos, têm con­quis­ta­do seu es­pa­ço nas nos­sas gôn­do­las. Só na cam­pa­nha 2017/2018, vi­e­ram da ter­ri­nha 23.363 to­ne­la­das de pe­ra ro­cha. Uma das apos­tas pa­ra o avan­ço de pe­ra ro­cha no Bra­sil é a qua­li­da­de com a qu­al os fru­tos são tra­ta­dos pe­los lu­si­ta­nos. Tan­to que, em 2003, as pe­ras cul­ti­va­das em 29 dis­tri­tos da re­gião Oes­te, co­mo Sintra, Al­co­ba­ça e Lei­ria, con­quis­ta­ram o se­lo de de­no­mi­na­ção

de ori­gem pro­te­gi­da (DOP) da União Eu­ro­peia, com o no­me de pe­ra ro­cha do oes­te. “Es­se re­co­nhe­ci­men­to con­tri­bui pa­ra ates­tar o va­lor acres­cen­ta­do des­se fru­to, pois cer­ti­fi­ca que a pro­du­ção, além da qua­li­da­de, é fei­ta num ter­ri­tó­rio es­pe­cí­fi­co e de acor­do com nor­mas e sa­be­res cer­ti­fi­ca­dos”, con­ta Do­min­gos dos San­tos, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de Pro­du­to­res de Pe­ra Ro­cha. En­tre os di­fe­ren­ci­ais da re­gião es­tão a pro­xi­mi­da­de do mar, a boa quan­ti­da­de de ho­ras de frio (são cer­ca de 500 ho­ras ne­ces­sá­ri­as pa­ra a fru­ta se de­sen­vol­ver) e o so­lo ar­gi­lo­so. Até che­gar ao Bra­sil pra­ti­ca­men­te in­tac­ta, sem um ar­ra­nhão se­quer, são inú­me­ros os pro­ces­sos pe­los quais a pe­ra ro­cha pas­sa. De agos­to até os pri­mei­ros di­as de se­tem­bro, quan­do as fru­tas já ama­du­re­ce­ram em sua to­ta­li­da­de, é fei­ta a co­lhei­ta ma­nu­al. A pe­ra pre­ci­sa ser pu­xa­da pa­ra ci­ma, até que se rom­pa do cau­le e co­lo­ca­da em bal­des cau­te­lo­sa­men­te, pa­ra que não ocor­ra fis­su­ras na cas­ca e a oxi­de. Na Quin­ta da Boa Vis­ta, em Ca­da­val, fun­da­da em 1640 e com pe­rei­ras plan­ta­das com mais de 60 anos, são re­a­li­za­dos tes­tes cons­tan­tes em lo­tes pa­ra ava­li­ar a fir­me­za (o ide­al é ser en­tre 5 a 6 kg) e a do­çu­ra da fru­ta (aci­ma de 11 brix). O di­â­me­tro cos­tu­ma ser en­tre 55 a 65 mm. “O bra­si­lei­ro gos­ta da pe­ra aci­ma de 11,5 brix e com 60 a 70 mm de di­â­me­tro”, re­ve­la Ar­man­do Tor­res Pau­lo, pro­pri­e­tá­rio da quin­ta. Uma das van­ta­gens da pe­ra ro­cha é sua du­ra­bi­li­da­de. As­sim que são trans­por­ta­das pa­ra cen­trais fru­tei­ras, são pe­sa­das, hi­gi­e­ni­za­das, eti­que­ta­das e ar­ma­ze­na­das em tem­pe­ra­tu­ra e umi­da­de con­tro­la­das (en­tre 0 e 2º C). Na Gran­fer, uma das prin­ci­pais cen­trais do Oes­te, são 36 câmaras fri­go­rí­fi­cas, com ca­pa­ci­da­de de até 500 to­ne­la­das ca­da. Por lá, as pe­ras po­dem fi­car até oi­to me­ses, e cos­tu­mam ser co­mer­ci­a­li­za­das até ju­nho do ano se­guin­te. Pa­ra a ex­por­ta­ção ao Bra­sil, as fru­tas atra­ves­sam o Atlân­ti­co em na­vi­os re­fri­ge­ra­dos, pa­ra man­ter seus sa­bo­res inal­te­ra­dos.

