Po­lí­ti­ca

Metro Brazil (ABC) - - Brasil - CLÁU­DIO HUM­BER­TO CLAU­DIO.HUM­BER­TO @ME­TRO­JOR­NAL.COM.BR

CU­NHA MANIPULA MÍ­DIA E PO­LÍ­TI­COS COM ‘DE­LA­ÇÃO’.

O de­pu­ta­do Edu­ar­do Cu­nha (PMDB-RJ) con­ti­nua in­su­pe­rá­vel no que faz de me­lhor: ma­ni­pu­lar po­lí­ti­cos e jor­na­lis­tas. Fun­ci­o­na as­sim: ele en­car­re­ga um po­lí­ti­co ami­go de “plan­tar” a no­tí­cia de “ne­go­ci­a­ção” de seu acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da”, por sen­tir-se “ma­go­a­do” ou “es­que­ci­do” etc. O ob­je­ti­vo é as­sus­tar e re­a­gru­par os ali­a­dos. Se a no­tí­cia plan­ta­da sur­tir efei­to, ele en­tão pu­bli­ca no Twit­ter um des­men­ti­do “ve­e­men­te”.

DE­SIN­TE­RES­SE.

Um su­pos­to acor­do de de­la­ção de Edu­ar­do Cu­nha tem um pro­ble­ma in­su­pe­rá­vel: a for­ça-ta­re­fa da La­va Ja­to não tem in­te­res­se ne­le.

É AL­VO FI­NAL.

In­ves­ti­ga­do­res da La­va Ja­to con­si­de­ram que Edu­ar­do Cu­nha, as­sim co­mo o ex-pre­si­den­te Lu­la, é o “al­vo fi­nal” das in­ves­ti­ga­ções.

CON­DE­NA­ÇÃO CER­TA.

O mai­or in­te­res­se da for­ça-ta­re­fa da La­va Ja­to é am­pli­ar de­la­ções con­tra Cu­nha. Mas acha que já dis­põe do su­fi­ci­en­te pa­ra con­de­ná-lo.

ELEI­ÇÃO É PRE­TEX­TO PA­RA O CON­GRES­SO NÃO TRA­BA­LHAR.

O Con­gres­so usa co­mo pre­tex­to as elei­ções mu­ni­ci­pais pa­ra re­du­zir o rit­mo, ale­gan­do a “ne­ces­si­da­de” de fa­zer cam­pa­nha, mas ape­nas 5% do to­tal (29 de­pu­ta­dos e dois se­na­do­res) são can­di­da­tos a pre­fei­to em ou­tu­bro pró­xi­mo. De acor­do com o Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral, a re­gra é sim­ples e não há res­tri­ção le­gal, até por­que são os par­la­men­ta­res que cri­am as leis. E na­da o im­pe­di­rá de re­ce­ber sem tra­ba­lhar.

OLHA O NÍ­VEL.

Sur­pre­en­deu na Jus­ti­ça Elei­to­ral, ao fi­nal do pra­zo de ins­cri­ção pa­ra as elei­ções, o ní­vel de ins­tru­ção de can­di­da­tos es­te ano. Dois ad­mi­tem ser anal­fa­be­tos e 5.708 dos qua­se 213 mil ape­nas “le­em e es­cre­vem”.

FIM.

O ex-mi­nis­tro Jo­sé Dir­ceu te­ve tu­do o que quis, na era Lu­la: ma­ni­pu­la­va bi­lhões, usa­va ja­ti­nhos, de­fi­nia a vi­da e a mor­te. Ho­je um pre­si­diá­rio já não po­de ter nem um pen­dri­ve com mú­si­cas e fil­mes.

| MOREIRA MA­RIZ/AGÊN­CIA SE­NA­DO

Edu­ar­do Cu­nha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.