Com um ano de de­mo­li­ção, Best se­gue co­mo in­cóg­ni­ta

Sím­bo­lo de aban­do­no por mui­tos anos no ABC, an­ti­go es­pa­ço co­mer­ci­al em São Ber­nar­do ain­da não tem des­ti­na­ção de­fi­ni­da

Metro Brazil (ABC) - - Foco - CADU PROIETI

Um ano após a de­mo­li­ção, o Best Shop­ping, em São Ber­nar­do, se­gue co­mo uma in­cóg­ni­ta na ci­da­de. Aban­do­na­do por apro­xi­ma­da­men­te 15 anos, des­de a sua fa­lên­cia, o es­pa­ço co­me­çou a ser der­ru­ba­do em ju­nho do ano pas­sa­do e ain­da hoje abri­ga má­qui­nas que tra­ba­lham na re­ti­ra­da dos es­com­bros do an­ti­go edi­fí­cio. A no­va uti­li­za­ção da área tam­bém não foi de­fi­ni­da ain­da.

A re­por­ta­gem es­te­ve no es­pa­ço nes­ta se­ma­na e viu o lo­cal cer­ca­do por pla­cas de alu­mí­nio e com re­tro­es­ca­va­dei­ra pa­ra­da no in­te­ri­or. Não fo­ram vis­tos se­gu­ran­ças no es­pa­ço nem tra­ba­lha­do­res no lo­cal, que acu­mu­la mui­tas pedras que res­ta­ram da de­mo­li­ção.

Quan­do o pro­ces­so foi ini­ci­a­do, há um ano, a previsão era tér­mi­nar os tra­ba­lhos em 50 di­as. Na épo­ca, a pre­fei­tu­ra anun­ci­ou que o con­cre­to re­sul­tan­te des­te pro­ces­so se­ria re­a­pro­vei­ta­do em no­vas obras.

Inau­gu­ra­do em 1987, o shop­ping fi­cou aber­to por 12 anos e fa­liu em fun­ção da ina­dim­plên­cia dos pro­pri­e­tá­ri­os. Os lo­jis­tas eram do­nos das pró­pri­as uni­da­des, o que di­fi­cul­tou e pos­ter­gou pos­sí­veis so­lu­ções pa­ra o an­ti­go em­pre­en­di­men­to. Ao to­do, eram 222 lo­jas den­tro do com­ple­xo co­mer­ci­al.

Em 2011 foi ini­ci­a­do o pro­ces­so de uni­fi­ca­ção das ma­trí­cu­las, o que per­mi­tiu a to­ma­da de de­ci­sões pa­ra re­sol­ver o pro­ble­ma do imó­vel.

Mes­mo pas­sa­do um ano do iní­cio da de­mo­li­ção, ain­da não se sa­be o que se­rá fei­to com o ter­re­no de 8 mil me­tros qua­dra­dos lo­ca­li­za­do na ave­ni­da Ba­rão de Mauá, no bair­ro Chá­ca­ra In­gle­sa.

“Ain­da es­ta­mos ti­ran­do os es­com­bros e não há de­fi­ni­ção dos pro­pri­e­tá­ri­os pa­ra sa­ber o que vai fa­zer. A gen­te não es­tá nem em fa­se de pro­je­to”, dis­se o ad­mi­nis­tra­dor do em­pre­en­di­men­to e ad­vo­ga­do, Mar­cos Ale­xan­dre.

Mais se­gu­ran­ça

Du­ran­te a ina­ti­vi­da­de do pré­dio do Best, o lo­cal che­gou a ser pon­to pa­ra uso de dro­gas e até ter ca­sos de es­tu­pro den­tro do edi­fí­cio aban­do­na­do.

Vi­zi­nha do es­pa­ço, a do­na de ca­sa Cé­lia Ju­lio Co­ne­jo, 66 anos, diz que se sen­te mais se­gu­ra depois da de­mo­li­ção do pré­dio. “An­tes eu não pas­sa­va por aqui por me­do, já me dis­se­ram que já te­ve es­tu­pro. Aqui ti­nha tam­bém mui­tos dro­ga­dos. Ago­ra é tran­qui­lo, se ti­ver que pas­sar 22h, 23h, pas­so numa boa.”

Pa­ra Cé­lia, o vi­su­al do bair­ro tam­bém te­ve me­lho­ria com a de­mo­li­ção. “O que mais me in­co­mo­da­va na ver­da­de era a feiu­ra da­que­le pré­dio aban­do­na­do”, afir­ma.

| TI­A­GO SIL­VA/ME­TRO ABC

Atu­al­men­te, es­com­bros ain­da são re­ti­ra­dos do es­pa­ço

| AN­DRÉ AMERICO/ARQUIVO ME­TRO

An­ti­go edi­fí­cio do Best, em 2010

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.