Ci­ne­ma se des­pe­de de Hec­tor Ba­ben­co

Au­tor de clás­si­cos co­mo ‘Pi­xo­te’, di­re­tor ar­gen­ti­no ra­di­ca­do no Bra­sil so­freu pa­ra­da car­día­ca na noi­te da úl­ti­ma quar­ta após uma ci­rur­gia pa­ra o tra­ta­men­to de uma si­nu­si­te

Metro Brazil (ABC) - - Cultura -

O ci­ne­ma na­ci­o­nal fi­cou um pou­co me­nos bra­si­lei­ro na noi­te da úl­ti­ma quar­ta-fei­ra após a mor­te – ima­gi­nem só – de um ar­gen­ti­no.

Hec­tor Ba­ben­co ti­nha 70 anos e so­freu uma pa­ra­da car­día­ca de­pois de pas­sar por um pro­ce­di­men­to ci­rúr­gi­co pa­ra o tra­ta­men­to de uma si­nu­si­te no hos­pi­tal Sí­rio Li­ba­nês, em São Pau­lo.

Nas­ci­do na Ar­gen­ti­na, em 1946 e ra­di­ca­do no Bra­sil des­de os 23 anos, o ci­ne­as­ta é con­si­de­ra­do um dos gran­des no­mes do ci­ne­ma na­ci­o­nal, co­man­dan­do pro­du­ções que se tor­na­ram clás­si­cos, co­mo “Lú­cio Flá­vio, o Pas­sa­gei­ro da Ago­nia” (1976), “Pi­xo­te: A Lei do mais Fra­co”(1981) e “Ca­ran­di­ru” (2003).

Ba­ben­co fa­zia ci­ne­ma com “C” maiús­cu­lo e exa­la­va em seu tra­ba­lho o amor que sen­tia à sé­ti­ma ar­te. Sua obra, po­rém, não era ape­nas apai­xo­na­da, mas tam­bém po­lí­ti­ca.

Ape­sar de es­tran­gei­ro – ou tal­vez exa­ta­men­te por is­so –, o di­re­tor sou­be cap­tar co­mo pou­cos al­gu­mas idi­os­sin­cra­si­as so­ci­ais bra­si­lei­ras com as quais pre­fe­ri­mos mui­tas ve­zes não li­dar, co­mo o sub­mun­do dos me­ni­nos de rua (“Pi­xo­te”) e a tru­cu­lên­cia po­li­ci­al (“Ca­ran­di­ru”).

A qua­li­da­de de seu tra­ba­lho o le­vou a Hollywo­od, on­de fez “O Bei­jo da Mu­lher Ara­nha” (1985) e “Ironwe­ed” (1987), com Meryl Stre­ep e Jack Ni­chol­son, in­di­ca­dos ao Os­car por su­as atu­a­ções.

O di­re­tor tam­bém dis­pu­tou três ve­zes a Pal­ma de Ou­ro no Fes­ti­val de Can­nes. Após su­pe­rar um cân­cer lin­fá­ti­co nos anos 1990, Ba­ben­co pas­sou a li­dar com ques­tões au­to­bi­o­grá­fi­cas em lon­gas co­mo “Co­ra­ção Ilu­mi­na­do” (1998) e “Meu Ami­go Hin­du” (2016).

Lan­ça­do em mar­ço pas­sa­do, o lon­ga aca­bou se trans­for­man­do em seu fil­me-tes­ta­men­to ao co­lo­car Wil­lem Da­foe pa­ra in­ter­pre­tar um per­so­na­gem que pas­sa por epi­só­di­os aná­lo­gos à pró­pria vi­da de Ba­ben­co: um di­re­tor que com­ba­te uma gra­ve do­en­ça com sua pai­xão pe­lo ci­ne­ma e o de­se­jo de fa­zer mais um fil­me.

O di­re­tor dei­xa du­as fi­lhas, dois ne­tos e sua mu­lher, a atriz Bár­ba­ra Paz. O ve­ló­rio acon­te­ce ho­je, das 10h às 15h, no foyer da sa­la BNDES, na Ci­ne­ma­te­ca Bra­si­lei­ra. ME­TRO

| BRU­NO POLETTI/FOLHAPRESS

Ba­ben­co veio pa­ra o Bra­sil com 23 anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.