Re­cei­ta mira ban­ca de ad­vo­ca­cia por re­pas­se de pro­pi­na

Re­cen­tes ope­ra­ções Abis­mo e Cus­to Bra­sil re­ve­la­ram la­va­gem de di­nhei­ro dis­far­ça­da de ser­vi­ços ad­vo­ca­tí­ci­os. Pa­ra au­di­to­res do Fis­co, frau­de é di­fí­cil de de­tec­tar

Metro Brazil (ABC) - - Brasil - RA­FA­EL NE­VES ME­TRO CU­RI­TI­BA

As in­ves­ti­ga­ções da La­va Ja­to têm mos­tra­do que a “con­sul­to­ria” é o meio mais po­pu­lar de la­var di­nhei­ro. O be­ne­fi­ciá­rio usa uma em­pre­sa pa­ra re­ce­ber os va­lo­res – ge­ral­men­te de uma em­prei­tei­ra – em tro­ca de fal­sos ser­vi­ços de con­sul­to­ria.

Mas ou­tro mé­to­do tem cha­ma­do aten­ção: en­tre a La­va Ja­to e uma de su­as ope­ra­ções de­ri­va­das, a Cus­to Bra­sil, qua­tro es­cri­tó­ri­os de ad­vo­ca­cia te­ri­am si­do usa­dos pa­ra re­pas­sar pro­pi­na.

Dois ca­sos sur­gi­ram nas úl­ti­mas se­ma­nas. O ex-mi­nis­tro Pau­lo Ber­nar­do foi pre­so na Cus­to Bra­sil por sus­pei­ta de ar­re­ca­dar R$ 7,6 mi­lhões pe­lo es­cri­tó­rio do ad­vo­ga­do Gui­lher­me Gonçalves. Am­bos ne­gam a acu­sa­ção, em­bo­ra Gonçalves te­nha con­fes­sa­do ter pa­go des­pe­sas ao pe­tis­ta.

Já na úl­ti­ma se­gun­da, a La­va Ja­to re­ve­lou que o Con­sór­cio No­vo Cen­pes – cen­tro de pes­qui­sas da Pe­tro­bras no Rio – pa­gou R$ 2 mi­lhões ao ex-te­sou­rei­ro do PT Pau­lo Fer­rei­ra atra­vés dos es­cri­tó­ri­os de Alexandre Ro­ma­no, Ro­ber­to Trom­be­ta e Ro­dri­go Mo­ra­les.

Os três con­fes­sa­ram a frau­de em de­la­ção. Ro­ma­no dis­se que pres­ta­va os ser­vi­ços, mas os su­per­fa­tu­ra­va pa­ra in­cluir a pro­pi­na. Já o es­cri­tó­rio de Mo­ra­les la­vou R$ 700 mil ao con­sór­cio No­vo Cen­pes sem con­tra­par­ti­da. “Na mai­o­ria dos ser­vi­ços con­tra­ta­dos não hou­ve­ram [sic] a de­vi­da pres­ta­ção dos mes­mos, se­não ‘pró-for­ma’, com o úni­co in­tui­to de ge­rar di­nhei­ro em es­pé­cie”, de­cla­rou Mo­ra­les.

O uso de ban­cas de ad­vo­ca­cia pa­ra la­var pro­pi­na é re­la­ti­va­men­te no­vo, se­gun­do a equi­pe da Re­cei­ta que atua na La­va Ja­to. “Mui­tas ve­zes o pró­prio es­cri­tó­rio, pra não se en­vol­ver no es­que­ma, só ori­en­ta a fa­zer um es­que­ma ilí­ci­to. Mas não par­ti­ci­pa ati­va­men­te. E nes­ses ca­sos [Con­sist e Cen­pes] fi­ca evi­den­te a par­ti­ci­pa­ção ati­va, is­so pa­ra nós já é uma no­vi­da­de”, diz o au­di­tor Ro­ber­to Le­o­nel de Oli­vei­ra Li­ma, da Re­cei­ta.

Mui­tas si­mu­la­ções são des­co­ber­tas quan­do a em­pre­sa não tem ca­pa­ci­da­de (ne­nhum fun­ci­o­ná­rio, por exem­plo) pa­ra jus­ti­fi­car o ser­vi­ço que ale­ga pres­tar. Is­so, além do pre­ço mui­to va­riá­vel dos ho­no­rá­ri­os, di­fi­cul­ta a in­ves­ti­ga­ção de frau­des.

“É mais di­fí­cil des­ca­rac­te­ri­zar es­se ser­vi­ço por­que o es­cri­tó­rio de fa­to tem uma ca­pa­ci­da­de, e há a di­fi­cul­da­de de quan­ti­fi­car o ser­vi­ço, em va­lo­res. Vo­cê de­pen­de de ou­tros ele­men­tos, co­mo acor­do de de­la­ção, pa­ra des­ca­rac­te­ri­zar es­se con­tra­to”, ex­pli­ca Li­ma.

“Mui­tas ve­zes, o es­cri­tó­rio só ori­en­ta a fa­zer o es­que­ma ilí­ci­to e não atua ati­va­men­te. Es­ta par­ti­ci­pa­ção ati­va é no­vi­da­de” RO­BER­TO LI­MA, AU­DI­TOR DA RE­CEI­TA

| RO­DRI­GO LEAL / FU­TU­RA PRESS

Ro­ma­no usou ban­ca de ad­vo­ca­cia pa­ra re­pas­sar pro­pi­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.