Mor­ta­li­da­de in­fan­til é a me­nor da his­tó­ria de SBC

Ci­da­des do ABC re­a­li­za­ram ações pa­ra re­du­zir o nú­me­ro de óbi­tos de cri­an­ças até 1 ano na úl­ti­ma dé­ca­da. São Ber­nar­do re­gis­tra me­nor ín­di­ce em 2015, com 8,49 mor­tes pa­ra ca­da mil nas­ci­dos vi­vos

Metro Brazil (ABC) - - Foco -

As ci­da­des do ABC re­gis­tra­ram que­da na mor­ta­li­da­de in­fan­til em 2015. São Ca­e­ta­no ain­da é o mu­ni­cí­pio com me­nor ín­di­ce - 6,01 óbi­tos pa­ra ca­da 1.000 nas­ci­dos vi­vos.

Con­jun­to de ações re­a­li­za­do pe­las se­cre­ta­ri­as de saú­de mu­ni­ci­pais é apon­ta­do co­mo prin­ci­pal fator pa­ra di­mi­nui­ção das mor­tes de cri­an­ças de até 1 ano de ida­de nos úl­ti­mos 10 anos.

O le­van­ta­men­to da mor­ta­li­da­de in­fan­til é um dos prin­ci­pais in­di­ca­do­res de qua­li­da­de de vi­da e de saú­de das ci­da­des. Os nú­me­ros abran­gem os be­bês nas­ci­dos na re­de pú­bli­ca e pri­va­da.

São Ber­nar­do ba­teu re­cor­de nes­se da­do em 2015, com o re­gis­tro de 8,49 mor­tes de cri­an­ças até um ano pa­ra ca­da 1.000 nas­ci­das. É o me­nor ín­di­ce da his­tó­ria da ci­da­de, se­gun­do a pre­fei­tu­ra.

“A po­lí­ti­ca de saú­de do mu­ni­cí­pio in­flu­en­cia nas con­di­ções da ges­ta­ção, nas­ci­men­to e acom­pa­nha­men­to da cri­an­ça. De­sen­vol­ve­mos pro­gra­mas que ga­ran­tem aten­di­men­to e mo­ni­to­ra as ma­mães e be­bês. Por exem­plo, o agen­te de saú­de vai até a ges­tan­te se ela fal­tar em con­sul­ta. Ga­ran­ti­mos tam­bém tra­ta­men­tos e lei­tos de UTI em ca­sos gra­ves”, dis­se a se­cre­tá­ria de Saú­de de São Ber­nar­do, Ode­te Gi­al­di.

San­to An­dré, com ín­di­ce de 10,24 (o se­gun­do me­nor dos úl­ti­mos 10 anos), tam­bém ado­tou pro­gra­mas de acom­pa­nha­men­to pa­ra ga­ran­tir a so­bre­vi­vên­cia dos be­bês. A ci­da­de con­ta tam­bém com nú­cleo e um Co­mi­tê de In­ves­ti­ga­ção de Mor­ta­li­da­de Ma­ter­na e In­fan­til, on­de são iden­ti­fi­ca­das as cau­sas de óbi­tos e pro­pos­tas ações, co­mo me­lho­rar a as­sis­tên­cia pré-na­tal pa­ra as mães.

Mauá con­se­guiu re­du­zir con­si­de­ra­vel­men­te o nú­me­ro de óbi­tos, de 17,36 em 2010 pa­ra 11,64 no ano pas­sa­do. Po­rém, ain­da é um dos mais ele­va­dos ín­di­ces da re­gião. Nes­te ano foi lan­ça­do na ci­da­de o Ca­der­no de Cui­da­do Ma­ter­no In­fan­til, que é um do­cu­men­to de uso in­ter­no a ser se­gui­do em to­dos os se­to­res que atu­am nas ações pre­ven­ti­vas e de as­sis­tên­cia da re­de mu­ni­ci­pal.

O Bra­sil é um dos 62 países que al­can­ça­ram a me­ta de re­du­ção da mor­ta­li­da­de in­fan­til, es­ti­pu­la­da pe­la ONU (Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das). Há 25 anos, eram re­gis­tra­das 61 mor­tes pa­ra ca­da 100 mil me­no­res de cin­co anos. O ín­di­ce caiu pa­ra 16 em 2015.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.