NA­DA ALÉM DA OBRI­GA­ÇÃO

Bra­sil faz 4 a 0 na Di­na­mar­ca e avan­ça em 1º do gru­po, in­vic­to e sem to­mar ne­nhum gol. Ago­ra pe­ga a Colôm­bia nas qu­ar­tas

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - WIL­SON DELL’ISOLA ME­TRO SÃO PAU­LO

O Bra­sil en­trou em cam­po con­tra a Di­na­mar­ca, no ter­cei­ro e úl­ti­mo jo­go da 1ª fa­se, pe­ri­gan­do ser eli­mi­na­do. Mas o ti­me de Ney­mar e com­pa­nhia não deu so­pa pa­ra o azar e con­se­guiu, en­fim, fa­zer gols e mos­trar uma atu­a­ção con­vin­cen­te. O pla­car de 4 a 0 con­fir­mou a Se­le­ção na pri­mei­ra co­lo­ca­ção. Ago­ra, nas qu­ar­tas de fi­nal, a equi­pe en­fren­ta a Colôm­bia no pró­xi­mo sá­ba­do, na are­na de Ita­que­ra, em São Pau­lo, às 22h.

De­pois de du­as apre­sen­ta­ções mui­to fra­cas con­tra Áfri­ca do Sul e Ira­que, que aca­ba­ram em 0 a 0, o téc­ni­co Ro­gé­rio Mi­ca­le re­sol­veu fa­zer mu­dan­ças na equi­pe ti­tu­lar. Thi­a­go Maia, sus­pen­so, deu lu­gar a Wal­la­ce, en­quan­to Fe­li­pe An­der­son foi sa­ca­do pa­ra a en­tra­da de Lu­an no ata­que.

Só que, na prá­ti­ca, o ti­me não con­se­guia me­lho­rar. Com mui­to in­di­vi­du­a­lis­mo no ata­que, as jo­ga­das não fluíam. Ape­sar dis­so, os gri­tos que vi­nham das ar­qui­ban­ca­das eram de in­cen­ti­vo.

Co­mo hou­ve vai­as nos jo­gos an­te­ri­o­res e al­guns jo­ga­do­res se cha­te­a­ram, o trei­na­dor pe­diu à tor­ci­da pa­ra que apoi­as­se a equi­pe na Fon­te No­va, em Salvador.

As­sim, a tor­ci­da já não ser­vi­ria mais de des­cul­pa. O que po­de­ria ser co­lo­ca­do na con­ta do ner­vo­sis­mo, que re­sul­ta­va em afo­ba­ção e er­ros sim­ples, até mes­mo de pas­ses pró­xi­mos.

Quan­do apa­re­ceu a opor­tu­ni­da­de, foi des­per­di­ça­da. Ga­bri­el Je­sus re­ce­beu na área e, de fren­te pa­ra o go­lei­ro, man­dou pa­ra fo­ra.

Até que o pri­mei­ro gol do Bra­sil no tor­neio saiu. Fi­nal­men­te. Aos 26 mi­nu­tos, Dou­glas San­tos avan­çou pe­la es­quer­da e cru­zou ras­tei­ro a bo­la que en­con­trou Ga­bri­el na pe­que­na área. O ata­can­te do San­tos, um pou­co sem jei­to, ain­da con­se­guiu o to­que salvador pa­ra abrir o pla­car.

O gol dei­xou a equi­pe mais con­fi­an­te, um pou­co mais cal­ma. Os er­ros, no en­tan­to, per­ma­ne­ci­am. Os di­na­mar­que­ses, que en­tra­ram pa­ra não per­der, pas­sa­ram a se pre­o­cu­par em evi­tar um pla­car mais elás­ti­co.

Não deu cer­to pa­ra os eu­ro­peus. Aos 39, Ga­bri­el Je­sus foi às re­des, apro­vei­tan­do cru­za­men­to da di­rei­ta de Lu­an.

O pla­car já era su­fi­ci­en­te pa­ra ga­ran­tir a pri­mei­ra co­lo­ca­ção do Gru­po A. Mas, ain­da as­sim, a Se­le­ção se­guiu em ci­ma no se­gun­do tem­po. E, des­sa vez, sob os gri­tos de “o cam­peão vol­tou”.

Não de­mo­rou pa­ra o ter­cei­ro gol apa­re­cer e o Bra­sil se sen­tir com a al­ma la­va­da. Aos 4, após lan­ça­men­to pri­mo­ro­so de Ney­mar, Dou­glas San­tos cru­zou no pé de Lu­an, que só te­ve o tra­ba­lho de com­ple­tar pa­ra o gol aber­to.

A tran­qui­li­da­de fez com que a in­di­vi­du­a­li­da­de fos­se tro­ca­da pe­lo fu­te­bol co­le­ti­vo. E as jo­ga­das pas­sa­ram a fluir com mais na­tu­ra­li­da­de. Ain­da que sem mui­tos lan­ces de pe­ri­go até o fi­nal, o con­tro­le bra­si­lei­ro era ab­so­lu­to no jo­go. Tan­to que che­gou lá mais uma vez aos 35, mais uma vez com Ga­bri­el, e, de no­vo, com mais um pas­se de Dou­glas San­tos do la­do es­quer­do.

Uma atu­a­ção que fi­nal­men­te me­re­ceu aplau­sos, o que po­de ter si­do uma vi­ra­da na his­tó­ria des­ta se­le­ção olím­pi­ca.

“Nós jo­ga­mos bem to­dos os jo­gos. A di­fe­ren­ça é que fi­ze­mos gols” GA­BRI­EL, ATA­CAN­TE

EDU­AR­DO ANI­ZEL­LI/FO­LHA­PRESS

Ney­mar co­me­mo­ra o gol mar­ca­do por Ga­bri­el Je­sus em Salvador

FE­LI­PE OLI­VEI­RA/GETTY IMAGES

Ga­bri­el Je­sus fez o se­gun­do gol do Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.