Cas­sa­ção de Cunha ago­ra vai de­pen­der do ple­ná­rio

Oi­to me­ses de­pois de co­me­çar, o pro­ces­so por que­bra de de­co­ro con­tra o pre­si­den­te da Câ­ma­ra afas­ta­do foi de­ci­di­do on­tem, por 11 vo­tos a 9, e se­gue pa­ra vo­ta­ção do con­jun­to dos de­pu­ta­dos. No fim da tar­de, a Jus­ti­ça man­dou blo­que­ar os bens do pe­e­me­de­bis­ta

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - MAR­CE­LO FREITAS

Fo­ra do man­da­to há 40 di­as, o de­pu­ta­do afas­ta­do Edu­ar­do Cunha (PMDB-RJ) co­me­çou a re­ce­ber si­nais de que a cas­sa­ção po­de ser ine­vi­tá­vel. O Con­se­lho de Éti­ca pôs fim on­tem a um pro­ces­so que du­rou 225 di­as – o mais lon­go da his­tó­ria – e com um des­fe­cho ne­ga­ti­vo: 11 vo­tos pe­la pe­na má­xi­ma con­tra 9 fa­vo­rá­veis a uma pu­ni­ção mais bran­da, ou até mes­mo ab­sol­vi­ção.

Coin­ci­den­te­men­te, o placar era o es­pe­ra­do por Cunha, só que com re­sul­ta­do opos­to. Nas con­tas de­le, não ha­via a mu­dan­ça de po­si­ção de Wla­di­mir Cos­ta (SD-PA) nem o vo­to de­ci­si­vo de Tia Eron (PRB-BA). “Jo­ga­ram pa­ra a Tia Eron uma res­pon­sa­bi­li­da­de que os ‘ho­mens’ da Ca­sa não re­sol­ve­ram”, iro­ni­zou a de­pu­ta­da, fa­lan­do que vo­ta­va com a cons­ci­ên­cia, sem pres­sões.

O re­la­tor do pro­ces­so, Mar­cos Ro­gé­rio (DEM-RO), fir­mou con­vic­ção de que Cunha men­tiu à CPI da Pe­tro­bras ao de­por em mar­ço do ano pas­sa­do e di­zer não ter con­ta no ex­te­ri­or. “Tra­ta-se de uma tra­ma pa­ra mas­ca­rar uma série de cri­mes. Os trus­tes cri­a­dos pe­lo de­pu­ta­do não pas­sam de em­pre­sas de pa­pel, de la­ran­jas de lu­xo”, afir­mou.

Ro­gé­rio re­ve­lou do­cu­men­tos as­si­na­dos pe­lo de­pu­ta­do e cor­res­pon­dên­ci­as so­bre o trus­te en­vi­a­das ao en­de­re­ço de Cunha. “A pa­la­vra se­cre­ta da con­ta é o no­me da mãe do re­pre­sen­ta­do”, fri­sou.

A de­fe­sa se­guiu a li­nha de que os trus­tes não con­fi­gu­ram pa­trimô­nio pes­so­al. “O re­la­tó­rio não pre­ci­sa de 90 pá­gi­nas. Cadê o nú­me­ro da con­ta do meu cli­en­te e o no­me do ban­co?”, ques­ti­o­nou o ad­vo­ga­do Mar­ce­lo No­bre. “É uma in­ven­ci­o­ni­ce, pi­ro­tec­nia. Con­de­nar sem pro­vas é lin­cha­men­to.” Ri­to A de­ci­são de­ve ser pu­bli­ca­da no Diá­rio Ofi­ci­al do Con­gres­so amanhã. De­pois se­rá aberto pra­zo de cin­co di­as úteis pa­ra Cunha re­cor­rer da de­ci­são na CCJ (Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça). Man­ti­do, o pro­ces­so é le­va­do pa­ra o ple­ná­rio, que de­ci­di­rá em vo­ta­ção aber­ta.

Pa­ra cas­sar o man­da­to, são ne­ces­sá­ri­os os vo­tos de pe­lo me­nos 257 dos 513 de­pu­ta­dos. Nú­me­ro in­fe­ri­or le­va ao ar­qui­va­men­to da ação. Con­fi­an­ça Edu­ar­do Cunha di­vul­gou no­ta na qual acu­sa o Con­se­lho de Éti­ca de con­du­zir um pro­ces­so com “par­ci­a­li­da­de e nu­li­da­des gri­tan­tes”, e di­zen­do que te­rá opor­tu­ni­da­de de se de­fen­der na CCJ e no ple­ná­rio. “Re­pi­to: sou ino­cen­te da acu­sa­ção, a mim im­pu­ta­da pe­lo pa­re­cer do Con­se­lho de Éti­ca, de men­tir a uma CPI”, es­cre­veu. Re­per­cus­são O re­sul­ta­do pro­vo­cou frus­tra­ção de ali­a­dos de Cunha, que co­me­ça­ram a tra­ba­lhar na cap­ta­ção de vo­tos no ple­ná­rio. “A cas­sa­ção é a pe­na de mor­te. Se for pa­ra ser pu­ni­do, que se­ja pe­lo STF”, de­fen­deu Car­los Ma­run (PMDB-MS).

“A Câ­ma­ra se­ria o úni­co ór­gão do país a con­si­de­rar a con­du­ta de Cunha acei­tá­vel”, re­ba­teu Ales­san­dro Mo­lon (Re­de-RJ).

O pre­si­den­te in­te­ri­no, Mi­chel Te­mer, evi­tou fa­zer co­men­tá­ri­os so­bre a de­ci­são. “É pre­ci­so aca­bar com o Exe­cu­ti­vo se me­ter nas coi­sas do Le­gis­la­ti­vo e do Ju­di­ciá­rio”, es­qui­vou-se.

| PE­DRO LADEIRA/FO­LHA­PRESS

En­fra­que­ci­do, Cunha ten­ta­rá re­ver­ter de­ci­são no ple­ná­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.