Ri­sos con­tra bullying

Dway­ne John­son e Ke­vin Hart vi­vem ex-co­le­gas de co­lé­gio de per­so­na­li­da­des com­ple­ta­men­te opos­tas na co­mé­dia de ação ‘Um Es­pião e Meio’, que dis­cu­te te­mas den­sos co­mo o me­do do fra­cas­so e do en­ve­lhe­ci­men­to

Metro Brazil (ABC) - - Cultura - MATT PRIGGE

A co­mé­dia de ação “Um Es­pião e Meio”, que es­treia ho­je, gi­ra em tor­no de uma ques­tão cen­tral na es­co­la. Na co­mé­dia de ação, Ke­vin Hart e Dway­ne John­son in­ter­pre­tam an­ti­gos co­le­gas de es­co­la que se re­en­con­tram 20 anos após a for­ma­tu­ra.

Cal­vin (Hart) era o ra­paz mais po­pu­lar da tur­ma e aca­bou se tor­nan­do um en­fa­do­nho con­ta­dor. En­quan­to is­so, Bob (John­son) se trans­for­mou em um mus­cu­lo­so su­pe­res­pião que bus­ca re­no­var o pro­gra­ma de agen­tes da CIA.

As lem­bran­ças de Hart so­bre os ve­lhos tem­pos são bo­as. As de John­son, não. “Eu era um ga­ro­to po­pu­lar. Vo­cês po­dem ima­gi­nar que eu era um ca­ra re­al­men­te le­gal”, diz Hart. “Eu não era o me­lhor alu­no, mas era uma pes­soa do po­vo. Eu era o úni­co que me da­va bem com to­do mun­do. Não ha­via se­gre­ga­ção. Ser abra­ça­do por to­dos era bom. Is­so me ti­rou das bri­gas. Era o ca­ra en­gra­ça­do que aca­ba­va com as bri­gas e fa­zia as pes­so­as que­re­rem rir de­las”, lem­bra o ator.

Já as his­tó­ri­as de John­son não são tão cor de ro­sa. Ele te­ve pro­ble­mas na ju­ven­tu­de e foi vá­ri­as ve­zes pre­so an­tes de com­ple­tar 16 anos. “Pas­sei mui­to tem­po ten­tan­do vol­tar aos tri­lhos. Foi ape­nas após me en­vol­ver com es­por­tes que ga­nhei fo­co”, diz ele.

“Um Es­pião e Meio” é um block­bus­ter bo­bo em que John­son tem a ra­ra chan­ce de vi­ver um per­so­na­gem atra­pa­lha­do, mas o fil­me li­da tam­bém ines­pe­ra­da­men­te com as­sun­tos den­so, co­mo o me­do do fra­cas­so, do en­ve­lhe­ci­men­to e do bullying.

“Acho que ser cri­an­ça exi­ge um pou­co de dra­ma. Não gos­to das pes­so­as que ten­tam tor­nar as vi­das das cri­an­ças per­fei­tas. Vo­cê pre­ci­sa en­fren­tar al­go, pre­ci­sa cons­truir sua per­so­na­li­da­de. Vo­cê apren­de li­ções de vi­da de si­tu­a­ções des­con­for­tá­veis”, afir­ma Hart.

“Te­nho dois fi­lhos. Es­pe­ro que um de­les se ve­ja em meio a al­gu­ma ques­tão as­sim ain­da jo­vem e ve­nha até mim, daí eu di­rei: ‘Ra­paz, vo­cê pre­ci­sa re­sol­ver is­so por con­ta pró­pria’. Não qu­e­ro blin­dar meus fi­lhos. Vo­cê não po­de im­pe­dir que es­sas coi­sas acon­te­çam, mas po­de se co­mu­ni­car e as­se­gu­rar que as pes­so­as en­ten­dam o va­lor e o amor pró­prio dos seus fi­lhos”, con­clui Hart.

| DI­VUL­GA­ÇÃO

Ato­res têm me­mó­ri­as dis­tin­tas dos tem­pos de es­co­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.