Além de ser apre­ci­a­da in na­tu­ra, a pe­ra ro­cha tam­bém po­de ser bas­tan­te apro­vei­ta­da na co­zi­nha, pois a tex­tu­ra fir­me fa­ci­li­ta o co­zi­men­to. O res­tau­ran­te Ma­ria Ba­ta­ta, que fi­ca den­tro do ho­tel Rio do Pra­do, em Óbi­dos, tem en­tre su­as cri­a­ções a pe­ra as­sa­da com quei­jo de ca­bra e no­zes e até uma ver­são con­fi­ta­da em gin­ja, ser­vi­da com cre­me in­glês. E o me­lhor: a fru­ta vem do plan­tio or­gâ­ni­co do pró­prio ho­tel, que ain­da pos­sui to­ma­tes, pi­men­tões, cou­ve e inú­me­ras er­vas e hor­ta­li­ças em es­tu­fa. A pe­ra tam­bém tem seu des­ta­que no res­tau­ran­te The His­tory Man, na mes­ma ci­da­de – se­ja em so­bre­me­sas, co­mo na tor­ta de amên­doa, ou em prin­ci­pais, co­mo no lom­bi­nho de por­co pre­to com pe­ras fri­tas, es­pi­na­fres e mo­lho de mos­ca­tel. “É im­por­tan­te mos­trar que a pe­ra po­de ser in­tro­du­zi­da no pra­to, com mui­to sa­bor”, con­ta Ro­dri­go Me­ne­ses, co­zi­nhei­ro e cu­ra­dor da Aca­de­mia Ti­me Out, es­pa­ço de au­las den­tro do Mer­ca­do da Ri­bei­ra, em Lis­boa. En­tre su­as apos­tas pa­ra a pe­ra ro­cha se dar bem na co­zi­nha é com o quei­jo de ca­bra, “pois nos­so quei­jo é bem sal­ga­do e fun­ci­o­na bem com o do­ce e o áci­do da fru­ta.” E a aci­dez tam­bém po­de ser apro­vei­ta­da pa­ra com­por um ce­vi­che, se­gun­do ele. Pa­ra os lei­to­res da Me­nu, Me­ne­ses en­si­na o pre­pa­ro da pe­ra bê­ba­da, uma das so­bre­me­sas lu­si­ta­nas mais tra­di­ci­o­nais com a fru­ta, que le­va cal­da de açú­car, es­pe­ci­a­ri­as e vi­nho do Por­to, mas que na ver­são do co­zi­nhei­ro, le­va vi­nho bran­co, car­da­mo­mo e aça­frão. * A jor­na­lis­ta vi­a­jou a con­vi­te da – As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de Pro­du­to­res de Pe­ra Ro­cha (ANP)

Um dos me­lho­res ca­sa­men­tos: pe­ra ro­cha e quei­jo de ca­bra, en­tra­da pre­pa­ra­da no Ma­ria Ba­ta­ta

Pe­ra fri­ta acom­pa­nha o lom­bi­nho de por­co pre­to com mo­lho de mos­ca­tele es­pi­na­fre, do The His­tory Man

Ro­dri­go Me­ne­ses (aci­ma), da Aca­de­mia Ti­me Out, en­si­na a fa­zer a pe­ra em vi­nho bran­co e es­pe­ci­a­ri­as

A co­lhei­ta na Quin­ta da Boa Vis­ta e seus me­di­do­res de ta­ma­nho e pres­são pa­ra con­tro­lar a qua­li­da­de das fru­tas

O char­mo­so ho­tel Rio do Pra­do, que pos­sui cul­ti­vo or­gâ­ni­co de pe­ra ro­cha

Do­min­gos dos San­tos, pre­si­den­te da ANP e, abai­xo, a se­le­ção de pe­ras na Gran­fer

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.