MAYER HAWTHORNE

Mú­si­co ame­ri­ca­no mis­tu­ra me­lan­co­lia e ba­ti­das se­ten­tis­tas no dis­co ‘Man About Town’

Metro Brazil (ABC) - - Cultura -

Mayer Hawthorne aca­ba de lan­çar seu quar­to álbum de es­tú­dio, “Man About Town”, con­ce­bi­do de forma in­de­pen­den­te. O dis­co con­fe­re um tom ele­tri­zan­te ao neo-soul su­a­ve que ca­rac­te­ri­za o tra­ba­lho do mú­si­co, mas com sin­te­ti­za­do­res e ba­ti­da que lem­bram os anos 1970 e 1980.

O mais im­por­tan­te vem pri­mei­ro: de on­de vem es­sa sua co­le­ção de cha­péus? Eu os com­pro ao re­dor do mun­do. Os meus fa­vo­ri­tos, no mo­men­to, são da Laird, de Lon­dres. Eles es­tão fa­zen­do al­guns cus­to­mi­za­dos pa­ra mim. Gladyz Ta­mez, de Los An­ge­les, tam­bém tem coi­sas in­crí­veis. Qu­e­ro um de­la!

Em que pon­to você de­ci­diu se pre­o­cu­par com o vi­su­al? Acho que se tra­ta de mais um le­ma do que um vi­su­al par­ti­cu­lar. Bus­co ser cha­ma­ti­vo, mas clas­su­do. Her­dei is­so da mi­nha avó Ri­ta. Acho que o mais im­por­tan­te é você ter seu pró­prio es­ti­lo: usar rou­pas com as quais você se sen­te con­for­tá­vel, mas não ter me­do de fa­zer mu­dan­ças.

Mú­si­cas como “Cos­mic Love”, “Fancy Clothes” e “Love Li­ke That” evo­cam uma vi­be re­trô diferente da que você já te­ve. Que dé­ca­da você está ho­me­na­ge­an­do com is­so? Não pen­so nis­so quan­do es­tou fa­zen­do mú­si­ca. Cres­ci nos anos 1980 e 1990 ou­vin­do Pu­blic Enemy, The Po­li­ce, Smashing Pump­kins… Des­co­bri Ste­ely Dan e Bar­ry Whi­te só de­pois. Tu­do is­so en­tra na mi­nha mú­si­ca, mas não pen­so nis­so quan­do es­cre­vo.

Que pe­río­dos de sua vi­da são re­tra­ta­dos nos ál­buns “Whe­re Do­es This Go” e “Man About Town”? O pri­mei­ro re­pre­sen­tou uma tran­si­ção pa­ra mim, de tra­ba­lhar com ou­tros pro­du­to­res em um gran­de se­lo. Apren­di mui­to com is­so, mas foi bem as­sus­ta­dor. O se­gun­do li­da com mi­nha bus­ca por amor em Los An­ge­les. Sob o as­pec­to lí­ri­co, é um dis­co me­lan­có­li­co, mas eu ain­da queria que as pes­so­as se di­ver­tis­sem ao ou­vi-lo, en­tão ten­tei man­ter a mú­si­ca di­ver­ti­da.

“Man About Town” é um álbum su­pe­ren­xu­to. Por quê? Gra­vei mais can­ções, mas, no fim, quis que tu­do cou­bes­se ape­nas em um dis­co de vi­nil. A mai­o­ria de meus ál­buns fa­vo­ri­tos têm 9 ou 10 can­ções. To­das são ma­ta­do­res, ne­nhu­ma está ali pa­ra en­cher lin­gui­ça. Quis ten­tar fa­zer o mes­mo.

GETTY IMAGES

“MAN ABOUT TOWN” MAYER HAWTHORNE LAB 344 R$ 30

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.