VA­RAN­DA PRO­TE­GI­DA

Metro Brazil (ABC) - - Metro Quadrado -

Em tem­pos de fal­ta de es­pa­ço, quan­do é ca­da vez mais di­fí­cil ad­qui­rir e mo­rar em ca­sas com quin­tais gran­des, por di­ver­sos mo­ti­vos - se­gu­ran­ça, pre­ço do me­tro qua­dra­do, fa­mí­li­as me­no­res, con­cei­to - as va­ran­das, além de va­lo­ri­za­rem os imó­veis tam­bém se tor­na­ram as que­ri­di­nhas en­tre os mo­ra­do­res, ga­nhan­do chur­ras­quei­ras, es­pa­ços gour­met e, em al­guns ca­sos, vi­dros.

O há­bi­to de en­vi­dra­çar es­ses es­pa­ços po­de ser oca­si­o­na­do por di­ver­sas ra­zões, que vão de es­té­ti­ca até a ma­nu­ten­ção da lim­pe­za, e a ne­ces­si­da­de de di­mi­nuir o ba­ru­lho ou au­men­tar a área da sa­la ou do quar­to, co­mo uma ex­ten­são.

“Em ci­da­des com trân­si­to in­ten­so a poluição e a su­jei­ra são pro­ble­mas que po­dem ser ame­ni­za­dos com o en­vi­dra­ça­men­to”, diz a ar­qui­te­ta An­dréia Par­rei­ra. E a prá­ti­ca tam­bém po­de trans­for­mar o es­pa­ço em área útil. “Aber­tas, as va­ran­das aca­bam, mui­tas ve­zes, se tor­nan­do áre­as inú­teis, pois a mai­o­ria dos mo­ra­do­res não con­se­gue des­fru­tar do es­pa­ço por cau­sa do ven­to”, afir­ma An­dréia.

Nor­mal­men­te os vi­dros mais uti­li­za­dos no fe­cha­men­to das va­ran­das são os la­mi­na­dos ou tem­pe­ra­dos, com es­pes­su­ra que va­ria en­tre oi­to e dez mi­lí­me­tros.

Se­gun­do Cle­ber Mo­ta, ge­ren­te da Ek­ta De­cor, em­pre­sa es­pe­ci­a­li­za­da no ser­vi­ço, ain­da não há uma re­gu­la­men­ta­ção pe­la ABNT (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Nor­mas Téc­ni­cas) so­bre o te­ma. “Há uma dis­cus­são que apon­ta pa­ra dez mi­lí­me­tros, mas na­da ofi­ci­al.”

O pra­zo mé­dio da fa­bri­ca­ção do vi­dro fi­ca en­tre 30 e 40 di­as, já a ins­ta­la­ção ge­ral­men­te le­va em tor­no de três, se­gun­do pro­fis­si­o­nais do se­tor. Na prá­ti­ca fun­ci­o­na as­sim: a em­pre­sa con­tra­ta­da re­a­li­za um lau­do téc­ni­co le­van­do em con­ta o an­dar, o po­si­ci­o­na­men­to do pré­dio, a frequên­cia dos ven­tos e a pa­dro­ni­za­ção es­co­lhi­da pe­lo con­do­mí­nio em as­sem­bleia e, após es­sa eta­pa, se­gue pa­ra a exe­cu­ção do pro­je­to.

“É im­por­tan­te fi­car aten­to às nor­mas es­pe­ci­fi­ca­das pe­lo con­do­mí­nio. Ge­ral­men­te eles ele­gem três em­pre­sas que es­tão de acor­do com es­se pa­drão e in­di­cam pa­ra os mo­ra­do­res”, afir­ma An­dréia.

De­pois de pron­to, um ar­qui­te­to ou en­ge­nhei­ro as­si­na um do­cu­men­to que re­gis­tra que o pro­je­to foi exe­cu­ta­do de acor­do com as nor­mas da cons­tru­ção ci­vil. No ca­so dos ar­qui­te­tos, é as­si­na­do o RRT (Re­gis­tro de Res­pon­sa­bi­li­da­de Téc­ni­ca) e dos en­ge­nhei­ros, o ART (Ano­ta­ção de Res­pon­sa­bi­li­da­de Téc­ni­ca). Quan­to cus­ta? Em mé­dia, o me­tro qua­dra­do do vi­dro cus­ta em tor­no de R$ 500, mas o va­lor po­de va­ri­ar con­for­me a lo­ca­li­za­ção do imó­vel. “Al­gu­mas em­pre­sas co­bram de acor­do com a ca­ra do imó­vel e do com­pra­dor”, diz Mo­ta. Ele lem­bra que mu­dar a es­pes­su­ra do vi­dro ou re­ti­rar a pe­lí­cu­la pro­te­to­ra con­tra rai­os UVA e UVB até ba­ra­teia o ma­te­ri­al, mas po­de com­pro­me­ter a se­gu­ran­ça e a qua­li­da­de.

Ou­tro item que po­de va­ri­ar de acor­do com a em­pre­sa é a ga­ran­tia. Por lei é obri­ga­tó­rio o for­ne­ci­men­to de três me­ses, mas al­gu­mas pres­ta­do­ras po­dem au­men­tar es­se pra­zo. Pre­ci­so pa­gar mais? Por fim, além de cer­ti­fi­car se a es­tru­tu­ra com­por­ta vi­dros e qual a pa­dro­ni­za­ção es­co­lhi­da pe­lo con­do­mí­nio, é im­por­tan­te fi­car aten­to ao fa­to de que as vi­dra­ças po­dem es­bar­rar em al­gu­mas ques­tões ju­rí­di­cas jun­to à pre­fei­tu­ra. Nor­mal­men­te as sa­ca­das não são in­cluí­das na cha­ma­da área útil do pré­dio e, por is­so, não en­tram no cál­cu­lo do IPTU. En­tre­tan­to, há qu­em di­ga que o fe­cha­men­to em vi­dro trans­for­ma o es­pa­ço em área útil, de­ven­do in­ci­dir so­bre o va­lor do im­pos­to pa­go.

Pa­ra Ja­ques Bushatsky, mem­bro do Con­se­lho Ju­rí­di­co do Se­co­vi-SP, sin- di­ca­to da ha­bi­ta­ção de São Pau­lo, não é pre­ci­so se pre­o­cu­par com a ques­tão. “O vi­dro é con­si­de­ra­do mais uma cor­ti­na do que uma pa­re­de”.

Ain­da se­gun­do Bushatsky, mes­mo que fu­tu­ra­men­te a pre­fei­tu­ra mu­de o en­ten­di­men­to so­bre a me­di­da, se­rá al­go di­fí­cil de ser fis­ca­li­za­do. “O mu­ni­cí­pio es­bar­ra em ques­tões lo­gís­ti­cas. Não acho que se­rá pos­sí­vel mul­tar to­dos que co­lo­ca­ram a vi­dra­ça em seus apar­ta­men­tos.”

AR­QUI­TE­TO GER­SON DU­TRA DE SÁ/ DI­VUL­GA­ÇÃO

Vi­dros pre­ci­sam se­guir pa­drão do con­do­mí­nio

FO­TOS: DI­VUL­GA­ÇÃO

Vi­dra­ças aju­dam a di­mi­nuir a su­jei­ra e ba­ru­lho

É pre­ci­so fi­car aten­to se o pré­dio su­por­ta vi­dros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.