COLARINHO

Menu - - Contents - RO­BER­TO FON­SE­CA

Quan­do es­ti­mu­la­da por cer­ve­ja, a men­te hu­ma­na po­de jo­gar luz so­bre os es­ca­ni­nhos mais em­po­ei­ra­dos e es­cu­ros da me­mó­ria. Só is­so jus­ti­fi­ca­ria a lem­bran­ça do fil­me Ir­mãos Gêmeos (1988), com Ar­nold Schwar­ze­neg­ger e Dany DeVi­to, ao bus­car com­pa­ra­ções pa­ra ex­pli­car o pro­ces­so cer­ve­jei­ro par­ti-gy­le. No fil­me, o per­so­na­gem de Schwar­ze­neg­ger é re­sul­ta­do de um ex­pe­ri­men­to ge­né­ti­co em bus­ca do “ho­mem per­fei­to”, for­te e cul­to. Mas, pa­ra sur­pre­sa dos ci­en­tis­tas, o pro­ces­so tam­bém aca­ba dan­do à luz o ir­mão vi­vi­do pe­lo bai­xi­nho DeVi­to. O res­to é his­tó­ria pa­ra ses­sões ves­per­ti­nas de TV.

Em li­nhas ge­rais, o sis­te­ma par­ti-gy­le con­sis­te em ob­ter mais de uma cer­ve­ja de uma mes­ma ba­te­la­da, pe­la pro­du­ção de di­fe­ren­tes mos­tos (lí­qui­do açu­ca­ra­do re­sul­tan­te da imer­são dos mal­tes moí­dos em água aque­ci­da). O pri­mei­ro é mais con­cen­tra­do, atin­gin­do te­o­res al­coó­li­cos mais ele­va­dos. O se­gun­do, mais di­luí­do, ori­gi­na cer­ve­jas me­nos al­coó­li­cas, mas não me­nos in­te­res­san­tes, já que é pos­sí­vel uti­li­zar di­fe­ren­tes lú­pu­los, le­ve­du­ras e ad­jun­tos (tem­pe­ros, por exem­plo), pa­ra dar um per­fil to­tal­men­te di­fe­ren­te à “ir­mã me­nor”.

O pro­ces­so foi uti­li­za­do por qua­tro cer­ve­ja­ri­as ci­ga­nas de São Pau­lo – De­mo­nho, In­fec­ted, Mo­li­na­rius e Sunny Brew – pa­ra cri­ar du­as IPAs. A De­mon Mill, a “ir­mã mai­or”, foi cha­ma­da de Qu­ad IPA, tem 14% de te­or al­coó­li­co e 140 Uni­da­des de Amar­gor (mais de 14 ve­zes o que se en­con­tra em uma “lou­ra ge­la­da”); seu per­fil é mais den­so e equi­li­bra­do en­tre dul­çor e amar­gor. A Wild Sun tem 4% e 40 IBUs, mas uma pe­ga­da mais le­ve e se­ca.

Ex­pe­ri­ên­ci­as si­mi­la­res já fo­ram vis­tas no mer­ca­do bra­si­lei­ro. No pri­mei­ro ca­so, a nor­te-ame­ri­ca­na An­chor pro­duz a Ame­ri­can Bar­leywi­ne Old Foghorn, com 8,8% de te­or al­coó­li­co. Com uma adi­ção ex­tra de água so­bre os mal­tes, sur­ge a Small Be­er, com 3,3%. A pri­mei­ra con­ti­nua à ven­da por aqui, mas a se­gun­da, in­fe­liz­men­te, não. No pla­no lo­cal, a gaú­cha Se­a­sons, de Por­to Ale­gre, lan­çou há al­guns anos a Lim­bo, uma Ses­si­on Stout de 3,7%, cu­jo pro­tó­ti­po sur­giu de uma se­gun­da la­va­gem dos mal­tes da Cof­fee Stout Ci­ri­lo (6,8%) e de­pois ga­nhou vi­da pró­pria em um ró­tu­lo co­mer­ci­al. Em­bo­ra a “ir­mã mai­or” te­nha se man­ti­do em li­nha, a Lim­bo, com o per­dão do tro­ca­di­lho, ain­da aguar­da uma se­gun­da chan­ce de sair de si pró­pria e vol­tar às pra­te­lei­ras. é jor­na­lis­ta e es­cre­ve so­bre cer­ve­jas des­de 2006. Tam­bém atua na área de po­lí­ti­ca e já tra­ba­lhou no Jor­nal da Tar­de e na Fo­lha de S.Pau­lo

“O SIS­TE­MA PAR­TI-GY­LE CON­SIS­TE EM OB­TER MAIS DE UMA CER­VE­JA DE UMA MES­MA BA­TE­LA­DA, PE­LA PRO­DU­ÇÃO DE DI­FE­REN­TES MOS­TOS”

ES­TOU BE­BEN­DO Dá­di­va Don’t Call Me La­ger: ape­sar do irô­ni­co no­me, tra­ta-se de uma cer­ve­ja de bai­xa fer­men­ta­ção Dop­pel­bock. Bo­as no­tas de ca­ra­me­lo, fru­tas es­cu­ras e tos­ta­das, com cor­po den­so e ál­co­ol per­cep­tí­vel, mas não exa­ge­ra­do. Custa R$ 44,99 (500 ml) no Be­er4U

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.