Or­gu­lho de ser o que é

Ri­co Da­la­sam lan­ça seu pri­mei­ro dis­co e con­quis­ta o pú­bli­co com mis­tu­ra de rap, gí­ri­as gays e cul­tu­ra afro­bra­si­lei­ra

Metro Brazil (ABC) - - Cultura - BRU­NO BUCIS

Pau­lis­ta de Ta­boão da Ser­ra, Ri­co Da­la­sam, 26, so­nha­va em vi­a­jar de avião e não so­frer pre­con­cei­to quan­do te­ve a co­ra­gem de as­su­mir-se co­mo o pri­mei­ro rap­per gay do Bra­sil, em 2014. Ne­gro e po­bre, ele se acha­va di­fe­ren­te.

Pas­sa­dos ape­nas dois anos, Ri­co ro­dou o Bra­sil (de avião). O can­tor se tor­nou íco­ne, mas so­men­te ago­ra lan­ça o pri­mei­ro dis­co, “Or­gun­ga”. O ob­je­ti­vo do ál­bum é ser­vir co­mo ar­ma pa­ra que vá­ri­os ou­tros jo­vens das pe­ri­fe­ri­as do país con­quis­tem a se­gun­da par­te dos seus ob­je­ti­vos: o fim de to­dos os pre­con­cei­tos.

“Mes­mo nes­ta épo­ca em que mui­ta gen­te se as­so­ci­ou com o re­tro­ces­so, a gen­te con­ti­nua agin­do por con­ta pró­pria e o pú­bli­co con­ti­nua res­pon­den­do bem. Nin­guém po­de ti­rar es­se diá­lo­go com o pú­bli­co de nós”, afir­ma ele.

Da­la­sam afir­ma es­tar “na ou­tra pon­ta da cul­tu­ra que es­tá aí, nos con­cha­vos”. Em “Or­gun­ga” o can­tor pro­va que sua mú­si­ca é di­fe­ren­te, uma união de rap mui­to bem re­mi­xa­do, cul­tu­ra afro­bra­si­lei­ra e gí­ri­as gays (“dar clo­se”, “bee”, “la­crar” e mui­tas ou­tras). A mis­tu­ra dá cer­to.

O som e as le­tras – to­das elas fru­to de com­po­si­ções au­to­rais – são mais ma­du­ras que as do EP “Mo­do Di­ver­so” (2015). Das seis fai­xas do ano pas­sa­do, só uma che­gou ao ál­bum: “Riquís­si­ma”, ago­ra em ver­são re­mix por Mahal Pi­ta (do Bai­a­naSys­tem), que in­se­riu be­rim­baus e ba­ti­das elé­tri­cas às ri­mas de Da­sa­lam.

“Quan­do fiz ‘Riquís­si­ma’ ela era uma vi­são de um lu­gar on­de eu que­ria che­gar. E fun­ci­o­nou qua­se de for­ma pro­fé­ti­ca: vi­a­jar de avião di­re­to, co­nhe­cer ou­tros paí­ses com a mú­si­ca”, diz Ri­co.

A me­lhor fai­xa do CD é a dan­çan­te e ra­di­ofô­ni­ca “Re­ló­gi­os M2” – a me­nos rap das 10 can­ções. En­tre as ri­mas áci­das de Da­la­sam se des­ta­cam “Mi­li Mi­li”, um jo­go de pa­la­vras tão rá­pi­do que soa qua­se inin­te­li­gí­vel, e a se­ten­tis­ta “Nor­te”, que evo­ca Tim Maia.

Em vez de se de­di­car a ar­mas e des­per­dí­cio de di­nhei­ro, o rap­per le­va su­as ri­mas pa­ra o amor em “Dra­ma”, e quan­do fa­la de lu­ta é ape­nas pa­ra que as pes­so­as dei­xem de la­do as ex­clu­sões. “Acei­ta que on­de nin­guém foi / Eu vou tá”, diz no óti­mo sin­gle “Es­se Clo­se Eu Dei”.

| HEN­RI­QUE GRANDI/DIVULGAÇÃO

Rap­per tam­bém é con­si­de­ra­do íco­ne de mo­da

‘OR­GUN­GA’ RI­CO DA­LA­SAM IN­DE­PEN­DEN­TE R$ 10

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.