TER­RA ES­TRAN­GEI­RA

Menu - - Contents - ter­ra­es­tran­gei­ra Pau­lo Ma­cha­do

Se me per­gun­ta­rem qu­al é o bo­lo mais re­pre­sen­ta­ti­vo do Bra­sil, eu não sa­be­rei a resposta. Afi­nal, ca­da can­to des­te País tem uma re­cei­ta, sem con­tar as que ado­ta­mos de ou­tras cul­tu­ras pa­ra as nos­sas co­me­mo­ra­ções. Mas te­nho mui­tos bo­los que fa­zem par­te da mi­nha his­tó­ria. Um dos sa­bo­res mais tra­di­ci­o­nais bra­si­lei­ros, o bo­lo de fu­bá pas­sou lon­ge de mi­nha in­fân­cia. Só pas­sei a gos­tar de­le al­guns anos atrás, quan­do mi­nha avó en­trou na moda de co­lo­car cu­bos de goi­a­ba­da na re­cei­ta e me deu pa­ra pro­var – foi o su­fi­ci­en­te pa­ra a re­cei­ta en­trar no meu re­per­tó­rio. Da épo­ca de cri­an­ça, te­nho na lem­bran­ça uma tor­ta de mo­ran­go que era fei­ta pe­la tia Ma­ria Ade­lai­de, ban­que­tei­ra fa­mo­sa na mi­nha ci­da­de, que tra­ba­lha­va no Ho­tel Cam­po Gran­de. Seus de­li­ci­o­sos qui­tu­tes rei­na­vam em ab­so­lu­to, de ca­sa­men­tos a fes­tas in­fan­tis em Cam­po Gran­de (MS) que de­se­ja­vam ser­vir sal­ga­di­nhos e do­ces de qua­li­da­de. Nu­ma épo­ca em que a palavra ar­te­sa­nal não apa­re­cia, a tia de­mo­ra­va ho­ras fa­zen­do ca­ma­das de pão de ló, cre­me de con­fei­tei­ro en­vol­vi­do em mo­ran­gos cor­ta­dos e se­le­ci­o­na­dos por ta­ma­nho. Tu­do is­so era re­ves­ti­do por um marsh­mal­low ir­re­sis­tí­vel – pa­ra qual­quer cri­an­ça ter von­ta­de de pas­sar o de­do in­di­ca­dor.

Em 2011, re­a­cen­di meu pa­la­dar pe­las me­sas de do­ces quan­do co­nhe­ci Per­nam­bu­co e de lá pra cá não ti­rei es­se es­ta­do do meu co­ra­ção. Não que o Cer­ra­do e o Pan­ta­nal não ofe­re­çam qui­tan­das e me­sas far­tas de bo­lo de ar­roz, mas san­to de ca­sa não faz mi­la­gre. Em Re­ci­fe, me apai­xo­nei por bo­lo de ro­lo, Sou­za Leão, pé de mo­le­que, bo­lo de noi­va e ba­e­ta. Pa­ra quem não co­nhe­ce es­te úl­ti­mo, é aque­le bo­lo em­ba­tu­ma­do, que se es­que­ceu de cres­cer. No fes­te­jo de São João des­te ano, pro­vei no ae­ro­por­to da Pa­raí­ba o bo­lo de bar­ra, si­mi­lar ao ba­e­ta, mui­to co­nhe­ci­do do ser­tão e de to­da par­te do Nor­des­te

Cu­ri­o­sa­men­te de­li­ci­o­so, é um dos meus pre­fe­ri­dos quan­do fei­to com os in­gre­di­en­tes cer­tos – de­ve-se usar man­tei­ga pu­ra no lu­gar de mar­ga­ri­na, por exem­plo. Pa­ra es­ta co­lu­na, es­co­lho dei­xar de pre­sen­te a sim­ples re­cei­ta da pri­mo­ro­sa igua­ria, que é tam­bém co­nhe­ci­da pe­lo co­di­no­me de en­gor­da ma­ri­do.

No ani­ver­sá­rio de 20 anos da re­vis­ta Me­nu, que­ro de­se­jar fe­li­ci­da­des com sa­bor de do­ce fa­vo­ri­to e um bo­lo bem gos­to­so pa­ra co­me­mo­rar as vi­tó­ri­as de to­da a equi­pe e chefs que já abri­lhan­ta­ram es­tas cé­le­bres pá­gi­nas e con­ti­nu­am nes­sa mis­são. O fu­tu­ro de con­quis­tas, a Deus per­ten­ce! Pa­ra­béns Me­nu. ON­DE CO­MER: Bo­lo Chic Ate­liê, por Adri­a­na Co­ok ave­ni­da Híl­ton Sou­to Mai­or, 6.701 – Por­tal do Sol (83) 99957-3291 – João Pes­soa – PB

O bo­lo ba­e­ta, tra­di­ci­o­nal no Nor­des­te, pre­pa­ra­do pe­la chef Adri­a­na Co­ok con­fi­ra a re­cei­ta na pág. 63

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.