AGUI­NAL­DO SIL­VA

Au­tor de no­ve­las com­pi­la em li­vro bas­ti­do­res de ca­sos po­li­ci­ais que co­briu co­mo re­pór­ter no iní­cio nos anos 1960 e 1970

Metro Brazil (ABC) - - Cultura -

Au­tor de su­ces­sos co­mo “Im­pé­rio” (2014) e “Se­nho­ra do Des­ti­no” (2004), na TV Glo­bo, Agui­nal­do Sil­va, 73, ini­ci­ou a car­rei­ra co­mo re­pór­ter po­li­ci­al, nos anos 1960. As his­tó­ri­as vi­ven­ci­a­das na épo­ca de re­da­ção es­tão reu­ni­das em “Tur­no da Noi­te”. Qual foi sua gran­de mo­ti­va­ção pa­ra escrever es­te li­vro? No­tei que não ha­via ne­nhum de­poi­men­to mais alen­ta­do so­bre o mo­do co­mo se fa­zia jor­na­lis­mo du­ran­te os anos de chum­bo. Achei que te­ria con­di­ções de pre­en­cher es­ta la­cu­na se ba­se­as­se o meu de­poi­men­to nas mi­nhas me­mó­ri­as pes­so­ais. Acho que o tom au­to­bi­o­grá­fi­co de “Tur­no da Noi­te” tor­na o con­teú­do mais in­te­res­san­te e ul­tra­pas­sa aqui­lo que po­de­ria ser pu­ra­men­te do­cu­men­tal. Mas, ao meu de­poi­men­to pes­so­al so­bre a épo­ca, o li­vro acres­cen­ta uma se­le­ção das re­por­ta­gens ou tex­tos que pu­bli­quei na épo­ca, e is­so o tor­na tam­bém um do­cu­men­to. É um li­vro que se lê qua­se co­mo uma obra de fic­ção, mas é tam­bém uma obra pa­ra ser con­su­mi­da por quem pre­ten­de ser jornalista ou co­nhe­cer a his­tó­ria do jor­na­lis­mo. Co­mo vo­cê li­da­va com o ce­ná­rio vi­o­len­to da épo­ca da di­ta­du­ra mi­li­tar? Co­mo um jornalista. Mi­nha mis­são era in­for­mar, re­la­tar, dar mi­nha im­pres­são pes­so­al de ca­da ca­so, e eu fa­zia is­so sem pa­rar pa­ra pen­sar que, en­quan­to o fa­zia, cor­ria sé­ri­os ris­cos. A per­gun­ta cha­ve do li­vro é a que me fiz ao re­cu­pe­rar e re­ler es­tes tex­tos es­cri­tos du­ran­te a fa­se mais ne­gra da di­ta­du­ra mi­li­tar: co­mo é que ain­da es­tou vi­vo? Co­mo vo­cê se tor­nou au­tor de no­ve­la? Por ser um re­pór­ter po­li­ci­al e go­zar de cer­ta no­to­ri­e­da­de na pro­fis­são, fui con­vi­da­do pe­la Re­de Glo­bo pa­ra escrever um se­ri­a­do cha­ma­do “Plan­tão de Po­lí­cia” (1979), que se pas­sa­va na re­da­ção de um jor­nal. Es­cre­vi o se­ri­a­do du­ran­te três anos, de­pois fui con­vi­da­do pa­ra escrever as mi­nis­sé­ri­es ‘Lam­pião e Ma­ria Bo­ni­ta’ (1982) e ‘Ban­di­dos da Fa­lan­ge’ (1983) e, daí pa­ra as no­ve­las foi um pu­lo. Mas vi­vo re­pe­tin­do: eu não sou no­ve­lis­ta, es­tou no­ve­lis­ta. O que sou, fui e sem­pre se­rei é jornalista. ME­TRO RIO

FRANCISCO PA­TRÍ­CIO/ DI­VUL­GA­ÇÃO

“TUR­NO DA NOI­TE” AGUI­NAL­DO SIL­VA ED. OB­JE­TI­VA 200 PÁGS. R$ 28

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.