Or­lan­do Mo­ran­do pro­me­te cor­te de gas­tos

Can­di­da­to à Pre­fei­tu­ra de São Ber­nar­do pe­lo PSDB diz que pri­o­ri­da­de é con­ven­cer em­pre­sas a se es­ta­be­le­cer na ci­da­de com re­du­ção de im­pos­tos e aju­dar na ge­ra­ção de em­pre­go

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - VANESSA SELICANI

Can­di­da­to tu­ca­no à Pre­fei­tu­ra de São Ber­nar­do é o se­gun­do en­tre­vis­ta­do da sé­rie so­bre a ci­da­de

Or­lan­do Mo­ran­do es­tá de vol­ta à cor­ri­da pe­la prin­ci­pal ca­dei­ra do Paço de São Ber­nar­do. O can­di­da­to do PSDB tra­vou in­ten­sa ba­ta­lha em 2008, quan­do foi der­ro­ta­do pe­lo atu­al pre­fei­to Luiz Ma­ri­nho (PT) - que foi re­e­lei­to em 2012. Au­sen­te na elei­ção pas­sa­da, ele re­tor­na mu­ni­do de crí­ti­cas à atu­al ges­tão. Em en­tre­vis­ta ao Me­tro Jor­nal, o can­di­da­to en­fa­ti­zou a ne­ces­si­da­de de cor­tar gas­tos e tor­nar a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca mais efi­ci­en­te. E pro­me­te: se elei­to, vai cor­tar car­ro e ce­lu­lar dos se­cre­tá­ri­os e di­re­to­res.

O que mu­dou no ce­ná­rio em re­la­ção a pri­mei­ra vez que vo­cê dis­pu­tou a pre­fei­tu­ra, em 2008?

Na­que­le mo­men­to, eu era can­di­da­to de su­ces­são. Pe­guei um go­ver­no que es­ta­va des­gas­ta­do. As pes­so­as ti­nham um sen­ti­men­to de mu­dan­ça em 2008. É o mes­mo que tem ho­je. Após oi­to anos do go­ver­no do PT, es­tá cla­ro is­so por con­ta da cri­se na­ci­o­nal em que o par­ti­do co­lo­cou o país, mas tam­bém pe­la con­jun­tu­ra lo­cal da ci­da­de, com obras aban­do­na­das, di­ag­nós­ti­co mui­to tris­te na saú­de e trans­por­te pú­bli­co que piorou mui­to nes­sa ad­mi­nis­tra­ção. E prin­ci­pal­men­te a ques­tão do de­sem­pre­go. Na mi­nha ava­li­a­ção, a pre­fei­tu­ra se aco­var­dou em re­la­ção ao de­sa­fio de man­ter em­pre­sas na ci­da­de. Ho­je é qua­se se­ma­nal uma in­dús­tria anun­ci­an­do que es­tá dei­xan­do a ci­da­de. O Lu­la (ex-pre­si­den­te) era uma gran­de for­ça po­lí­ti­ca do PT e te­ve em­pe­nho mui­to for­te em 2008 pa­ra ele­ger o Ma­ri­nho. Ho­je ele não tem mais es­sa for­ça, não go­za mais de pres­tí­gio e o PT caiu no des­cré­di­to da po­pu­la­ção. Acho que tem es­se con­tras­te. Eu te­nho uma can­di­da­tu­ra li­vre, in­de­pen­den­te, den­tro de um no­vo gru­po po­lí­ti­co que for­ma­ta­mos. Não te­nho mais aque­le ran­ço que ti­ve que car­re­gar em 2008.

Por que op­tou por não con­cor­rer em 2012?

O (Jo­sé) Ser­ra me con­vi­dou pa­ra co­or­de­nar a cam­pa­nha de­le (à pre­fei­tu­ra de São Pau­lo). Foi uma gran­de ex­pe­ri­ên­cia. Fui co­or­de­nar com o Ed­son Apa­re­ci­do na cam­pa­nha da mai­or ci­da­de do país. E cla­ra­men­te tam­bém não se per­ce­bia o de­se­jo de mu­dan­ça da po­pu­la­ção em 2012. As pes­so­as queriam dar mais uma opor­tu­ni­da­de pa­ra o pre­fei­to Luiz Ma­ri­nho. Ava­li­an­do to­da es­sa con­jun­tu­ra e o con­vi­te do Ser­ra, op­tei por co­or­de­nar a cam­pa­nha da ca­pi­tal e não dis­pu­tar a elei­ção na ci­da­de de São Ber­nar­do.

