Qu­a­dri­nhos à ita­li­a­na

Mos­tra no CCSP tra­ça pa­no­ra­ma da pro­du­ção de HQs dos wes­terns dos anos 1950 até plu­ra­li­da­de de hoje

Metro Brazil (ABC) - - Cultura -

Das escolas de qu­a­dri­nhos oci­den­tais, a ita­li­a­na é uma das mais pro­lí­fi­cas. É es­sa ex­ten­sa e va­ri­a­da pro­du­ção que ocu­pa o Cen­tro Cul­tu­ral São Paulo a par­tir des­ta ter­ça-fei­ra com a ex­po­si­ção Co­mics Que Pai­xão! – Qu­a­dri­nhos ita­li­a­nos de 1950 até hoje.

Cer­ca de 70 tra­ba­lhos se­rão expostos, re­ve­lan­do a plu­ra­li­da­de te­má­ti­ca que atraiu os ar­tis­tas ita­li­a­nos da área em es­pe­ci­al após a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al. “São qu­a­dri­nhos mui­to di­fe­ren­tes uns dos ou­tros. Nos anos 1930, eles bus­ca­vam ser co­mo os ame­ri­ca­nos, mas, pou­co a pou­co, se trans­for­ma­ram em uma es­co­la que co­me­çou a ex­por­tar obras pa­ra to­do o mun­do”, diz o cu­ra­dor Mau­ri­zio Scu­di­e­ro, res­pon­sá­vel por mon­tar a mos­tra sob en­co­men­da pa­ra o Ins­ti­tu­to Ita­li­a­no di Cul­tu­ra de São Paulo.

Ca­da dé­ca­da ex­pos­ta no CCSP é mar­ca­da por um nor­te te­má­ti­co di­fe­ren­te.

Os fa­ro­es­tes ga­nham for­ça nos anos 1950, sen­do “Tex” seu prin­ci­pal íco­ne. O per­so­na­gem cri­a­do por Gi­o­van­ni Lui­gi Bo­nel­li e Au­re­lio Gal­le­pi­ni che­gou a in­flu­en­ci­ar a cri­a­ção do wes­tern spaghet­ti, gê­ne­ro ci­ne­ma­to­grá­fi­co cri­a­do por Ser­gio Le­o­ne (19291989), que ro­da­va fa­ro­es­tes na Itália. “Ele de­cla­rou vá­ri­as ve­zes ter cres­ci­do len­do ‘Tex’ e pen­sa­va ser pos­sí­vel le­var a mes­ma ideia pa­ra o ci­ne­ma, mas com ou­tras co­or­de­na­das. Va­le lem­brar que os gi­bis eram fenô­me­nos de mas­sa!”

Na dé­ca­da se­guin­te, as his­tó­ri­as po­li­ci­ais e de cli­ma noir ga­nham vez, en­quan­to o ero­tis­mo in­va­de os anos 1970 e 1980, em es­pe­ci­al na fi­gu­ra de “Va­len­ti­na”, de Gui­do Cre­pax. “O ero­tis­mo es­ta­va em tu­do na­que­la épo­ca, com mu­lhe­res nu­as nas ca­pas de re­vis­tas sé­ri­as. Fa­zia sen­ti­do que ele che­gas­se às HQs tan­to em obras mui­to for­tes, que che­ga­vam a ser proi­bi­das, co­mo no tra­ço mui­to re­fi­na­do de Mi­lo Ma­na­ra e Gui­do Cre­pax”, afir­ma Scu­di­e­ro.

Dos anos 1990 em di­an­te, o nú­me­ro de ar­tis­tas cres­ce e vá­ri­os de­les co­me­çam a de­se­nhar he­róis pa­ra as ame­ri­ca­nas Mar­vel e DC Co­mics.

“Es­sa é uma de­mons­tra­ção da mai­or qua­li­da­de que o tra­ba­lho as­su­me, mui­to mais bo­ni­to ago­ra que nos anos 1940, che­gan­do a dis­pu­tar prê­mi­os li­te­rá­ri­os”, con­clui o cu­ra­dor. ME­TRO

| DIVULGAÇÃO

Per­so­na­gem Va­len­ti­na, de Gui­do Cre­pax, re­pre­sen­ta le­va de his­tó­ri­as eró­ti­cas que ga­nha for­ça em ál­buns na Itália nos anos 1970 e 1980

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.