Gra­na diz que ação da Sa­besp é ‘in­ti­mi­da­tó­ria’

Pre­fei­to de San­to An­dré ale­ga que não há mo­ti­vos pa­ra com­pa­nhia es­ta­tal pe­dir a pri­são de­le

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - CADU PROIETI

O pre­fei­to de San­to An­dré, Car­los Gra­na (PT), con­si­de­rou “al­go des­pro­por­ci­o­nal” e uma “me­di­da in­ti­mi­da­tó­ria” o fa­to de o se­tor ju­rí­di­co da Sa­besp (Com­pa­nhia de Sa­ne­a­men­to Am­bi­en­tal do Estado de São Paulo) en­trar com pe­di­do na Jus­ti­ça de pri­são do che­fe do Exe­cu­ti­vo. A em­pre­sa acu­sa o pre­fei­to de des­cum­prir uma or­dem ju­di­ci­al so­bre o ca­so da dí­vi­da da ci­da­de com a com­pa­nhia.

“De­sa­fio a Sa­besp a com­pro­var que co­me­ti al­gum cri­me que mo­ti­ve pe­dir mi­nha pri­são. Na mi­nha vi­são, só de­ve pe­dir pri­são de quem co­me­teu cri­me. E eu não co­me­ti ne­nhum. Es­tou de­fen­den­do o in­te­res­se da po­pu­la­ção de San­to An­dré”, afir­ma Gra­na.

Na edi­ção de on­tem, o Me­tro Jor­nal mos­trou que o cor­po ju­rí­di­co da com­pa­nhia es­ta­du­al pe­de na Jus­ti­ça a pri­são do pre­fei­to. Se­gun­do a em­pre­sa, a pre­fei­tu­ra foi obri­ga­da ju­di­ci­al­men­te, em 2013, a in­cluir no or­ça­men­to anu­al o pa­ga­men­to da dí­vi­da com a Sa­besp. Mas, se­gun­do a em­pre­sa, is­so não vem acon­te­cen­do.

A so­li­ci­ta­ção foi pro­to­co­la­da no dia 23 de se­tem­bro do ano pas­sa­do e en­vi­a­da ao de­sem­bar­ga­dor Da­ni­lo Pa­niz­za, da 1ª Câ­ma­ra de Di­rei­to Pú­bli­co do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça de São Paulo. O ma­gis­tra­do ain­da não deu pa­re­cer so­bre o pe­di­do.

O ju­rí­di­co da em­pre­sa diz que irá rein­te­rar a so­li­ci­ta­ção nes­te mês, já que de­ci­diu en­cer­rar a ne­go­ci­a­ção da dí­vi­da com a ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal, no mês pas­sa­do, por en­ten­der que não hou­ve es­for­ço do mu­ni­cí­pio em pa­gar o mon­tan­te em dé­bi­to.

A que­da de bra­ço en­tre Sa­besp e Pre­fei­tu­ra de San­to An­dré é an­ti­ga. A bri­ga acon­te­ce des­de o fi­nal da dé­ca­da de 1990, quan­do al­guns mu­ni­cí­pi­os, co­mo San­to An­dré, co­me­ça­ram a ques­ti­o­nar na Jus­ti­ça o pre­ço que a Sa­besp co­bra pe­lo me­tro cú­bi­co de água em ata­ca­do, ale­gan­do que o va­lor é abu­si­vo. Por is­so, as pre­fei­tu­ras dei­xa­ram de pa­gar o que con­si­de­ra­vam aci­ma do nor­mal. Is­so acon­te­ce tam­bém em Mauá.

A com­pa­nhia es­ta­du­al diz que a dí­vi­da do Se­ma­sa (Ser­vi­ço de Sa­ne­a­men­to Am­bi­en­tal de San­to An­dré), que dis­tri­buiu água na ci­da­de, com a Sa­besp era de R$ 3,2 bi­lhões até abril.

“Is­so não co­me­çou co­mi­go, vem des­de a dé­ca­da de 1990. É um as­sun­to que vem sen­do dis­cu­ti­do en­tre o po­der pú­bli­co mu­ni­ci­pal e a em­pre­sa. Não é da mi­nha ges­tão. Pas­sa­ram Cel­so Da­ni­el (de 2000 a 2002, quan­do foi as­sas­si­na­do), João Ava­mi­le­no (de 2002 a 2008), Ai­dan Ra­vin (de 2009 a 2012) e eu es­tou pros­se­guin­do na de­fe­sa do mu­ni­cí­pio em âm­bi­to ju­di­ci­al. Pos­so a qual­quer mo­men­to, se hou­ver in­te­res­se da Sa­besp, ne­go­ci­ar. O que não po­de é me im­pu­tar res­pon­sa­bi­li­da­de pes­so­al por uma dis­pu­ta que co­me­çou há mais de 20 anos”, ale­ga Gra­na.

Em no­vem­bro do ano pas­sa­do, a pre­fei­tu­ra, por meio da au­tar­quia mu­ni­ci­pal, en­trou com ação no Ca­de (Con­se­lho Ad­mi­nis­tra­ti­vo de De­fe­sa Econô­mi­ca), que ava­lia con­cor­rên­cia des­le­al en­tre em­pre­sas, ale­gan­do que a Sa­besp co­bra pre­ços abu­si­vos pe­la água em ata­ca­do com o ob­je­ti­vo de en­di­vi­dar os mu­ni­cí­pi­os que ain­da re­a­li­zam o ser­vi­ço de sa­ne­a­men­to e as­su­mir a ges­tão.

So­bre o su­pos­to des­cum­pri­men­to de or­dem ju­di­ci­al, a pre­fei­tu­ra ale­ga que pa­gou à Sa­besp R$ 105 mi­lhões em 2015 e R$ 185 mi­lhões em 2016 pe­la água for­ne­ci­da pe­la es­ta­tal. “O va­lor que pa­ga­mos à Sa­besp é dis­cri­mi­na­do na con­ta de água en­tre­gue aos mu­ní­ci­pes”, diz Gra­na.

| AN­DRÉ AMÉ­RI­CO/AR­QUI­VO ME­TRO

Gra­na diz que her­dou pro­ble­ma de ou­tras ges­tões

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.