Cri­an­ças apren­dem a cri­ar apli­ca­ti­vos

Cur­sos de ro­bó­ti­ca e pro­gra­ma­ção atra­em ge­ra­ção ‘ge­ek’

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - ME­TRO

Po­de até pa­re­cer pa­po de fil­me de fic­ção ci­en­tí­fi­ca ou de al­gum de­se­nho ani­ma­do, mas não é. Cri­an­ças de no­ve, oi­to e até se­te anos já são ap­tas a apren­der a pro­gra­mar um apli­ca­ti­vo, ga­mes e até mes­mo al­guns ti­pos sim­ples de robôs.

É o ca­so de Pe­dro Sol­di, de no­ve anos, que en­trou num cur­so de ro­bó­ti­ca nas fé­ri­as e, as­sim co­mo seus co­le­gui­nhas, con­se­guiu pro­gra­mar e mon­tar um pe­que­no robô de ro­das que tem a ca­pa­ci­da­de de des­vi­ar de obs­tá­cu­los. “Des­de os seis anos eu ti­nha von­ta­de de fa­zer um cur­so vol­ta­do à pro­gra­ma­ção e ro­bó­ti­ca. Acho que po­de con­tri­buir mui­to já que no fu­tu­ro que­ro cri­ar mi­nha pró­pria lo­go­mar­ca de pro­du­tos ele­trô­ni­cos e ga­mes”, de­cla­rou o pe­que­no, que já pen­sa em seu fu­tu­ro pro­fis­si­o­nal.

Mas, co­mo cri­an­ças tão no­vas já con­se­guem ter es­sa ap­ti­dão? Tal­vez a res­pos­ta se­ja a ra­pi­dez com que são ex­pos­tas pe­los pais à tec­no­lo­gia, se­ja no com­pu­ta­dor ou em ce­lu­la­res. Pa­ra Renato Wajn­berg, só­cio, pro­fes­sor e co­or­de­na­dor aca­dê­mi­co da es­co­la de pro­gra­ma­ção pa­ra cri­an­ças MadCo­de, as cri­an­ças pre­ci­sam es­tar ci­en­tes da tec­no­lo­gia que as ro­deia e apro­vei­tá-la pa­ra avan­ços. “Acre­di­to que nas pró­xi­mas dé­ca­das a al­fa­be­ti­za­ção di­gi­tal se­rá tão im­por­tan­te pa­ra os jo­vens co­mo é ho­je o co­nhe­ci­men­to de uma se­gun­da lín­gua, co­mo o in­glês”, opi­na. Es­co­las pa­ra pe­que­nos pro­gra­ma­do­res Nes­se con­tex­to es­tão sur­gin­do es­co­las de pro­gra­ma­ção di­re­ci­o­na­das ape­nas pa­ra cri­an­ças e jo­vens. Clo­do­al­do An­dra­de é pro­fes­sor de uma de­las, a Su­per­ge­eks, mes­ma es­co­la em que Pe­dro fez o cur­so de ro­bó­ti­ca. Se­gun­do o pro­fes­sor, as cri­an­ças são mui­to mais dis­pos­tas a apren­der es­se con­teú­do do que os adul­tos. “Os alu­nos são de­ses­pe­ra­dos por co­nhe­ci­men­to, que­rem res­pos­tas ime­di­a­tas. Is­so é bom e ruim, eles po­dem per­der o fo­co mas tam­bém têm uma de­di­ca­ção enor­me às au­las”. An­dra­de pon­tua ain­da que a mai­or di­fi­cul­da­de das cri­an­ças, ini­ci­al­men­te, é no ma­nu­seio do com­pu­ta­dor. “A mai­o­ria es­tá acos­tu­ma­da com as pla­ta­for­mas tou­ch”, ex­pli­ca.

Al­guns alu­nos de­mons­tram tan­ta se­de por co­nhe­ci­men­to que aca­bam me­lho­ran­do seu de­sem­pe­nho nas dis­ci­pli­nas da es­co­la re­gu­lar. “Os pais às ve­zes en­ten­dem os cur­sos co­mo for­ma de di­ver­são pa­ra as cri­an­ças, mas mui­tos de­les têm me­lho­ra na es­co­la e tam­bém nas ha­bi­li­da­des ló­gi­cas e is­so os sur­pre­en­de”, diz An­dra­de.

Se­gun­do a Su­per­ge­eks, o cur­so mais pro­cu­ra­do pe­las cri­an­ças é o re­gu­lar, pa­ra cri­an­ças de se­te - des­de que es­te­jam no 2º ano es­co­lar até 16 anos. Es­te cur­so com­ple­to tem dez fa­ses, sen­do que ca­da uma du­ra um se­mes­tre es­co­lar.

Em­bo­ra se­ja pro­du­ti­vo, imer­gir cri­an­ças no mun­do tec­no­ló­gi­co po­de ser tam­bém pre­ju­di­ci­al. Con­fi­ra as di­cas da psi­có­lo­ga edu­ca­ci­o­nal Le­tí­cia Mar­ques no tex­to ao la­do.

GRAZIELLE MIRANDOLA/ME­TRO

Pe­dro Sol­di, de 9 anos, já con­se­guiu mon­tar um pe­que­no robô

FO­TOS: GRAZIELLE MIRANDOLA/ME­TRO

Vic­tor Ka­to, de 10 anos, tes­tan­do seu robô Le­vih de Lima e Ga­bri­el Car­li, ao fun­do, na au­la de ro­bó­ti­ca da Su­per­ge­eks

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.