He­roi­co!

Eu­ro­co­pa. Com um gol de Eder na pror­ro­ga­ção – e sem Cris­ti­a­no Ro­nal­do em cam­po –, Por­tu­gal é cam­peão da Eu­ro­pa pe­la pri­mei­ra vez

Metro Brazil (ABC) - - Esporte - FER­NAN­DO VALEIKA

“Pou­co im­por­ta, pou­co im­por­ta, se jo­ga­mos bem ou mal. Nós va­mos le­var a taça, pa­ra o nos­so Por­tu­gal!” MÚ­SI­CA QUE OS JO­GA­DO­RES POR­TU­GUE­SES CAN­TA­VAM AO DEI­XAR O STA­DE DE FRAN­CE

O dra­ma da Eu­ro de 2004, quan­do Por­tu­gal per­deu a fi­nal pa­ra Gré­cia, em ple­na Lis­boa, foi tro­ca­do pe­la ale­gria na noi­te de on­tem. Qua­se eli­mi­na­do na pri­mei­ra fa­se da Eu­ro e con­vi­da­do im­pro­vá­vel na fi­nal con­tra a Fran­ça, a se­le­ção por­tu­gue­sa tor­nou-se uma não me­nos sur­pre­en­den­te cam­peã eu­ro­peia. Ga­nhou a de­ci­são por 1 a 0, uma pro­e­za mai­or ain­da, con­si­de­ran­do que jo­ga­ram qua­se to­da a par­ti­da sem seu cra­que, Cris­ti­a­no Ro­nal­do.

Com 6 mi­nu­tos de jogo, o ca­mi­sa 7 foi cru­el­men­te acer­ta­do por Payet, em uma di­vi­di­da cri­mi­no­sa. Com for­tes do­res, o as­tro de­sa­bou e cho­rou. Até ten­ta­ria fi­car em cam­po, mas não aguen­tou as do­res e foi subs­ti­tuí­do por Ri­car­do Qu­a­res­ma, aos 23 mi­nu­tos.

A saí­da pre­ma­tu­ra de um dos gran­des pro­ta­go­nis­tas do jogo, aca­bou por es­friá-lo. Com 55% de pos­se de bo­la, os fran­ce­ses cri­a­ram du­as bo­as chan­ce de gol na eta­pa ini­ci­al: foi aos 10 mi­nu­tos, com uma ca­be­ça­da de Gri­ez­mann, que Rui Pa­trí­cio es­pal­mou, com a mão tro­ca­da. E aos 33, com uma bom­ba de Sis­so­ko, de­pois de um dri­ble des­con­cer­tan­te em Adri­en Sil­va, que o go­lei­ro por­tu­guês de­fen­deu. Mais in­te­res­san­te do que a bo­la ro­lan­do foi a ca­ça a Payet, acer­ta­do por Cé­dric com uma jo­e­lha­da nas cos­tas, co­mo tro­co pe­lo lan­ce com CR7.

O se­gun­do tem­po se­guiu no mes­mo rit­mo, com os por­tu­gue­ses se de­fen­den­do co­mo po­di­am e os fran­ce­ses cri­an­do pou­co. De pe­ri­go mes­mo só uma ca­be­ça­da de Gri­ez­mann, que pas­sou ras­pan­do as tra­ves lu­sas aos 22 mi­nu­tos da eta­pa fi­nal. A pro­pos­ta do téc­ni­co Fer­nan­do San­tos era cla­ra: de­fen­der-se, gas­tar o tem­po e ten­tar le­var o jogo pa­ra a pror­ro­ga­ção. Qua­se o pla­no deu er­ra­do. Aos 25 mi­nu­tos, Rui Pa­trí­cio de­fen­de, mi­la­gro­sa­men­te, o chu­te de Gi­roud, a quei­ma-rou­pa. A seis mi­nu­tos do fi­nal do tem­po re­gu­la­men­tar, Sis­so­ko res­pon­deu com uma bom­ba, que Rui Pa­trí­cio es­pal­mou. Já nos des­con­tos, a me­lhor chan­ce fran­ce­sa: Gig­nac deu um dri­ble des­con­cer­tan­te, que dei­xou Pepe sen­ta­do no chão e chu­tou. Mas, ca­pri­cho­sa­men­te a bo­la ba­teu na tra­ve di­rei­ta.

A pror­ro­ga­ção se­guiu o mes­mo ro­tei­ro, com os por­tu­gue­ses ten­tan­do gas­tar o tem­po e os fran­ce­ses na pres­são, com ra­ros mo­men­tos de ima­gi­na­ção. No fi­nal da pri­mei­ra eta­pa do tem­po ex­tra, qua­se os por­tu­gue­ses mar­ca­ram em uma ca­be­ça­da de Eder, que Llo­ris sal­vou no re­fle­xo. O se­gun­do tem­po co­me­çou com uma bo­la no tra­ves­são, em uma fal­ta co­bra­da por Gu­er­rei­ro. E aí, dois mi­nu­tos de­pois, o im­pon­de­rá­vel: Eder acer­tou um chu­te ras­tei­ro de fo­ra da área, sem chan­ces pa­ra Llo­ris. E co­me­çou as­sim a fes­ta por­tu­gue­sa, que foi boa, com cer­te­za.

DAN MULLAN/GETTY IMAGES

Eder vi­bra mui­to com o gol his­tó­ri­co mar­ca­do con­tra a Fran­ça

LAURENCE GRIFFITHS/GETTY IMAGES

Tor­ci­da faz a fes­ta na fren­te da Tor­re Eif­fel

CLIVE RO­SE/GETTY IMAGES

Taça na mão em ple­no Sta­de de Fran­ce

A der­ro­ta foi pe­sa­da pa­ra Gri­ez­mann e com­pa­nhia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.