SO­COR­RO, A PO­LÍ­CIA ES­TÁ PER­DEN­DO

Metro Brazil (ABC) - - Foco - JO­SÉ LUIZ DATENA JOSE.DATENA @ME­TRO­JOR­NAL.COM.BR

A ques­tão da so­bre­vi­vên­cia diá­ria no Bra­sil já de­ve­ria ter vi­ra­do ques­tão pri­o­ri­tá­ria até da pró­pria se­gu­ran­ça na­ci­o­nal. A ve­lha fra­se de que todo dia você sai de ca­sa co­mo can­di­da­to a ví­ti­ma e vol­ta pa­ra ca­sa co­mo mais um so­bre­vi­ven­te já faz par­te da nos­sa ro­ti­na e das nos­sas ora­ções.

Em São Pau­lo, três me­ga-as­sal­tos, em Cam­pi­nas, San­tos e Ri­bei­rão Pre­to, mos­tram o cri­me or­ga­ni­za­do no co­man­do com tá­ti­cas de guer­ri­lha pa­ra­mi­li­tar, ar­ma­men­to de gu­er­ra e mis­sões di­vi­di­das en­tre as qua­dri­lhas, que fun­ci­o­nam mais ou me­nos co­mo um con­sór­cio do cri­me. Re­sul­ta­do: mi­lhões rou­ba­dos, vi­das de po­li­ci­ais e ci­vis ti­ra­das a ba­la de fu­zil – con­se­gui­dos mais fa­cil­men­te que es­ti­lin­gue nas con­ti­nen­tais fron­tei­ras bra­si­lei­ras, que pre­ci­sam ur­gen­te­men­te de apoio das For­ças Ar­ma­das pa­ra au­xi­li­ar nos­sa efi­ci­en­te Po­lí­cia Fe­de­ral, que não tem efe­ti­vo pa­ra co­brir uma área tão gran­de por on­de en­tram, prin­ci­pal­men­te, ar­mas e dro­gas.

Qu­an­do o de­pu­ta­do e de­le­ga­do Antô­nio de Olim veio a pú­bli­co no Bra­sil Ur­gen­te pa­ra di­zer que es­ta­mos per­den­do a gu­er­ra pa­ra o cri­me or­ga­ni­za­do, não foi de gra­ça. Es­ta­va ven­do o pro­gra­ma qu­an­do viu e ou­viu o de­ses­pe­ra­do pe­di­do de so­cor­ro de um po­li­ci­al ro­do­viá­rio que ti­nha o com­pa­nhei­ro fe­ri­do com um ti­ro de fu­zil na ca­be­ça, e que morreu lo­go de­pois. Aqui­lo pa­ra um de­le­ga­do ex­pe­ri­en­te foi mais que um pe­di­do iso­la­do da po­lí­cia, foi um cha­ma­do de­ses­pe­ra­do da so­ci­e­da­de que não po­de ter ban­di­do mais bem ar­ma­do que po­lí­cia.

Es­se de­se­qui­lí­brio é ge­ral. No Rio de Ja­nei­ro, ca­pi­tal mun­di­al dos Jo­gos Olím­pi­cos, mor­rem por dia 17 pes­so­as as­sas­si­na­das. Em pou­co tempo, mi­lí­ci­as já ma­ta­ram 11 pré-can­di­da­tos das elei­ções ca­ri­o­cas e qua­se uma cen­te­na de pes­so­as fo­ram atin­gi­das por ba­la per­di­da do co­me­ço do ano pa­ra cá. A po­lí­cia de lá tem que eco­no­mi­zar com­bus­tí­vel e po­de pa­rar in­ves­ti­ga­ções por fal­ta de ver­ba. As uni­da­des de po­lí­cia pa­ci­fi­ca­do­ra fi­ze­ram água. Cha­ma­ram o Exér­ci­to, que tem seu mai­or con­tin­gen­te na­que­la que du­ran­te mui­to tempo foi ca­pi­tal do país. Exér­ci­to que de­ve fi­car nas ru­as de­pois das Olim­pía­das pa­ra, ve­jam bem, ga­ran­tir as elei­ções.

Mais do que ver­go­nha, São Pau­lo e Rio de Ja­nei­ro re­pre­sen­tam a fa­lên­cia do sis­te­ma in­ter­no de de­fe­sa do ci­da­dão. Pro­du­to prin­ci­pal­men­te de di­nhei­ro pú­bli­co des­vi­a­do por po­lí­ti­cos cor­rup­tos e in­ca­pa­zes de de­ter o cri­me por­que são pi­o­res que o cri­me ou mui­tas ve­zes fa­zem par­te de­le. O gri­to de so­cor­ro do po­li­ci­al na es­tra­da, acu­a­do por mar­gi­nais, é o nos­so gri­to de de­ses­pe­ro de lu­tar pa­ra não mor­rer. É um gri­to de bas­ta. Ou se re­sol­ve já, ou não tem mais jei­to, e aí te­re­mos a cer­te­za de que o cri­me no Bra­sil com­pen­sa e só nos res­ta pe­dir a Deus pe­las nos­sas vi­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.