Obe­si­da­de ti­ra até dez anos de vi­da, diz es­tu­do

Pesquisa con­du­zi­da em 4 con­ti­nen­tes mos­tra que es­tar aci­ma do pe­so já ti­ra um ano de ex­pec­ta­ti­va de vi­da

Metro Brazil (ABC) - - Brasil -

Você es­tá aci­ma do seu pe­so ide­al? Fa­ça a con­ta na ta­be­la ao la­do. Se sim, me­lhor re­ver seus há­bi­tos ali­men­ta­res e de vi­da. Is­so po­de cus­tar anos de sua vi­da, se­gun­do pesquisa pu­bli­ca­da on­tem na re­vis­ta mé­di­ca “The Lan­cet”.

O es­tu­do usou da­dos de qua­se 4 mi­lhões de adul­tos em qua­tro con­ti­nen­tes. A con­clu­são foi que es­tar aci­ma do pe­so di­mi­nui em cer­ca de um ano a ex­pec­ta­ti­va de vi­da de uma pes­soa. Aque­les con­si­de­ra­dos “mo­de­ra­da­men­te obe­sos” per­dem cer­ca de três anos. E a con­ta so­be pa­ra dez anos qu­an­do a pes­soa so­fre de obe­si­da­de gra­ve.

A pesquisa con­tes­ta es­tu­dos an­te­ri­o­res que da­vam con­ta de que es­tar um pou­co aci­ma do pe­so ide­al não se­ria tão pre­ju­di­ci­al as­sim. Pe­lo con­trá­rio. O no­vo es­tu­do traz evi­dên­ci­as que mais gor­du­ra e pe­so di­mi­nu­em a chan­ce de a pes­soa com­ple­tar 70 anos.

“Es­se es­tu­do mos­tra, de­fi­ni­ti­va­men­te, que o ex­ces­so de pe­so e a obe­si­da­de es­tão as­so­ci­a­dos a um ris­co de mor­te pre­ma­tu­ra”, dis­se a lí­der da pesquisa, Ema­nu­e­le Di An­ge­lan­to­nio, da Uni­ver­si­da­de de Cam­brid­ge, no Rei­no Uni­do, à agên­cia Fran­ce Pres­se. O ris­co de do­en­ça car­día­ca co­ro­ná­ria, aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral, do­en­ças res­pi­ra­tó­ri­as e cân­cer “au­men­ta­ram to­dos”, dis­se a pes­qui­sa­do­ra.

Os pes­qui­sa­do­res des­co­bri­ram que o ris­co de mor­rer an­tes dos 70 anos au­men­tou de 19% em ho­mens com pe­so nor­mal pa­ra 29,5% em ho­mens mo­de­ra­da­men­te obe­sos. En­tre as mu­lhe­res, es­se ris­co au­men­tou de 11% pa­ra 14,6%. “Is­so cor­res­pon­de a um au­men­to ab­so­lu­to de 10,5%, pa­ra os ho­mens, e 3,6%, pa­ra as mu­lhe­res”, dis­se um co­mu­ni­ca­do da re­vis­ta “The Lan­cet”.

Uma equi­pe in­ter­na­ci­o­nal de pes­qui­sa­do­res se­le­ci­o­nou da­dos a par­tir de mais de 10,6 mi­lhões de par­ti­ci­pan­tes de 239 gran­des es­tu­dos re­a­li­za­dos en­tre 1970 e 2015 em 32 paí­ses na Amé­ri­ca do Nor­te, Eu­ro­pa, Aus­trá­lia, No­va Ze­lân­dia e no les­te e no sul da Ásia. Por aqui, igual Mas pa­ra ca­rac­te­rís­ti­cas da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra, que não foi ava­li­a­da, es­ses da­dos po­dem ser re­pli­ca­dos e con­si­de­ra­dos?

“Com cer­te­za ab­so­lu­ta. Po­de­mos con­si­de­rar es­ses re­sul­ta­dos vá­li­dos pa­ra o Bra­sil, tam­bém”, dis­se Dur­val Ri­bas Fi­lho, 59 anos, mé­di­co nu­tró­lo­go e pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Nu­tro­lo­gia. Ele lem­bra que 53% da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra tem ex­ces­so de pe­so.

O mé­di­co res­sal­ta que a obe­si­da­de é uma do­en­ça e, co­mo tal, pre­ci­sa de re­mé­dio pa­ra ser cu­ra­da. “Tra­tar obe­si­da­de sem re­mé­dio é co­mo tra­tar di­a­be­tes sem me­di­ca­men­to”, com­pa­rou. “As pes­so­as acham que é pro­ble­ma es­té­ti­co só, e es­tá er­ra­do”, afir­mou.

Por fim, dis­se ele, há três anos o país proi­biu a ven­da de me­di­ca­men­tos con­tra a obe­si­da­de. Di­fí­cil as­sim.

ME­TRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.