Fa­rol bai­xo nas es­tra­das pas­sa a ser obri­ga­tó­rio

Tra­fe­gar com a luz des­li­ga­da em ro­do­vi­as de to­do o país su­jei­ta­rá o mo­to­ris­ta a mul­ta de R$ 85,13 e per­da de qua­tro pon­tos na car­tei­ra de ha­bi­li­ta­ção a par­tir de hoje

Metro Brazil (ABC) - - Foco -

A par­tir de hoje, quem tra­fe­gar em ro­do­vi­as de to­do o país e tú­neis du­ran­te o dia sem usar o fa­rol bai­xo es­ta­rá su­jei­to a mul­ta de R$ 85,13 e per­da de qua­tro pon­tos na car­tei­ra de mo­to­ris­ta.

A re­gra va­le in­clu­si­ve pa­ra vi­as em tre­chos ur­ba­nos, co­mo no ca­so da An­chi­e­ta e Imi­gran­tes no ABC.

Ela foi edi­ta­da há um mês e meio e os mo­to­ris­tas ti­ve­ram 45 di­as pa­ra se adap­tar. Ago­ra, a mul­ta é pa­ra va­ler. À noi­te, o uso do fa­rol bai­xo já era obri­ga­tó­rio.

Um pon­to im­por­tan­te, res­sal­ta­do pe­lo Mi­nis­té­rio das Ci­da­des, que edi­tou por­ta­ria so­bre a no­va nor­ma, é que fa­róis de ne­bli­na, de mi­lha, ou fa­ro­le­tes –a lan­ter­na–, não cum­prem a fun­ção exi­gi­da pe­la lei.

A in­ten­ção com a no­va nor­ma é evi­tar aci­den­tes. “O car­ro pas­sa a ser mais vi­sí­vel pe­los ou­tros mo­to­ris­tas”, dis­se Vi­vi­a­ne Ri­ve­li, ge­ren­te da área de se­gu­ran­ça da Ar­tesp (agência pau­lis­ta re­gu­la­do­ra de con­ces­sões de es­tra­das).

“Os ou­tros mo­to­ris­tas te olham pe­lo es­pe­lho re­tro­vi­sor e pas­sam a te en­xer­gar com mais fa­ci­li­da­de”, dis­se Vi­vi­a­ne.

No ca­so de quem vem atrás, a me­di­da tam­bém aju­da, afir­mou. “Quan­do vo­cê li­ga o fa­rol bai­xo, as lan­ter­nas tra­sei­ras fi­cam ace­sas, dan­do mai­or vi­si­bi­li­da­de a quem es­tá atrás de vo­cê”, ex­pli­ca ela.

A di­ca da Ar­tesp aos mo­to­ris­tas é, ao ligar o car­ro e co­lo­car o cin­to de se­gu­ran­ça, já acen­der tam­bém o fa­rol. O há­bi­to que re­for­ça a se­gu­ran­ça po­de ser ado­ta­do nas ci­da­des. ME­TRO

| LU­CI­A­NO CLAUDINO/FO­LHA­PRESS

Pai­néis de es­tra­das avi­sa­ram so­bre no­va re­gra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.