Se­na­do apro­va Ilan Gold­fajn no co­man­do do BC

Em sa­ba­ti­na, no­vo pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral de­fen­deu a in­fla­ção na me­ta cen­tral, o re­gi­me de câm­bio livre e a au­to­no­mia da au­to­ri­da­de mo­ne­tá­ria

Metro Brazil (ABC) - - Economia -

O ple­ná­rio do Se­na­do apro­vou on­tem a in­di­ca­ção de Ilan Gold­fajn pa­ra pre­si­dir o Ban­co Cen­tral, com 56 vo­tos fa­vo­rá­veis, 13 con­trá­ri­os e uma abs­ten­ção. O eco­no­mis­ta vai subs­ti­tuir Ale­xan­dre Tom­bi­ni.

Du­ran­te sa­ba­ti­na no CAE (Co­mis­são de As­sun­tos Econô­mi­cos) do Se­na­do, Gold­fajn afir­mou que o ob­je­ti­vo da au­to­ri­da­de mo­ne­tá­ria se­rá o de cum­prir ple­na­men­te a me­ta de in­fla­ção “mi­ran­do o seu pon­to cen­tral”, de 4,5%. Ele des­ta­cou que a ma­nu­ten­ção de ní­vel bai­xo e es­tá­vel de in­fla­ção é con­di­ção es­sen­ci­al pa­ra o cres­ci­men­to sus­ten­tá­vel.

Gold­fajn dis­se ain­da que ha­ve­rá “res­pei­to ao re­gi­me de câm­bio flu­tu­an­te”. A de­cla­ra­ção fez o mer­ca­do en­ten­der que o no­vo pre­si­den­te do BC es­ta­ria con­for­tá­vel com o dó­lar abai­xo de R$ 3,50. Com is­so, a mo­e­da nor­te-ame­ri­ca­na re­cu­ou on­tem 1,20%, a R$ 3,4486 na ven­da.

O eco­no­mis­ta tam­bém de­fen­deu a re­cons­ti­tui­ção do tri­pé ma­cro­e­conô­mi­co. “Con­si­de­ro ha­ver pra­ti­ca­men­te con­sen­so de que é pre­ci­so re­cons­truir o quan­to an­tes o tri­pé ma­cro­e­conô­mi­co for­ma­do por res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal, con­tro­le da in­fla­ção e re­gi­me de câm­bio flu­tu­an­te, que per­mi­tiu ao Bra­sil as­cen­der econô­mi­ca e so­ci­al­men­te em pas­sa­do não mui­to dis­tan­te”, dis­se.

Du­ran­te a sa­ba­ti­na, ele afir­mou que é pre­ci­so cri­ar con­di­ções pa­ra a que­da dos ju­ros bá­si­cos da eco­no­mia e que as re­for­mas são um pi­lar pa­ra tan­to. A reu­nião do Co­pom (Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria) do BC pa­ra de­fi­nir a Se­lic te­ve iní­cio on­tem e a de­ci­são se­rá anun­ci­a­da ho­je. A ex­pec­ta­ti­va do mer­ca­do é de que a ta­xa se­rá man­ti­da em 14,25% ao ano.

O no­vo pre­si­den­te não de­ve fa­zer par­te da de­ci­são. Pa­ra que Gold­fajn as­su­ma o car­go, sua no­me­a­ção pre­ci­sa ser pu­bli­ca­da no “Diá­rio Ofi­ci­al” da União, no qual tam­bém sai­rá a exo­ne­ra­ção de Tom­bi­ni.

Pou­co an­tes de dei­xar o Itaú, on­de exer­cia o car­go de eco­no­mis­ta-che­fe até sua in­di­ca­ção ao BC, Gold­fajn via es­pa­ço pa­ra cor­te na Se­lic no se­gun­do se­mes­tre, a par­tir de ju­lho, di­an­te da con­tí­nua me­lho­ra no ba­lan­ço de ris­cos pa­ra a in­fla­ção.

Gold­fajn tam­bém de­fen­deu a au­to­no­mia téc­ni­ca e ope­ra­ci­o­nal do BC, ao in­vés de in­de­pen­dên­cia, pa­ra que te­nha “li­ber­da­de de usar os ins­tru­men­tos pa­ra per­se­guir os ob­je­ti­vos do go­ver­no”. Ele des­ta­cou ain­da que uma di­re­to­ria com­pos­ta por fun­ci­o­ná­ri­os de car­rei­ra e do se­tor pri­va­do é a “com­bi­na­ção ide­al”.

Na sua ava­li­a­ção, a vol­ta do cres­ci­men­to econô­mi­co no fim des­te ano ou no iní­cio de 2017 é fac­tí­vel, mas con­di­ci­o­na­da a me­di­das con­cre­tas, co­mo a apro­va­ção de re­for­mas pe­lo Con­gres­so.

METRO

| MAR­CE­LO CAMARGO/AGÊNCIA BRA­SIL

Gold­fajn em sa­ba­ti­na na CAE do Se­na­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.