NÃO QU­E­RO ACRE­DI­TAR...

Metro Brazil (ABC) - - Foco - JO­SÉ LUIZ DATENA JOSE.DATENA @ME­TRO­JOR­NAL.COM.BR

A Ope­ra­ção La­va Ja­to, na sua 32ª fa­se de in­ves­ti­ga­ção, mos­tra que não ha­ve­rá tré­gua, ao con­trá­rio do que mui­tos es­pe­ra­vam e al­guns ain­da es­pe­ram. Mes­mo em épo­ca de re­ces­so da Jus­ti­ça, as ações da Po­lí­cia Fe­de­ral e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co vão con­ti­nu­ar e cres­cer, o que vem au­men­tan­do as ex­pec­ta­ti­vas e as ten­sões, não só em Brasília.

No meu pos­to na TV, de on­de di­a­lo­go in­ten­sa­men­te com o te­les­pec­ta­dor – e sem­pre ins­pi­ra­do no in­te­res­se pú­bli­co – sin­to di­a­ri­a­men­te o termô­me­tro da in­dig­na­ção po­pu­lar. E da es­pe­ran­ça tam­bém.

E pos­so ga­ran­tir que a es­pe­ran­ça cres­ce, quan­do – de­pois de sé­cu­los tes­te­mu­nhan­do a im­pu­ni­da­de de ri­cos e po­de­ro­sos –, o po­vo fi­nal­men­te co­me­ça a ver cor­rup­tos, an­tes in­to­cá­veis, sen­do con­du­zi­dos pa­ra o seu lu­gar de­vi­do: a ca­deia. Es­se é um re­sul­ta­do sau­dá­vel da te­se da pri­são após o jul­ga­men­to em se­gun­da ins­tân­cia, atu­al­men­te em vi­gor no Bra­sil.

Fi­ca cla­ro que es­tou fa­lan­do aqui de um ins­tru­men­to fun­da­men­tal pa­ra a efi­ci­ên­cia da La­va Ja­to. Sem ele, os re­cur­sos in­ter­mi­ná­veis, pa­gos a pre­ço de ou­ro a gran­des ad­vo­ga­dos, vão pro­lon­gan­do os pro­ces­sos e man­ten­do os ban­di­dos em li­ber­da­de. Con­fi­gu­ra­va-se as­sim a si­tu­a­ção que deu ao Bra­sil a má fa­ma, his­to­ri­ca­men­te jus­ti­fi­ca­da, de país da im­pu­ni­da­de.

Es­sa tris­te – e ver­go­nho­sa – his­tó­ria foi in­ter­rom­pi­da há pou­co tem­po por uma sá­bia de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal, que, por 7 vo­tos a 4, agre­diu a tra­di­ci­o­nal far­ra dos cor­rup­tos, ado­tan­do a pri­são após a con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia. Quer apre­sen­tar re­cur­so? Tu­do bem, mas vis­ta o uni­for­me de pre­si­diá­rio e aguar­de o re­sul­ta­do na ca­deia.

Es­sa é a si­tu­a­ção atu­al, que o po­vo aplau­de – e eu tam­bém – mas que não é de­fi­ni­ti­va. Vai ser re­dis­cu­ti­da no Su­pre­mo, pro­va­vel­men­te em agos­to. A no­tí­cia de que a ma­té­ria vol­ta­rá ao ple­ná­rio do STF tem pro­vo­ca­do dú­vi­das. Se­rá que aque­la de­ci­são, que ater­ro­ri­zou e ater­ro­ri­za os cor­rup­tos, vai ser mu­da­da? O mes­mo ple­ná­rio da­ria uma de­ci­são di­fe­ren­te? Re­tro­ces­so à vis­ta? Não qu­e­ro acre­di­tar... E te­nho enor­me di­fi­cul­da­de em fa­zer es­ta úl­ti­ma per­gun­ta, que in­clui to­das as ou­tras, tor­cen­do, é cla­ro, pa­ra que a res­pos­ta se­ja ne­ga­ti­va: vol­ta­re­mos a ser o mes­mo país da im­pu­ni­da­de?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.