Co­mo é sua re­la­ção com o ex-pre­fei­to Wil­li­am Dib?

Não exis­te. Não fa­lo com ele há anos já. Po­li­ti­ca­men­te es­tou 100% rom­pi­do com ele.

Por quê?

É uma dis­tân­cia que foi se acu­mu­lan­do na­tu­ral­men­te. Ho­je não te­nho ne­nhu­ma re­la­ção com ele. O que ou­ço é que o Dib mes­mo já deu de­cla­ra­ção de que es­tá apoi­an­do a can­di­da­tu­ra do Alex Ma­nen­te (PPS). Pe­lo me­nos é o que eu ou­ço, não pos­so afir­mar. Mas não me faz ne­nhu­ma fal­ta.

Co­mo a cri­se po­lí­ti­ca vai re­fle­tir na elei­ção?

Acho que tem al­gu­ma coi­sa prin­ci­pal­men­te em re­la­ção ao PT, on­de é mais per­cep­tí­vel a cri­se. Mas acho que a elei­ção mu­ni­ci­pal tem uma ca­rac­te­rís­ti­ca de dis­cu­tir os pro­ble­mas lo­cais. As pes­so­as es­tão mui­to an­si­o­sas em sa­ber quem es­tá pre­pa­ra­do pa­ra re­sol­ver os pro­ble­mas e de­sa­fi­os que a ci­da­de ofe­re­ce. Não acre­di­to tan­to que os fa­to­res ex­ter­nos vão in­flu­en­ci­ar nos re­sul­ta­dos das elei­ções.

No que as no­vas re­gras pa­ra a cam­pa­nha po­dem aju­dar ou atra­pa­lhar?

Vai mu­dar bas­tan­te coi­sa. As cam­pa­nhas se­rão mui­to mais sim­ples. Os re­cur­sos es­tão es­cas­sos. Acho que quem ti­ver me­lhor for­ma de ca­pi-

‘TE­RE­MOS LE­GIS­LA­ÇÃO DE PRO­FUN­DO IN­CEN­TI­VO FIS­CAL’

la­ri­zar a in­for­ma­ção vai le­var van­ta­gem. E vou pro­cu­rar fa­zer exa­ta­men­te is­so até a elei­ção.

Vo­cê es­pe­ra Jo­sé Ser­ra e Ge­ral­do Alck­min na sua cam­pa­nha?

Eles vi­rão. Não é um fa­tor de­ci­si­vo, mas vi­rão. São ami­gos, in­cen­ti­va­ram nos­so pro­je­to e vão es­tar com a gen­te.

Co­mo o mu­ni­cí­pio po­de tra­ba­lhar pa­ra man­ter as em­pre­sas?

In­cen­ti­vos fis­cais. Ma­ri­nho no ano pas­sa­do au­men­tou a car­ga tri­bu­tá­ria do mu­ni­cí­pio com al­ta na alí­quo­ta de ISS, au­men­tou o ITBI. Nós va­mos fa­zer o con­trá­rio. Va­mos cor­tar o des­per­dí­cio que há ho­je na ci­da­de e re­du­zi­re­mos a car­ga tri­bu­tá­ria. Te­re­mos le­gis­la­ção de pro­fun­do in­cen­ti­vo fis­cal pa­ra man­ter as que ain­da es­tão e tra­zer em­pre­sas de vol­ta. É uma pas­ta que eu vou cui­dar pes­so­al­men­te. O se­cre­tá­rio do as­sun­to vai ter o pre­fei­to no pé de­le o tem­po in­tei­ro. Pa­ra mim, a pri­o­ri­da­de é a re­to­ma­da do de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co.

Que ti­po de in­cen­ti­vos?

