Can­di­da­tos es­con­dem sím­bo­los par­ti­dá­ri­os

Na re­gião, po­lí­ti­cos não in­clu­em no ma­te­ri­al de cam­pa­nha a es­tre­la do PT e o tu­ca­no usa­do pe­lo PSDB

Metro Brazil (ABC) - - Foco - ABC

De um la­do tu­ca­nos e de ou­tro es­tre­las ve­me­lhas. Tais sím­bo­los fo­ram bas­tan­te pre­sen­tes nas elei­ções des­de a dé­ca­da de 1990, sim­bo­li­zan­do o PSDB e o PT, res­pec­ti­va­men­te. No en­tan­to, pa­re­ce que os can­di­da­tos às pre­fei­tu­ras do ABC es­tão dei­xan­do de la­do ou es­con­den­do es­sas mar­cas na cam­pa­nha mu­ni­ci­pal des­te ano.

Com o iní­cio das pro­pa­gan­das nas ru­as e na in­ter­net no co­me­ço des­ta se­ma­na, o ma­te­ri­al di­vul­ga­do por al­guns po­lí­ti­cos da re­gião não lem­bra nem de lon­ge os lo­go­ti­pos his­tó­ri­cos dos par­ti­dos.

Um dos ca­sos é do pre­fei­to de San­to An­dré, Car­los Gra­na (PT), que ten­ta a re­e­lei­ção. O ver­me­lho pre­do­mi­nan­te nas ar­tes grá­fi­cas do ma­te­ri­al uti­li­za­do na úl­ti­ma elei­ção, em 2012, e a tra­di­ci­o­nal es­tre­la do par­ti­do de­sa­pa­re­ce­ram. Nes­te ano, a pro­pa­gan­da po­lí­ti­ca do pe­tis­ta abu­sa do ama­re­lo e pin­ta o nú­me­ro do par­ti­do (13) em bran­co.

O mes­mo acon­te­ce com o can­di­da­to do PT em São Bernardo, Tar­cí­sio Se­co­li. No ma­te­ri­al de­le, o “ver­me­lho PT” não exis­te. O lo­go­ti­po de cam­pa­nha usa rosa, vi­nho, bran­co e ama­re­lo, cor que pin­ta a si­gla do par­ti­do e uma es­tre­la que es­tá lon­ge de pa­re­cer a tra­di­ci­o­nal mar­ca pe­tis­ta.

Em São Ca­e­ta­no, o ex-pre­fei­to José Au­ric­chio Jú­ni­or, do PSDB, que ten­ta vol­tar ao co­man­do da pre­fei­tu­ra, não uti­li­za o sím­bo­lo his­tó­ri­co do par­ti­do, o tu­ca­no. A mes­ma es­tra­té­gia não é usa­da, por exem­plo, por ou­tros can­di­da­tos da si­gla no ABC, co­mo Pau­li­nho Ser­ra, em San­to An­dré, e Or­lan­do Mo­ran­do, em São Bernardo, que usam a ave do par­ti­do na mai­o­ria das pro­pa­gan­das po­lí­ti­cas di­vul­ga­das nas re­des so­ci­ais.

“Os par­ti­dos es­tão mal vis­tos pe­la opi­nião pú­bli­ca, as pes­so­as es­tão des­con­ten­tes com a po­lí­ti­ca. (Es­con­der os sím­bo­los) Ten­de a acon­te­cer com o PT, até com o PSDB, nes­te ca­so com me­nos cla­re­za. O “an­ti­pe­tis­mo” é for­te prin­ci­pal­men­te em São Pau­lo. En­tão, boa par­te dos pe­tis­tas de­ve ado­tar es­sa es­tra­té­gia de se des­vin­cu­lar da imagem par­ti­dá­ria, prin­ci­pal­men­te aque­les que têm mais chan­ces de ga­nhar”, ana­li­sa o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co e pro­fes­sor de po­lí­ti­cas pú­bli­cas da UFABC (Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do ABC), Ivan Fer­nan­des.

Jus­ti­fi­ca­ti­vas

A as­ses­so­ria de im­pren­sa de cam­pa­nha de Gra­na in­for­mou que as co­res do ma­te­ri­al de cam­pa­nha re­pre­sen­tam a fren­te par­ti­dá­ria com­pos­ta por 11 si­glas e que o ma­te­ri­al foi apro­va­do tan­to pe­los mi­li­tan­tes do PT qu­an­to pe­los ou­tros par­ti­dos que apoi­am a can­di­da­tu­ra.

Tar­ci­sio usa pra­ti­ca­men­te a mes­ma jus­ti­fi­ca­ti­va. “Te­nho uma cam­pa­nha com 12 par­ti­dos. Nem pos­so fa­zer cam­pa­nha só do PT. O fa­to de ter um pou­co mais de ver­me­lho ou de ver­de, is­so não é o prin­ci­pal. O im­por­tan­te é que te­mos um le­ga­do pa­ra de­fen­der.”, afir­ma o can­di­da­to.

Já Au­ric­chio ne­ga que te­nha es­con­di­do o sím­bo­lo do par­ti­do no ma­te­ri­al de cam­pa­nha des­ta elei­ção. “Te­mos o tu­ca­no sim, ele é es­ti­li­za­do. É o pin­go no “I” (do so­bre­no­me de­le). Des­de que eu fui pa­ra o PSDB (em se­tem­bro do ano pas­s­do) uso. É a mar­ca que te­mos uti­li­za­do, um tu­ca­no tri­di­men­ci­o­nal. Sou tu­ca­no com or­gu­lho”, diz o ex-pre­fei­to.

DI­VUL­GA­ÇÃO/FA­CE­BO­OK

Nes­te ano, Gra­na abu­sou do ama­re­lo na cam­pa­nha|

| DI­VUL­GA­ÇÃO

Em 2012, o ve­me­lho e a es­tre­la

| DI­VUL­GA­ÇÃO

Tar­cí­sio tem es­tre­la mo­des­ta

| DI­VUL­GA­ÇÃO

Can­di­da­to diz que há um tu­ca­no no pin­go do “i”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.