Cli­en­te da Oi não po­de ter ser­vi­ço in­ter­rom­pi­do

Metro Brazil (ABC) - - Economia -

Mes­mo após en­trar no pe­di­do de re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al, com dí­vi­das de R$ 65 bi­lhões, a Oi tem o de­ver de con­ti­nu­ar aten­den­do o con­su­mi­dor de for­ma inin­ter­rup­ta. En­ti­da­des de de­fe­sa do con­su­mi­dor aler­tam que os cer­ca de 70 mi­lhões de cli­en­tes da ope­ra­do­ra de­vem fi­car aten­tos à qua­li­da­de dos ser­vi­ços e re­la­tar pro­ble­mas à Ana­tel (Agên­cia Na­ci­o­nal de Te­le­co­mu­ni­ca­ções).

Em en­tre­vis­ta à Band News FM, a su­per­vi­so­ra ins­ti­tu­ci­o­nal da Pro­tes­te, Sô­nia Ama­ro, lem­brou que o seg­men­to de te­le­fo­nia é lí­der de re­cla­ma­ções nos ór­gãos de pro­te­ção ao con­su­mi­dor. Ela ori­en­ta os cli­en­tes a bus­ca­rem ou­tras op­ções no mer­ca­do, ca­so te­nham re­ceio de fi­car sem aten­di­men­to da Oi.

O Pro­con-SP es­cla­re­ceu que o ser­vi­ço não po­de ser pre­ju­di­ca­do e ori­en­ta ao con­su­mi­dor, se ob­ser­var fa­lhas ou pro­ble­mas, re­gis­trar re­cla­ma­ções jun­to ao ór­gão de sua ci­da­de e à Ana­tel. “A em­pre­sa de­ve man­ter o for­ne­ci­men­to do ser­vi­ço e o aten­di­men­to ao con­su­mi­dor, prin­ci­pal­men­te no que se re­fe­re a can­ce­la­men­to e por­ta­bi­li­da­de”, diz.

A Oi ga­ran­tiu, em co­mu­ni­ca­do, que os con­su­mi­do­res não se­rão afe­ta­dos. A Ana­tel dis­se que vai ado­tar ações es­pe­cí­fi­cas de fis­ca­li­za­ção que as­se­gu­rem a ma­nu­ten­ção das con­di­ções ope­ra­ci­o­nais das em­pre­sas e a pro­te­ção dos usuá­ri­os.

O mi­nis­tro Eli­seu Pa­di­lha (Ca­sa Ci­vil) afir­mou que não há uma ma­ni­fes­ta­ção do go­ver­no de in­ter­fe­rir di­re­ta­men­te no ca­so da Oi. Ele des­car­tou ain­da a pos­si­bi­li­da­de de o go­ver­no en­trar di­re­ta­men­te com re­cur­sos fi­nan­cei­ros na com­pa­nhia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.