Aque­le que for ne­ces­sá­rio. Por exem­plo, se uma mon­ta­do­ra me ga­ran­tir que vai pro­du­zir uma li­nha no­va de au­to­mó­veis na ci­da­de, vou bus­car na Câ­ma­ra um acor­do pa­ra dar re­du­ção do IPTU da em­pre­sa. Nós va­mos ter um pa­co­te de in­cen­ti­vos agres­si­vos. Ago­ra, vou ter que ter equi­lí­brio de con­tas. A ho­ra que re­duz car­ga tri­bu­tá­ria, no pri­mei­ro mo­men­to re­duz a ar­re­ca­da­ção. Já te­nho apon­ta­do on­de va­mos fa­zer os cor­tes de des­per­dí­cio. Só pa­ra se ter uma ideia, foi gas­to R$ 4 mi­lhões em pro­pa­gan­da com o Or­ça­men­to Par­ti­ci­pa­ti­vo. Uma coi­sa pro­fun­da­men­te ri­dí­cu­la. Por­que a par­ti­ci­pa­ção da po­pu­la­ção é pí­fia. Va­mos cor­tar. Vou cor­tar a fro­ta ofi­ci­al de veí­cu­los que aten­de ao pri­mei­ro es­ca­lão do go­ver­no. Não tem mais car­ro ofi­ci­al na mi­nha ad­mi­nis­tra­ção. Nem o pre­fei­to, nem o vi­ce, nem se­cre­tá­rio, nem di­re­tor. O con­tra­to de lo­ca­ção que a pre­fei­tu­ra man­tém é de R$ 7 mi­lhões por ano. Te­le­fo­ne cor­po­ra­ti­vo, não ha­ve­rá tam­bém. E vou re­du­zir mui­to for­te os car­gos co­mis­si­o­na­dos. O Ma­ri­nho au­men­tou mui­to, qua­se que do­brou o nú­me­ro de car­gos co­mis­si­o­na­dos e vou fa­zer re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va en­xu­gan­do se­cre­ta­ria tam­bém. Ho­je tem 24, a mi­nha pro­pos­ta é re­du­zir pa­ra 15 pas­tas.

Quais dei­xa­ri­am de exis­tir?

A do Or­ça­men­to Par­ti­ci­pa­ti­vo é uma de­las. As­sun­tos In­ter­na­ci­o­nais tam­bém. Uma sé­rie de se­cre­ta­ri­as que eles cri­a­ram e não exis­te ne­ces­si­da­de de se man­ter.

Se­cre­tá­rio tem que ter car­ro pró­prio?

Sim. Mai­o­ria dos tra­ba­lha­do­res faz as­sim. Ne­nhu­ma em­pre­sa dá car­ro. Te­re­mos aus­te­ri­da­de com gas­to pú­bli­co. Pre­fei­tu­ra não ofe­re­ce ne­nhum me­ca­nis­mo de con­tro­le. Nós va­mos ter um soft­ware ge­ren­ci­a­dor de gas­tos de to­da re­de pú­bli­ca. Is­so vai va­ler pa­ra a edu­ca­ção, pa­ra saú­de e va­mos ca­pa­ci­tar. Ca­da uni­da­de te­rá ge­ren­te de pa­trimô­nio e de con­tro­le de gas­tos. Não é au­men­tan­do car­go, é ca­pa­ci­tan­do quem es­tá lá. E ób­vio, pa­gan­do es­se pro­fis­si­o­nal a al­tu­ra tam­bém.

Co­mo con­se­guir in­ves­ti­men­to em tem­po de cri­se econô­mi­ca?

Acre­di­to que os go­ver­nos fe­de­ral e es­ta­du­al vão con­ti­nu­ar nos aju­dan­do. Sou oti­mis­ta, acre­di­to que o país vol­te a cres­cer a par­tir do se­gun­do se­mes­tre do ano que vem. E nós va­mos fa­zer to­do o es­for­ço pa­ra ca­na­li­zar re­cur­sos. Mas o que me mo­ti­va mui­to é o cor­te de des­pe­sas. Meu go­ver­no vai ser um cho­que de ges­tão. Te­nho a ex­pe­ri­ên­cia da ini­ci­a­ti­va pri­va­da. Is­so me aju­da mui­to. Nós va­mos dar efi­ci­ên­cia pa­ra má­qui­na. Es­sa efi­ci­ên­cia vai me ge­rar um su­pe­rá­vit que vai me per­mi­tir vol­tar a in­ves­tir.

