TOMARA QUE DEUS SE­JA BRA­SI­LEI­RO

Metro Brazil (ABC) - - Foco - JO­SÉ LUIZ DATENA JOSE.DATENA @ME­TRO­JOR­NAL.COM.BR

Meu pai me con­ta­va – co­mo tan­tos pais con­ta­ram pa­ra seus fi­lhos – o que ele sen­tiu e vi­veu na­que­la tar­de de ju­lho de 1950, quan­do o si­lên­cio co­briu o Ma­ra­ca­nã e os 200 mil bra­si­lei­ros que ali es­ta­vam atô­ni­tos e per­ple­xos di­an­te do gol de Gighia. Uru­guai cam­peão e a tris­te­za se es­pa­lhan­do pe­los 8 mi­lhões de km2 do nos­so ter­ri­tó­rio. Mas sem per­da da dig­ni­da­de. Era o tem­po de Zi­zi­nho, o Le­o­nar­do da Vin­ci da­que­la Co­pa, co­mo re­co­nhe­ceu a im­pren­sa eu­ro­peia.

Ago­ra, o nos­so fu­te­bol nos rou­bou até o di­rei­to à tris­te­za. Não se fi­ca tris­te di­an­te de uma der­ro­ta co­mo aque­les 7 a 1 con­tra a Ale­ma­nha. Nem quan­do dis­pu­ta­mos, sob o co­man­do de um Dun­ga, com o Pe­ru, o Hai­ti e o Equa­dor e vol­ta­mos pa­ra a ca­sa, co­mo acon­te­ceu na pri­mei­ra fa­se des­ta trá­gi­ca Co­pa Amé­ri­ca. Di­an­te de ve­xa­mes co­mo es­tes, fi­ca­mos en­ver­go­nha­dos. E se nos­sa in­dig­na­ção não nos per­mi­te a tris­te­za, tam­bém não se con­tém no si­lên­cio.

Vol­to aos tem­pos de co­lé­gio e me lem­bro de um ve­lho pro­fes­sor de fran­cês, que in­sis­tia num ver­so de Al­fred de Vigny: “Só o si­lên­cio é gran­de...”, re­ci­ta­va ele, en­quan­to con­tá­va­mos os mi­nu­tos pa­ra che­gar ao fim da­que­la len­ga-len­ga e cor­rer pa­ra a pe­la­da na rua em fren­te. Mas o ve­lho mes­tre que me per­doe ou­tra vez. Ago­ra não há mais si­lên­cio pos­sí­vel. A ho­ra é de gri­tar, de pro­tes­tar con­tra o des­ca­la­bro em que se trans­for­mou o fu­te­bol bra­si­lei­ro.

O qua­dro se com­ple­ta quan­do, ao la­do da ir­res­pon­sa­bi­li­da­de, da in­com­pe­tên­cia e da fal­ta de em­pe­nho, sur­ge, cres­ce e se cor­po­ri­fi­ca o que mais nos dei­xa in­dig­na­dos: a cor­rup­ção que in­va­diu o mun­do do nos­so fu­te­bol. Po­de ter cer­te­za: a po­lí­ti­ca cor­rup­ta que do­mi­nou as nos­sas en­ti­da­des che­ga até os cam­pos, con­ta­mi­na o am­bi­en­te, nos pre­ju­di­ca aqui e no ex­te­ri­or.

Quan­do um ra­to co­mo o tal Ma­rin pas­sa seus di­as pre­so, ago­ra nos Es­ta­dos Uni­dos, de­pois de ter di­ri­gi­do a nos­sa CBF – que, aliás, es­tá lon­ge de pas­sar por uma lim­pe­za mo­ral –, po­de­mos en­ten­der até on­de che­gou a tra­gé­dia do nos­so fu­te­bol.

Os re­sul­ta­dos hu­mi­lhan­tes no cam­po não es­tão, por­tan­to, iso­la­dos do des­ca­la­bro ge­ral. O mau de­sem­pe­nho de Dun­ga – eu, par­ti­cu­lar­men­te, nun­ca gos­tei de­le – não é, cer­ta­men­te, a úni­ca ra­zão de nos­sos ve­xa­mes To­da es­sa cons­tru­ção se as­sen­ta nu­ma ba­se po­dre. É pre­ci­so ca­var fun­do aí pa­ra en­con­trar ba­ses só­li­das e sau­dá­veis, que pos­sam sus­ten­tar um tra­ba­lho efi­ci­en­te – co­mo há mui­to tem­po não ve­mos.

Tro­car o Dun­ga era ne­ces­sá­rio. Ti­te é bem-vin­do. Mas, de­bai­xo do ta­pe­te ver­de, pu­se­ram su­jei­ra de­mais. Va­mos à fa­xi­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.