MISHA GLENNY

AU­TOR BRI­T­NI­CO NARRA TRA­JE­TÓ­RIA DE TRAFICANTE

Metro Brazil (ABC) - - Front Page -

Jor­na­lis­ta e his­to­ri­a­dor, o bri­tâ­ni­co Misha Glenny, 58, já foi cor­res­pon­den­te da BBC, co­briu a que­da da URSS e as guer­ras da Iu­gos­lá­via. A em­prei­ta­da da vez foi es­cre­ver so­bre Antô­nio Fran­cis­co Bon­fim Lo­pes, o Nem, ex-che­fe do trá­fi­co na fa­ve­la da Ro­ci­nha, atu­al­men­te pre­so na pe­ni­ten­ciá­ria de se­gu­ran­ça má­xi­ma de Cam­po Gran­de (MS).

Por que o traficante Nem cha­mou a sua aten­ção?

A pri­mei­ra vez em que ou­vi fa­lar de­le foi em 2007. Es­ta­va em um ôni­bus de tu­ris­tas na Ro­ci­nha e pu­xei as­sun­to com o mo­to­ris­ta. Ele me dis­se: “O ho­mem que man­tém a paz por aqui se cha­ma Nem”. Não ou­vi fa­lar mais de­le até 2011, qu­an­do as­sis­ti à sua pri­são pe­la TV. De­pois pes­qui­sei sua his­tó­ria e tu­do me pa­re­ceu tão in­te­res­san­te! Pen­sei que es­se tal­vez fos­se o exem­plo que eu pro­cu­ra­va pa­ra mos­trar pa­ra es­tu­dan­tes no Rei­no Uni­do e na Eu­ro­pa co­mo são as coi­sas no Bra­sil.

O que você des­co­briu qu­an­do foi mo­rar na Ro­ci­nha?

Vi­vi lá por cer­ca de três me­ses, por­que achei im­por­tan­te en­ten­der co­mo era o dia a dia em uma fa­ve­la an­tes de es­cre­ver o li­vro. Tam­bém que­ria no­tar a di­fe­ren­ça de vi­são que as pes­so­as têm. Na Ro­ci­nha, todo mun­do fa­la­va mui­to bem do Nem, ele era mui­to po­pu­lar e eu me per­gun­ta­va por que ele era tão mal vis­to no as­fal­to. O que eu des­co­bri na fa­ve­la é que o Nem da­va um cer­to grau de pro­te­ção pa­ra eles e tam­bém mo­vi­men­ta­va a ati­vi­da­de econô­mi­ca do lo­cal, ao con­trá­rio do Es­ta­do. Is­so só era pos­sí­vel ver lá de den­tro.

E co­mo você con­se­guiu ter aces­so ao Nem na pri­são?

Es­cre­vi uma car­ta pa­ra ele pe­din­do que me re­ce­bes­se pa­ra dis­cu­tir­mos a pos­si­bi­li­da­de de es­cre­ver o li­vro. Após três se­ma­nas, ele res­pon­deu que eu po­de­ria vi­si­tá-lo. Acei­tou o li­vro sob uma con­di­ção: se eu usas­se su­as ci­ta­ções di­re­tas, ele gos­ta­ria de ve­ri­fi­car an­tes de pu­bli­car. Ti­ran­do is­so, eu po­de­ria fa­lar com qual­quer ou­tra pes­soa. Por­tan­to, fa­lei com a po­lí­cia, com de­le­ga­dos que o in­ves­ti­ga­ram por qua­se qua­tro anos, com os ini­mi­gos de­le do Co­man­do Ver­me­lho, com a fa­mí­lia, jor­na­lis­tas, ad­vo­ga­dos. Pu­de cons­truir um re­tra­to ri­co. O li­vro não re­fle­te só a opi­nião e as ati­tu­des do Nem, mas de uma co­mu­ni­da­de in­tei­ra e tam­bém das pes­so­as de fo­ra, mas que têm li­ga­ções com as fa­ve­las. Ao todo, fo­ram dez vi­si­tas, num to­tal de 28 ho­ras. Você se sur­pre­en­deu ao co­nhe­cê-lo? Sim. Es­pe­ra­va al­guém me­nos ar­ti­cu­la­do. Ele fa­la mui­to bem, tem fra­ses mui­to com­ple­xas e eu per­ce­bi que ele era mui­to in­te­li­gen­te, ape­sar da pou­ca edu­ca­ção. As pes­so­as da Ro­ci­nha que eu en­tre­vis­tei, e fa­zi­am par­te do mo­vi­men­to, já ti­nham me fa­la­do so­bre a ca­pa­ci­da­de do Nem com os ne­gó­ci­os. Ele foi um ge­ren­te ex­ce­len­te e sem­pre sabia co­mo au­men­tar os lu­cros. Ele foi, so­bre­tu­do, um ho­mem de ne­gó­ci­os. Qual é a im­por­tân­cia de fa­lar do pon­to de vis­ta de den­tro da fa­ve­la? O Rio e o Bra­sil têm uma his­tó­ria mui­to ex­pres­si­va que não foi es­cri­ta. Pa­ra en­ten­der o que acon­te­ceu de­pois da di­ta­du­ra mi­li­tar é mui­to im­por­tan­te pro­cu­rar olhar pa­ra pon­tos de vis­ta de quem não te­ve es­pa­ço pa­ra fa­lar, por­que is­so ex­pli­ca mui­ta coi­sa que in­flu­en­cia na vi­da de mi­lha­res de pes­so­as. Fa­lar des­sa pers­pec­ti­va aju­da a en­ten­der a es­tru­tu­ra da so­ci­e­da­de ca­ri­o­ca pa­ra, as­sim, po­der cons­truir um fu­tu­ro po­si­ti­vo pa­ra to­dos. ME­TRO RIO

Jor­na­lis­ta bri­tâ­ni­co ex­pli­ca ao Me­tro Jor­nal co­mo foi mer­gu­lhar na fa­ve­la­da Ro­ci­nha pa­ra en­ten­de­ra tra­je­tó­ria do traficante Nem

DI­VUL­GA­ÇÃO

“O DO­NO DO MORRO” MISHA GLENNY CIA. DAS LE­TRAS 360 PÁGS. R$ 44

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.