BC diz ser pos­sí­vel bai­xar in­fla­ção a 4,5% até 2017

Pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral afir­ma que me­ta é am­bi­ci­o­sa e crí­vel. Au­to­ri­da­de mo­ne­tá­ria pre­vê al­ta do IPCA de 6,9% em 2016 e de 4,7% no ano que vem

Metro Brazil (ABC) - - Economia -

O pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral, Ilan Gold­fajn, afir­mou on­tem que não há ne­ces­si­da­de de ajus­tar a me­ta de in­fla­ção de 2017, uma vez que as ex­pec­ta­ti­vas da au­to­ri­da­de mo­ne­tá­ria pa­ra o pró­xi­mo ano es­tão em tor­no do cen­tro do ob­je­ti­vo.

“O cen­tro da me­ta em 2017 é (me­ta) am­bi­ci­o­sa e crí­vel ao mes­mo tem­po”, de­fen­deu Gold­fajn, em sua pri­mei­ra en­tre­vis­ta após as­su­mir o co­man­do do BC.

No Re­la­tó­rio Tri­mes­tral de In­fla­ção, di­vul­ga­do on­tem, o BC pre­vê, pe­lo ce­ná­rio de re­fe­rên­cia, al­ta do IPCA de 4,7% no ano que vem. Pa­ra 2016, a au­to­ri­da­de mo­ne­tá­ria au­men­tou sua con­ta pa­ra o avan­ço da in­fla­ção a 6,9%.

O cen­tro da me­ta de in­fla­ção é de 4,5% nes­te ano e em 2017. Pa­ra 2016, a mar­gem é de 2 pon­tos per­cen­tu­ais pa­ra mais ou me­nos e, no ano se­guin­te, de 1,5 pon­to.

Se­gun­do Gold­fajn, a pro­je­ção de in­fla­ção do BC pa­ra 2017 ain­da não foi exa­ta­men­te no cen­tro da me­ta no re­la­tó­rio por­que a ex­pec­ta­ti­va pa­ra o IPCA au­men­tou em 2016 e por pre­o­cu­pa­ções com pre­ços agrí­co­las.

O pre­si­den­te do BC dis­se ain­da que es­tão sen­do cri­a­das con­di­ções pa­ra que a Se­lic, que es­tá em 14,25% ao ano des­de ju­lho pas­sa­do, se­ja re­du­zi­da. Gold­fajn des­ta­cou, en­tre ou­tros pon­tos, a ne­ces­si­da­de de apro­va­ção de me­di­das fis­cais pe­lo Con­gres­so. “Es­ta­mos cri­an­do con­di­ções pa­ra a re­du­ção da ta­xa de ju­ros. To­dos nós es­pe­ra­mos que as con­di­ções se apre­sen­tem pa­ra a fle­xi­bi­li­za­ção das con­di­ções mo­ne­tá­ri­as”, afir­mou.

No re­la­tó­rio, o BC re­a­fir­mou que não há con­di­ções de re­du­zir a ta­xa bá­si­ca de ju­ros ain­da. O ce­ná­rio cen­tral “não per­mi­te tra­ba­lhar com a hi­pó­te­se de fle­xi­bi­li­za­ção das con­di­ções mo­ne­tá­ri­as”, des­ta­ca o do­cu­men­to.

Im­pac­tos do Bre­xit

Gold­fajn afir­mou ain­da en­xer­gar ris­co ne­ga­ti­vo pa­ra a in­fla­ção li­ga­do a pre­o­cu­pa­ções glo­bais, cha­man­do a aten­ção pa­ra a de­ci­são re­cen­te do Rei­no Uni­do pe­la saí­da da União Eu­ro­peia. “Te­mos o Bre­xit que, no cur­to pra­zo, es­tá sen­do con­ti­do pe­los ban­cos cen­trais, mas te­mos o im­pac­to de mé­dio e lon­go pra­zo no cres­ci­men­to. Cres­ci­men­to é de­sa­fio glo­bal”, dis­se.

Câm­bio

So­bre câm­bio, Gold­fajn as­si­na­lou que o BC “apre­cia” o re­gi­me de câm­bio flu­tu­an­te den­tro do tri­pé ma­cro­e­conô­mi­co, mas que po­de­rá usar com “par­cimô­nia” to­das as fer­ra­men­tas das quais dis­põe sem­pre que jul­gar ne­ces­sá­rio, in­clu­si­ve pa­ra re­du­zir o es­to­que de swaps cam­bi­ais.

| ADRIANO MACHADO/REUTERS

Gold­fajn: go­ver­no es­tá cri­an­do con­di­ções pa­ra cor­tar Se­lic

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.