Pre­si­den­te da Pe­tro­bras quer no­va lei pa­ra pré-sal

Em sua pos­se, Pe­dro Pa­ren­te afir­mou que es­ta­tal foi ví­ti­ma de ‘uma qua­dri­lha or­ga­ni­za­da’ e que atu­al mo­de­lo, que obri­ga a em­pre­sa a par­ti­ci­par com um per­cen­tu­al mí­ni­mo de 30% dos con­tra­tos de ex­plo­ra­ção, não aten­de aos in­te­res­ses da em­pre­sa nem do país

Metro Brazil (ABC) - - Front Page -

O no­vo pre­si­den­te da Pe­tro­bras, Pe­dro Pa­ren­te, de­fen­deu on­tem mu­dan­ças na lei que de­ter­mi­na que a es­ta­tal se­ja obri­ga­da a par­ti­ci­par com um per­cen­tu­al mí­ni­mo de 30% da ex­plo­ra­ção do pré-sal. Na sua ava­li­a­ção, a atu­al le­gis­la­ção não aten­de aos in­te­res­ses nem da com­pa­nhia nem do país.

“Se a exi­gên­cia não for re­vis­ta, a con­sequên­cia é re­tar­dar sem pre­vi­são a ex­plo­ra­ção do pré-sal. Além dis­so, es­sa obri­ga­ção res­trin­ge a li­ber­da­de de es­co­lha da em­pre­sa”, ar­gu­men­tou, du­ran­te ce­rimô­nia de trans­mis­são do car­go, que não te­ve a pre­sen­ça do pre­si­den­te an­te­ri­or, Al­de­mir Ben­di­ne.

Em sua pri­mei­ra fa­la pú­bli­ca na se­de da com­pa­nhia, Pa­ren­te de­fen­deu que a em­pre­sa te­nha li­ber­da­de pa­ra es­co­lher on­de de­se­ja en­trar e não ser sem­pre obri­ga­da.

“En­ten­de­mos que uma po­lí­ti­ca de con­teú­do lo­cal é ne­ces­sá­ria, mas, pa­ra is­so, a par­ce­ria pre­ci­sa in­cen­ti­var a ino­va­ção, de­ve pre­va­le­cer a com­pe­tên­cia que per­mi­ta pas­sar pe­lo tes­te áci­do da con­cor­rên­cia”, acres­cen­tou.

O Se­na­do apro­vou em fe­ve­rei­ro pro­je­to que de­so­bri­ga a Pe­tro­bras de ser a ope­ra­do­ra úni­ca e de ter par­ti­ci­pa­ção mí­ni­ma de 30% nos con­sór­ci­os for­ma­dos pa­ra as ex­plo­ra­ções do pe­tró­leo da ca­ma­da do pré-sal. Mas ain­da é ne­ces­sá­ria a apro­va­ção pe­la Câ­ma­ra.

Pa­ren­te dis­se ain­da que, no pas­sa­do, a Pe­tro­bras pas­sou por uma fa­se de “eu­fo­ria e triun­fa­lis­mo”, que, na sua ava­li­a­ção, “não ser­vem mais pa­ra es­con­der o des­ca­la­bro que ocor­reu na com­pa­nhia”.

“A Pe­tro­bras foi ví­ti­ma de uma qua­dri­lha or­ga­ni­za­da, que apro­vei­tou de seus qua­dros pa­ra sus­ten­tar seus pro­je­tos pes­so­ais e de po­der”, acu­sou.

Se­gun­do Pa­ren­te, o ní­vel de trans­pa­rên­cia que se­rá ado­ta­do pa­ra a po­lí­ti­ca de pre­ços dos com­bus­tí­veis da Pe­tro­bras, uma de­man­da do mer­ca­do que bus­ca mais pre­vi­si­bi­li­da­de, ain­da não es­tá de­fi­ni­do. Mas ele rei­te­rou que não ha­ve­rá in­fluên­cia do go­ver­no fe­de­ral so­bre o te­ma.

Por vá­ri­os anos, a Pe­tro­bras im­por­tou ga­so­li­na e di­e­sel a pre­ços mai­o­res do que os pra­ti­ca­dos na ven­da in­ter­na, co­mo uma me­di­da do go­ver­no pa­ra con­tro­lar a in­fla­ção, tra­zen­do pre­juí­zos bi­li­o­ná­ri­os pa­ra a em­pre­sa.

“Tem em­pre­sas que di­vul­gam a sua po­lí­ti­ca de pre­ços com trans­pa­rên­cia e ou­tras não. Qual a me­lhor po­lí­ti­ca pa­ra a em­pre­sa nes­se mo­men­to? Não sei. Is­so pa­ra nós é um pon­to im­por­tan­tís­si­mo, sem dú­vi­da é”, afir­mou Pa­ren­te. ME­TRO

“A Pe­tro­bras foi ví­ti­ma de uma qua­dri­lha or­ga­ni­za­da”

| SERGIO MORAES/REUTERS

Pa­ren­te du­ran­te ce­rimô­nia de trans­mis­são de car­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.