Vo­cê da­rá con­ti­nui­da­de aos cor­re­do­res de ôni­bus?

Nós va­mos con­cluir to­das as obras ina­ca­ba­das. An­tes de co­me­çar ou­tra no­va, vou con­cluir as obras ve­lhas. Nós va­mos mu­dar o ob­je­to de al­gu­mas. Por exem­plo, o Mu­seu do Tra­ba­lha­dor. Ali a mi­nha pro­pos­ta é uma par­ce­ria pa­ra cri­ar um pro­gra­ma que já exis­te do go­ver­no do Es­ta­do, que é a Fá­bri­ca de Cul­tu­ra. Não acho que um es­pa­ço da­que­le é pa­ra re­ce­ber fo­to ou bus­to de ex-pre­si­den­te. Acho que po­de ter fun­ção mui­to me­lhor. Aliás, te­nho cla­re­za que se quer ho­me­na­ge­ar o tra­ba­lha­dor, dê um fu­tu­ro me­lhor ao fi­lho de­le. Mas va­mos con­cluir. Não vou dei­xar obra pa­ra­da pa­ra ri­va­li­zar e di­zer que foi meu an­te­ces­sor que co­me­çou e não te­nho obri­ga­ção de con­ti­nu­ar. Is­so se­ria des­per­dí­cio de di­nhei­ro pú­bli­co.

É pos­sí­vel man­ter a atu­al es­tru­tu­ra de saú­de com os hos­pi­tais no­vos?

A cons­tru­ção do Hos­pi­tal de Ur­gên­cia é fi­nan­ci­a­da pe­lo BID (Ban­co In­te­ra­me­ri­ca­no de De­sen­vol­vi­men­to). En­tão va­mos man­ter. O de­sa­fio é ar­ru­mar re­cur­sos pa­ra gas­to cor­ren­te. Fa­zer equi­pa­men­to da saú­de é o mais ba­ra­to. Man­ter é o gran­de de­sa­fio. O Ser­ra, que foi mi­nis­tro da Saú­de, di­zia que pa­ra ca­da um re­al in­ves­ti­do, pre­ci­sa o mes­mo re­al por ano pa­ra man­ter. Vou am­pli­ar as par­ce­ri­as com o go­ver­no do Es­ta­do. Qu­e­ro tra­zer uma AME (Am­bu­la­tó­rio Mé­di­co de Es­pe­ci­a­li­da­des) aqui pa­ra São Ber­nar­do. E se ne­ces­sá­rio for e se o go­ver­no en­ten­der que sim tam­bém, va­mos es­ta­du­a­li­zar al­gu­mas das uni­da­des exis­ten­tes pa­ra de­so­ne­rar o gas­to da pre­fei­tu­ra.

O Hos­pi­tal de Clí­ni­cas se­rá uma de­las?

Vou ava­li­ar. Ou ele ou al­gum ou­tro. Nós te­mos ho­je três gran­des hos­pi­tais: o HMU (Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal Uni­ver­si­tá­rio), o An­chi­e­ta e o de Clí­ni­cas. A gen­te vai fa­zer uma dis­cus­são téc­ni­ca e ver, ló­gi­co, o in­te­res­se do Es­ta­do. Po­pu­la­ção não quer sa­ber quem to­ma con­ta, ela quer ter aten­di­men­to. Não adi­an­ta ter um hos­pi­tal co­mo aque­le de Clí­ni­cas fun­ci­o­nan­do com ape­nas 20% da ca­pa­ci­da­de de­le. Só o sex­to an­dar tem aten­di­men­to. Aliás, falei pa­ra o pre­fei­to con­vi­dar a im­pren­sa pa­ra ver o hos­pi­tal in­ter­na­men­te. É um des­per­dí­cio de di­nhei­ro pú­bli­co.

Qu­al se­rá o ei­xo prin­ci­pal da sua cam­pa­nha?

