HO­ME­NA­GEM A ANNA MUYLAERT

LON­GA ‘MÃE SÓ HÁ UMA’ ABRE FES­TI­VAL LA­TI­NO-AME­RI­CA­NO

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - AMAN­DA QU­EI­RÓS ME­TRO SÃO PAULO Ve­ja o trai­ler no metrojornal.com.br

O Bra­sil se co­mo­veu em 2002 com a his­tó­ria da mãe que re­en­con­trou o fi­lho rap­ta­do da ma­ter­ni­da­de 16 anos an­tes. Cri­a­do pe­la pró­pria se­ques­tra­do­ra, o me­ni­no Pe­dri­nho pas­sou en­tão a vi­ver com os pais bi­o­ló­gi­cos. Em “Mãe Só Há Uma”, que es­treia ama­nhã, Anna Muylaert ima­gi­na a his­tó­ria do pon­to de vis­ta do ado­les­cen­te que tem sua iden­ti­da­de pos­ta em xe­que ao mes­mo tem­po em que ex­pe­ri­men­ta sua se­xu­a­li­da­de. A abor­da­gem ren­deu ao su­ces­sor de “Que Ho­ras Ela Vol­ta?” o prê­mio Teddy – vol­ta­do a ques­tões LGBT – no úl­ti­mo Fes­ti­val de Berlim. Por que in­cor­po­rar o te­ma da se­xu­a­li­da­de a um ar­gu­men­to já mui­to di­fí­cil? Os dois te­mas fa­lam da mes­ma coi­sa, que é a bus­ca da iden­ti­da­de. Es­sa his­tó­ria é uma tra­gé­dia, e acho que to­do ado­les­cen­te pas­sa por ela em ní­vel sim­bó­li­co. Es­sa re­a­li­da­de do gê­ne­ro flui­do é mui­to in­te­res­san­te. Achei que dei­xa­ria o fil­me mais vi­bran­te e con­tem­po­râ­neo. Es­te é um fil­me de bai­xo or­ça­men­to. De que for­ma es­sa li­mi­ta­ção ser­ve à his­tó­ria? Eu que­ria ex­pe­ri­men­tar fa­zer um fil­me em ou­tro mo­do de pro­du­ção – com me­nos di­nhei­ro, me­nos equi­pe, mais li­ber­da­de e elen­co des­co­nhe­ci­do – pa­ra inventar no­vos ca­mi­nhos pa­ra mim. Fiz coi­sas co­mo câ­me­ra na mão, usei uma nar­ra­ti­va me­nos clás­si­ca e es­tou ca­da vez mais tra­ba­lhan­do com im­pro­vi­so, fil­man­do o que es­tá mais per­to da re­a­li­da­de. Uma equi­pe gran­de, às ve­zes, afas­ta is­so. O fil­me pro­vo­ca a mes­ma sen­sa­ção de incô­mo­do que Pi­er­re (Na­o­mi Ne­ro) sen­te na­que­la fa­mí­lia no­va e es­tra­nha. Que es­tra­té­gi­as vo­cê usou pa­ra pro­vo­car is­so? A nar­ra­ti­va é mui­to do pon­to de vis­ta de­le, que só co­nhe­ce os pais no meio do fil­me. Fiz mon­ta­gens em que vo­cê via a mãe an­tes, mas daí vo­cê fi­ca­va com pe­na de­la e com rai­va de­le. Ela é uma coi­ta­da, mas fi­can­do só com ele vo­cê a vê de um jei­to não tão com­pas­si­vo, co­mo uma cha­ta. Ou­tra coi­sa que aju­da nis­so é o fa­to do fil­me dar sal­tos nar­ra­ti­vos. Vo­cê de­mo­ra a en­ten­der o que es­tá acon­te­cen­do, e acho que es­sa é a sen­sa­ção do Pi­er­re. Não tem co­mo com­pre­en­der uma si­tu­a­ção as­sim. As­sim co­mo “Que Ho­ras Ela Vol­ta?”, es­te é um fil­me hu­ma­nis­ta. Vo­cê es­tá per­se­guin­do es­sa tri­lha? Sem­pre per­se­gui, mas ago­ra, com a ma­tu­ri­da­de e a ex­pe­ri­ên­cia es­tou sa­ben­do me­lhor o porquê de fa­zer ca­da fil­me. Eu es­pe­ro che­gar nes­ses te­mas por­que acho que es­sa é a ca­rac­te­rís­ti­ca do fil­me do meio, que não é au­to­ral nem co­mer­ci­al, que ten­ta con­tar uma his­tó­ria e li­gar sua in­te­li­gên­cia de al­gu­ma ma­nei­ra, en­tre­gan­do prin­ci­pal­men­te a pos­si­bi­li­da­de de am­pli­ar sua vi­são e seu co­ra­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.