Ban­co clan­des­ti­no ope­ra 71 con­tas sus­pei­tas, diz MPF

PF ou­ve se­te agen­tes do FPB Bank, que atu­a­va no Brasil sem aval ofi­ci­al e usa­va ser­vi­ço da Mos­sack Fon­se­ca, al­vo do Pa­na­ma Pa­pers

Metro Brazil (ABC) - - Brasil - RAFAEL NE­VES

Se­te re­pre­sen­tan­tes de um ban­co do Pa­na­má com uma fi­li­al clan­des­ti­na no Brasil fo­ram obri­ga­dos on­tem a de­por à PF (Po­lí­cia Fe­de­ral) na 32ª fa­se da La­va Ja­to.

Cha­ma­da de ‘Ca­ça-fan­tas­mas’, a eta­pa mira o FPB Bank, que abriu pe­lo me­nos 71 con­tas sus­pei­tas no ex­te­ri­or. O ban­co exis­te ofi­ci­al­men­te no Pa­na­má, mas, se­gun­do a PF, ope­ra­va no Brasil sem aval do Ban­co Cen­tral.

De acor­do com as in­ves­ti­ga­ções, os agen­tes do FPB no Brasil atu­a­vam em um es­cri­tó­rio em São Pau­lo, de on­de en­vi­a­ri­am di­nhei­ro dos cli­en­tes pa­ra fo­ra do país e o es­con­di­am em con­tas re­gis­tra­das em no­me de offsho­res.

A PF des­co­briu 44 offsho­res aber­tas a pe­di­do do FPB pe­la em­pre­sa Mos­sack Fon­se­ca. In­ves­ti­ga­da no es­cân­da­lo ‘Pa­na­ma Pa­pers’ por abrir mi­lha­res de offsho­res se­cre­tas pe­lo mun­do, a Mos­sack apa­re­ceu na 22ª fa­se da La­va Ja­to, em ja­nei­ro. Na­que­las apre­en­sões, a PF des­co­briu um te­le­fo­ne voIP crip­to­gra­fa­do que os agen­tes da Mos­sack usa­vam pa­ra fa­lar com os do ban­co so­bre aber­tu­ra de con­tas.

Na oca­sião, a PF re­ve­lou que uma offsho­re aber­ta pe­la Mos­sack era do­na de um trí­plex no mes­mo con­do­mí­nio no Gu­a­ru­já (SP) on­de a OAS te­ria re­ser­va­do imó­vel ao ex-pre­si­den­te Lu­la. Qua­tro en­vol­vi­dos na La­va Ja­to (os ex-di­ri­gen­tes da Pe­tro­bras Re­na­to Du­que e Pe­dro Ba­rus­co e os ope­ra­do­res Mario Góes e Ro­ber­to Trom­be­ta) de­po­si­ta­ram pro­pi­nas da Pe­tro­bras em con­tas aber­tas pe­la Mos­sack.

“Não é ra­zoá­vel que al­guém bus­que ban­co sem au­to­ri­za­ção no Brasil; no mí­ni­mo, pa­ra fins du­vi­do­sos”, diz o de­le­ga­do Ro­dri­go San­fur­go.

Ain­da não se sa­be quem são os be­ne­fi­ciá­ri­os das 71 con­tas, nem quan­to di­nhei­ro a fi­li­al do FPB mo­vi­men­tou.

Um dos se­te agen­tes do FPB Bank no Brasil é Nelson Fan­ton, tio do de­le­ga­do Má­rio Fan­ton, que acu­sou a cú­pu­la da PF de ins­ta­lar um gram­po na ce­la do do­lei­ro Al­ber­to Yous­sef em 2014. A PF in­for­ma que o ca­so es­tá com a cor­re­ge­do­ria em Bra­sí­lia.

Ape­sar de o FPB só fun­ci­o­nar le­gal­men­te no Pa­na­má, o si­te do ban­co ofe­re­ce na­ve­ga­ção em por­tu­guês. Na pá­gi­na, o FPB in­for­ma que seu aci­o­nis­ta “per­ten­ce à se­gun­da ge­ra­ção de uma fa­mí­lia bra­si­lei­ra de ban­quei­ros”, e a mai­or par­te da di­re­to­ria tam­bém é de bra­si­lei­ros.

| REPRODUÇÃO

Ape­sar de ban­co ser pa­na­me­nho, si­te tem op­ção em por­tu­guês

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.