Adeus, Ka­ram

Lu­to. Ator que in­ter­pre­tou o icô­ni­co Ze­ca Bor­do­a­da, da ‘TV Pi­ra­ta’, mor­reu on­tem aos 58 anos. Ele lu­ta­va con­tra uma do­en­ça de­ge­ne­ra­ti­va

Metro Brazil (ABC) - - Cultura -

Após dois anos de in­ter­na­ção, mor­reu na ma­nhã de on­tem o ator Gui­lher­me Ka­ram, aos 58 anos. Ele ti­nha a sín­dro­me de Ma­cha­do-Jo­seph, do­en­ça de­ge­ne­ra­ti­va que lhe foi pas­sa­da pe­la mãe. O ator, fa­mo­so prin­ci­pal­men­te por seus pa­péis no hu­mo­rís­ti­co “TV Pi­ra­ta”, da TV Glo­bo, co­me­çou a sen­tir os efei­tos da sín­dro­me há 11 anos.

O ar­tis­ta era fi­lho do al­mi­ran­te Al­fre­do Ka­ram, mi­nis­tro no go­ver­no João Fi­guei­re­do (1979-1985). Ele es­ta­va in­ter­na­do ha­via dois anos no Hos­pi­tal Na­val Mar­cí­lio Di­as, no Rio, que aten­de mi­li­ta­res da Ma­ri­nha e seus fa­mi­li­a­res. Ka­ram já não ti­nha mo­vi­men­tos no cor­po.

Os ou­tros três ir­mãos do ator já apre­sen­ta­ram a do­en­ça – dois mor­re­ram e uma ir­mã tam­bém es­tá com sin­to­mas.

Nas re­des so­ci­ais, ami­gos la­men­ta­ram a mor­te do ator. “Nos­so abra­ço à fa­mí­lia e ami­gos de Gui­lher­me Ka­ram. Eter­na gra­ti­dão por dar vi­da ao íco­ne Ze­ca Bor­do­a­da”, es­cre­veu o hu­mo­ris­ta e ator Hé­lio de La Peña, no Twit­ter. “Mais uma es­tre­la no céu, ao la­do de mui­tos ou­tros ami­gos que­ri­dos. Des­can­se em paz”, es­cre­veu a atriz Ze­zé Mot­ta.

Ka­ram ini­ci­ou a car­rei­ra na dé­ca­da de 1980 e lo­go se des­ta­cou em pa­péis cô­mi­cos, co­mo no hu­mo­rís­ti­co “TV Pi­ra­ta”, on­de in­ter­pre­ta­va di­ver­sos per­so­na­gens, in­cluin­do o ir­re­ve­ren­te Ze­ca Bor­do­a­da. Tam­bém fez no­ve­las co­mo “Meu Bem, Meu Mal” (1990), “O Clo­ne” (2001) e “Amé­ri­ca” (2005) – seu úl­ti­mo tra­ba­lho –, as du­as úl­ti­mas da autora Gló­ria Perez, de quem era ami­go.

No ci­ne­ma, atu­ou em fil­mes co­mo “Rock Es­tre­la” e “O Ho­mem da Ca­pa Pre­ta”, e con­quis­tou o público in­fan­til in­ter­pre­tan­do os vi­lões de “Su­per Xu­xa con­tra o Bai­xo As­tral” e “Xu­xa e os Du­en­des 1 e 2”.

“Meu me­lhor e mais que­ri­do ami­go. Aqui de Lis­boa leio que ele se foi. To­dos co­nhe­cem a di­men­são do ar­tis­ta que ele era: múl­ti­plo, in­ten­so, com­ple­to. Mas mui­to pou­cos sa­bem o ta­ma­nho do ser hu­ma­no, a al­ma de­li­ca­da, so­li­dá­ria, ca­paz de gran­des e ge­ne­ro­sos ges­tos. Ami­go mais do que ami­go – ir­mão. O mun­do fi­ca mui­to mais tris­te sem vo­cê...” GLÓ­RIA PEREZ, AUTORA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.