Vou dis­cu­tir to­dos os pon­tos. Acho que tem al­gu­mas coi­sas que ne­ces­sa­ri­a­men­te a po­pu­la­ção quer sa­ber quem tem a me­lhor pro­pos­ta. A re­to­ma­da do de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co é um, com fo­co na ge­ra­ção de em­pre­go. São Ber­nar­do pre­ci­sa vol­tar a ser a ca­pi­tal do tra­ba­lho. É ine­gá­vel que pre­ci­sa­mos ter boa par­ce­ria, di­fe­ren­te do que o pre­fei­to fez. Na área da se­gu­ran­ça, não acho que é só res­pon­sa­bi­li­da­de do Es­ta­do. A pre­fei­tu­ra tem que ser ati­va. A saú­de e edu­ca­ção são as­sun­tos ine­vi­tá­veis. É um cla­mor po­pu­lar a gen­te dar res­pos­tas a es­sas pas­tas.

Por que en­tre os can­di­da­tos vo­cê é o mais pre­pa­ra­do?

Pe­la mi­nha ex­pe­ri­ên­cia na ini­ci­a­ti­va pri­va­da e pe­la mi­nha vi­ven­cia nos 20 anos de vi­da pú­bli­ca. Fui ve­re­a­dor por São Ber­nar­do. Es­tou no quar­to man­da­to co­mo de­pu­ta­do, es­tu­dei a ci­da­de nes­ses úl­ti­mos anos e por is­so pos­so apon­tar on­de cor­tar o des­per­dí­cio. Ser pre­fei­to de São Ber­nar­do não é um ato de vai­da­de. É um ins­tru­men­to de ex­tre­ma res­pon­sa­bi­li­da­de. E eu me pre­pa­rei pa­ra es­te de­sa­fio. A gen­te tem um bom gru­po de tra­ba­lho na ela­bo­ra­ção do pla­no de go­ver­no. E te­nho no meu DNA al­go que pa­ra mim é fun­da­men­tal: a trans­pa­rên­cia e o pas­sa­do de vi­da pú­bli­ca fei­to de ma­nei­ra cor­re­ta. São os pres­su­pos­tos que qu­e­ro im­por na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca.

Ser pre­fei­to é um ob­je­ti­vo de vi­da?

Acho que é um de­sa­fio. São Ber­nar­do é uma ci­da­de de­sa­fi­a­do­ra. Acho que to­do po­lí­ti­co de São Ber­nar­do gos­ta­ria de ser pre­fei­to da ci­da­de. Não tra­tei is­so co­mo uma me­ta pes­so­al. Não é a vai­da­de que me mo­ve, é o de­sa­fio de trans­for­mar São Ber­nar­do. Is­so sim me mo­ve bas­tan­te. Por que eu te­nho cer­te­za de que a ci­da­de po­de ofe­re­cer ao seu mo­ra­dor uma con­di­ção de vi­da me­lhor que a pro­pos­ta ho­je. Não te­nho ne­nhum Bo­le­tim de Ocor­rên­cia con­tra o meu no­me. Aliás, não sou ape­nas fi­cha lim­pa co­mo sou au­tor da lei da Fi­cha Lim­pa no Es­ta­do de São Pau­lo.

Vou cor­tar a fro­ta ofi­ci­al que aten­de ao pri­mei­ro es­ca­lão. Não tem mais car­ro ofi­ci­al na mi­nha ad­mi­nis­tra­ção. Nem o pre­fei­to, nem o vi­ce, nem se­cre­tá­rio, nem di­re­tor. O con­tra­to de lo­ca­ção gas­to é de R$ 7 mi­lhões por ano. Te­le­fo­ne cor­po­ra­ti­vo, não ha­ve­rá tam­bém. Nós te­mos ho­je três gran­des hos­pi­tais: o HMU (Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal Uni­ver­si­tá­rio), o An­chi­e­ta e o de Clí­ni­cas. A gen­te vai fa­zer uma dis­cus­são téc­ni­ca e ver, ló­gi­co, o in­te­res­se do Es­ta­do. Po­pu­la­ção não quer sa­ber quem to­ma con­ta, ela quer ter aten­di­men­to. Se uma mon­ta­do­ra ga­ran­tir que vai pro­du­zir li­nha no­va de au­to­mó­veis na ci­da­de, vou bus­car na Câ­ma­ra acor­do pa­ra re­du­ção do IPTU. Te­re­mos pa­co­te de in­cen­ti­vos agres­si­vos. A ar­re­ca­da­ção cai num pri­mei­ro mo­men­to. Mas já te­nho on­de cor­tar o des­per­dí­cio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.