Bela e as­sas­si­na

Após 13 anos, Elek­tra vol­ta a ga­nhar mi­nis­sé­rie so­lo com vi­su­al im­pres­si­o­nan­te e per­so­na­gem mais hu­ma­na

Metro Brazil (ABC) - - Foco -

Com dois anos de atra­so em re­la­ção aos EUA, a nin­ja as­sas­si­na Elek­tra vol­ta a agir no Bra­sil em uma co­le­tâ­nea de cin­co his­tó­ri­as pu­bli­ca­das em 2014, nos EUA, em que Mi­cha­el del Mun­do dá no­va vi­da à per­so­na­gem da Mar­vel.

Vi­su­al­men­te, “Elek­tra #1” é tão im­pe­cá­vel que dá von­ta­de de pre­gar ca­da uma das pá­gi­nas do vo­lu­me na pa­re­de. Até mes­mo o ro­tei­ro de W. Ha­den Black­man, que não é dos me­lho­res, não ti­ra o bri­lho de ver a per­so­na­gem vol­tar a ro­do­pi­ar gra­ci­o­sa­men­te en­quan­to ma­ta com su­as es­pa­das.

Co­nhe­ci­da tan­to por sua sen­su­a­li­da­de qu­an­to por su­as ha­bi­li­da­des, Elek­tra apa­re­ce mais frá­gil. A as­sas­si­na im­pe­tu­o­sa imor­ta­li­za­da nos ro­tei­ros de Frank Mil­ler nar­ra pe­la pri­mei­ra vez a pró­pria his­tó­ria e mos­tra seu la­do mais frá­gil, la­men­tan­do as mor­tes que cer­ca­ram to­da a sua vi­da: a da mãe, do pai e até a de­la mes­ma. So­fren­do pe­lo amor im­pos­sí­vel que man­tém por Matt Mur­dock, o De­mo­li­dor, a nin­ja mer­gu­lha em um cli­ma de­pres­si­vo que re­no­va a psi­que da per­so­na­gem, em­bo­ra não te­nha agra­da­do os fãs.

Na no­va sé­rie, Elek­tra es­tá cer­ca­da não só de lem­bran­ças do pas­sa­do, co­mo de no­vos per­so­na­gens. Uma das mai­o­res fa­lhas do en­re­do é, in­clu­si­ve, apon­tar ali­a­dos e ini­mi­gos dos quais o lei­tor nun­ca ha­via ou­vi­do fa­lar. O cru­el assassino Cor­vo En­ca­pu­za­do, vi­lão da HQ, é tra­ta­do co­mo uma ame­a­ça mundial, mas não con­ven­ce por nun­ca ter fei­to nem pon­ta em qu­al­quer ou­tra tra­ma da Mar­vel.

A his­tó­ria re­pe­te ve­lhas fór­mu­las e até as pou­cas re­vi­ra­vol­tas são pre­vi­sí­veis. Ain­da as­sim, “Elek­tra #1” é me­lhor do que mui­tos tra­ba­lhos atu­ais, co­mo as re­vis­tas dos “X-Men”.

Os em­ba­tes de Elek­tra con­tra os ou­tros nin­jas ge­ram sequên­ci­as de ação qua­se ci­ne­ma­to­grá­fi­cas, e há san­gue o bas­tan­te pa­ra não dei­xar os fãs da ver­são mais le­tal de Elek­tra de­cep­ci­o­na­dos.

A mi­nis­sé­rie te­ve 11 nú­me­ros, e es­pe­ra-se que a Pa­ni­ni lan­ce um no­vo vo­lu­me com a con­clu­são da his­tó­ria, em­bo­ra não ha­ja da­ta pa­ra o lan­ça­men­to.

Sem que­rer en­tre­gar de­mais: é na se­gun­da par­te que a his­tó­ria pe­ga fo­go. Da­da a qua­li­da­de do ma­te­ri­al, é pe­na que ele só es­te­ja dis­po­ni­bi­li­za­do em capa de pa­pel. As pin­tu­ras de Mi­cha­el del Mun­do me­re­ci­am bem mais.

‘ELEK­TRA #1’ MI­CHA­EL DEL MUN­DO E W. HA­DEN BLACK­MAN PA­NI­NI R$ 20

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.